29.3.06

Ação

São injustificáveis as ações do MST na Fazenda Peruano. Ponto.
Da mesma forma que o descumprimento das metas de assentamento dos sem terra pelo governo Lula, ao redor de 60% do prometido.
Ainda assim, a superintendente do INCRA na região conflagrada deixa o cargo, para se candidatar nas eleições de outubro.
Sobra, para o governo do Pará, a confusão. E o temor que a PM apronte outra.
Mas tem que agir sim. Ponto.

2 comentários:

Val-André Mutran disse...

As ações do MST inviabilizam a agropecuária de ponta no sul do Pará.
Conheço o trabalho dos produtores prejudicados, que ao longo de 40 anos, investiram, errando e acertando, até encontrar o fio da meada da genética do rebanho, e o reconhecimento internacional da qualidade alcançada.
O desgoverno que grassa na região é uma afronta ao Estado de Direito.
É a culpa é sempre do fazendeiro, tido e acusado por essa corja de marginais como bandidos e patrocinadores de trabalho escravo.
É esse o quadro companheiros.
Val-André Mutran
Jornalista
Brasília

Juvencio de Arruda disse...

Os fazendeiros aprontam todas,é preciso considerar.Mas não justifica, como disse no post,a ação do MST, em hipótese alguma.O problema é que o governo federal está em débito com os sem terra, em boa medida impedido ou sobrestado pela ação organizada, no Congresso nacional, de parlamentares ruralistas.
É a mais anacrônica possível a elite agrária do Brasil.
Tanto que acaba se voltando contra eles.Lamentável.
Bom dia Val-André, aquele que não dorme nunca..eheh.