29.11.05

Coração Partido

Tenho um coração dividido em duas bandas.
Uma melhorando desde quinta, quando resolvi tentar parar de fumar e beber cerveja, comer gorduras e doces, fritos e cozidos, e os defumados, ah... os defumados.
A pressão deve ter melhorado,a maldita,na bola de uma vez ao dia.
Ela é adventista,falsa puta,come sem sal. Veste-se de branco,a cínica. A outra banda é uma bunda.
Dor de cabeça, suor fétido, tremores, depressão.
Síndrome de abstinência, efeito antabuzi, antes fosse.
Não fosse o carinho dos amigos, o caralho já tinha me levado de volta.
Viva a pressão alta!A gordura!A morte precoce!
Mas,dizem,sou muito novo pra jogar tudo pro alto.
Tenho que mandar tudo pra dentro... da minha alma,coitada essa sim magrinha, sem virtudes, sem elâ ou orgulho, pouca carroça prá tanto entulho.
Porra!
E assim vou levar os próximos meses se a saudade da boa vida não me levar antes, de volta pra ela.
Esse é o meu desejo e meu despejo, minha escolha e sorte.
Boa ou má? Só o futuro dirá... se disser, se eu deixar.
(Ao João Georgios, com carinho.)

10 comentários:

Ale Carvalho (Lain) disse...

Querido, fique frio...vai dar tudo certo! Eu nunca ouvi dizer de alguém tenha morrido de coração partido, viu? Já de excessos, sim! Agora.. pegou malzaço esse negócio do caralho te levar..rs. hein? onde? como? risos... não deu pra perder a piadinha insolente...

Juvencio de Arruda disse...

Ahah,sacana voce hein? Mas no universo masculino o caralho é invocado como coisa ruim..rs..menos para as meninas bonitas e inteligentes como voce,é claro.B

Jubal Cabral Filho disse...

Ei, caro, espero que o caralho do cigarro pelo menos fique longe de você. Os outros quitutes ... ah! talvez, como você bem disse façam bem ao corpo, mas àquela vontade louca de provar, etc. e tal, vai ser de matar.
E eu aqui não ajudando nem um pouquinho falando de quitutes. Porra, apaga estas linhas acima e pensa que, ao menos, iremos te ver por muito mais tempo (pelo menos é o que dizem os da roupa branca, né?).
Só não sei se o humor vai ser bom, porque pelo que estou lendo agora ...

Anônimo disse...

Não esquenta ! a gente supera essas coisas. Gente ruim não morre, desaparece. Portanto, temos que concordar com Jabour que diz que a morte acontece, mas não existe. Existe sim, a vida.

Felicidades.

Juvencio de Arruda disse...

Os Cabral,pode falar dos quitutes,a bronca é o cigarro,cara,o cigarro.Ainda bem que voce já esqueceu tudo o que passou.Abração.

Juvencio de Arruda disse...

Anonimo,
Tomara que eu seja bem ruim mesmo.Obrigado pelos votos.
Abraço.

Jota Ninos disse...

"Meu coração não se cansa/de ter esperança/ de um dia ser tudo o que quer..." diria Caetano com seu "Coração Vagabundo".
Como disse em meu e-mail, faço minhas suas palavras, poeta... Ainda não cheguei neste estágio, mas estou a caminho. A não ser que ganhe numa megasena e possa contratar um personal trainer e um nutricional trainer, me impor a ditadura da "boca fechada não entra guloseimas" e quem sabe viver tanto quanto meu velho pai, vegetariano, que aos 84 anos esbanja mais saúde que nós dois juntos!
Mas talvez esse seja o destino dos poetas, dos boêmios: a traição do coração (e no meu caso, como canceriano, do estômago, pois dizem que é deste mal que todos nós, carangueijos, haveremos de sucumbir...).
Saudações, Juca.

Vai um poema, de minha autoria, ao teu e nosso coração:


A cor da ação é vermelha
como é vermelho o sangue
que bombeia a ação
e acorda
o coração

mas sem acordo
acordo e mordo
carne vermelha
como o sangue,
que em mim bombeia,
bombaim, santa vaca!
santo colesterol!

a cor do sangue
é centelha
e centeio é o pão
que não entra...

pois a mão é parelha
da boca do glutão
conectado com a minina dos olhos
de olho no churrascão
(e pra alguns, inveterados,
na cerveja do do bodegão)
linkado na mente devassa
de um grego gordo
sem precaução

e com tanta rima pobre
a carne deixa de ser nobre
e pobre do coração
que entope cada veia
sem cereal, sem aveia
a base do "x-qualquer coisa"
ou do macarrão...

Juvencio de Arruda disse...

Poeta a gente não comenta,admira.
Longa vida ao velho Ninos e sua dieta mediterranea.Mas o que estou puto é que mesmo não sendo nem poeta nem boêmio ,preciso entrar na linha.Então,Ninos,nem entre no caminho.Quanto mais cedo menor a dor...da saudade..rs.Abração.

Ancestra disse...

Juca! Que merda! Ando no limite da mesma trilha, mas pouco a pouco estou transformando a abstinência em ira ou demência. A ira reciclo e aproveito para escrever furiosamente quase compulsivamente. A demência continua quando vou ouvir um blues com amigos e, tomando somente água, faço as mesmas palahaçadas que quando estou alto. Agora, o cigarro, ah o cigarro e sua fumaça espiral que embala as noites de fúriam, larga-lo é mesmo foda, já passaei pelas crises de abstinência uma vez e mesmo assim voltei. Talvez na próxima. Mas vá em frente irmão, força. Abração!

Juvencio de Arruda disse...

Eu sei que andas nessa trilha,Ancestral.E vais ter que te entender mais adiante com o muro.
É foda mesmo.Mas vou em frente sim.
Grato pela força,Grande abraço.