3.9.08

Confronto

Andam se estranhando, na Vigia, militantes do PT e do PMDB. De um lado, professores ligados ao PT são acusados de pressionar os alunos para votar na coligação vermelha. De outro, denúncias de distribuição indiscriminada, pelo PMDB, de prebendas aos eleitores.

3 comentários:

Bia disse...

Bom dia, Juca querido:

nada de novo no reino. O que ocorre em Vigia deve estar ocorrendo nos 5 mil e tantos municípios brasileiros.

Partidos que se aliançam exclusivamente a troco de pedaços, nacos de poder - mas chamas a isso de governabilidade - parecem sofrer de uma leve esquizofrenia: faz de conta que somos siameses, mas não encosta que eu te dou um choque...rsrsrs...

Agora, bonito mesmo, pra alegrar minha manhã foi essa "prebendas", que minha madrinha usava, pra repreender: "Está achando que com isso leva uma prbenda..."

...rsrsrs

Beijão.

Anônimo disse...

Juca,

Passei o fim de semana último na Vigia filmando “Meninos da Banda”. O que vi lá seria suficiente para o promotor eleitoral chamar às falas e processar os candidatos Edmilson Campos e Noé Palheta.

Não chamou porque não quis: os fatos eram tão gritantes quanto ilegais. No sábado, Noé Palheta comemorou o aniversário com uma carreta e um comício gigantescos - não sem antes poluir os ouvidos do eleitor com carros de som; muitos, muitos carros. No contraponto, Edmilson fazia, na mesma noite, uma carreata para abafar, com mais carro som, o adversário, cujo vice é do PT. No domingo foi a vez de Edmilson fazer seu gigantesco comício – não sem antes poluir os ouvidos do eleitor com dezenas – sim, dezenas – de carros plotados, caracterizados e sonoramente poluentes. Encheu o saco! O eleitor vigiense consciente está de saco cheio.

Em ambas as campanhas, o que se viu foram “sinais exteriores de riqueza eleitoral”. Se o promotor ou o juiz eleitoral quisessem tomar uma providência bastaria passar nos postos de combustível, tanto no sábado quando no domingo, para flagra a fila de veículos – automóveis, pick ups, ônibus e motos - abastecendo para as duas carreatas.

De útil para o eleitor vigiense, nada. Mas ambos se esfalfaram em chamar de ladrão um e outro (Noé tem as contas de dois mandatos de prefeito nunca aprovadas; Edmilson,m funcionário da Sagri , disponível até véspera da candidatura ao gabinete do Presidente da Assembléia, seu tio, e vereador aparece com um caminhão de dinheiro. De onde, cara pálida? De ambos, nenhum recado, nenhuma mensagem concreta do “por que ser prefeito?” ; se não divulgaram nenhuma promessa, muito menos apresentaram proposta de governo, como também não deram ao leitor nenhum sinal de que farão mudanças concretas, governo moderno e transparente, competente.

Detalhe importante: na semana que se passou, dois assassinatos em Vigia – o que não é novidade. Aliás, no domingo, um tiroteio a menos de 200 metros do local do falatório, contemplou a apoteose do comício de Edmilson; na madrugada de segunda-feira, a cidade viveu mais uma vez clima de insegurança com a ameaça de motim na delegacia de polícia - sempre superlotada. O tráfico de drogas está no centro dessa onda de violência, já antiga – assunto que nenhum candidato se queda tratar - nem na forma das mentirosas promessas de palanque, muito no plano de governo - coisa absolutamente desconhecida como estratégia de marketing dos candidatos.

Fica valendo em Vigia, em mais uma campanha, a ostentação, o dinheiro a rodo, a poluição sonora e nenhuma promessa de que o futuro governo se preocupará com o quadro social e econômico do município, que transforma as pessoas de bem, as bandas de música e as duas igrejas históricas em elementos estranhos num lugar literalmente sem a presença eficaz do Estado, seja o governo de qualquer nível.

Nélio Palheta

Pedro Ivo disse...

Nélio PALHETA fazendo comentarios de Edmilson Campos que é adversario Noé PALHETA... Um pouco estranho não?