16.12.06

Na Mão

Para o Repórter Diário de hoje foi oportunismo.
Para seus companheiros, excesso de pragmatismo.
O fato é que a última reunião das cabeças coroadas do PPS no Pará foi cheia de espinhos.
É que a turma não se conformou com o voto do deputado Arnaldo Jordy, presidente do partido, na eleição do companheiro Zeca Araújo para a onírica vaga no TCM.
Acham que o voto de Arnaldo tirou de vez o partido do primeiro escalão do próximo governo.
E desconfiam que Arnaldo ainda estaria na, digamos, dependencia de rescaldos de campanha.
Esperto este Jatene, né não?

5 comentários:

Juvencio de Arruda disse...

Desculpe mas não acredito que um secretario de um partido assim quera se referrir, no Quinta Emenda, a um presidente de outro partido.
Se eu estiver enganado, e voce for, realmente, quem assina o comentário, por favor mande um mail ao blog - com a URL de seu partido - que eu publicarei, com todo com prazer.

Anônimo disse...

O Reporter Diario conta a seguinte história, se for verdade, pobre Jordy e pobre Ana.

Em causa própria
O PPS não vai participar do governo de Ana Júlia porque Arnaldo “Oportunista” Jordy preferiu investir em sua própria candidatura à Prefeitura de Belém, em 2008, com o suposto apoio do tucano Simão Jatene. As cúpulas do PT e do PPS já haviam fechado acordo em torno do nome do arquiteto Flávio Nassar para ocupar a Secult. Em contrapartida, os petistas queriam que Jordy votasse no deputado Mário Cardoso na eleição da Assembléia para o TCM.

Revoada
O líder do PPS, entretanto, preferiu não se indispor com seus padrinhos e deu a vitória a Zeca Araújo, do PSDB. A previsão é de debandada geral na militância do PPS paraense. Desde o período da campanha eleitoral, Jordy esteve praticamente sozinho no apoio a Almir. No próprio gabinete do deputado, conta um membro do partido, apenas ele e uma assessora votaram no tucano. Todos os outros - dos cerca de 10 - estavam com Ana Júlia.

Anônimo disse...

Arabe se entende com arabe...

Anônimo disse...

O Jatene, esperto? Espertíssimo!
Mas que se deu mal, se deu. E muito!
Tentou passar para a opinião pública que era bonzinho e leal e no final não foi nem uma coisa nem outra.
Traiu o Almir, a Valéria, todo o PSDB e o PFL, e toda a União pelo Pará.
A sorte que ele ainda tem, é ter ao seu lado o fiel e cego escudeiro e marqueteiro Orly Bezerra, que não consegue ver defeitos no amigo.

antonio carlos disse...

Jordy não tinha nenhuma obrigação em votar em Mário Cardoso a vaga de conselheiro do TCM.O PPS não apoiou AJ em nenhum dos turnos eleitorais.Causaria estranheza a votação diferente. Aliás, está virando moda no jornaleco do sobrançelhudo chamar o Jordy de oportunista.Está merecendo reparo judicial.

Antonio Carlos Monteiro