29.12.05

Amanhã, Sem Falta!



Quem dera que eu pudesse
e o meu dinheiro desse,
porque ele merece,
e seu trabalho também.
Na saudosa Santarém
que eu quero tão bem,
lança Moreira,
poeta de eira
no Tapajós à beira.
No Bar Mascote, dezenove horas
............................................... Seleta e Outros Poemas
Só pérolas, vê se não demoras!

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Mas Moreira, o que não faz um pobre blog pelo amigo poeta?

2 comentários:

neucivaldo moreira disse...

Tu bem sabes, Santarém é dos encontros. À margem, os poetas ficam e seus olhos deslizam sobre as águas, pouco importando seus nomes, a beleza não carece disso. Ela é, e pronto. Carece de outros olhos, por isso escrevo na medida que o remanso da vida escorre nos córregos das desenvolturas das magias, das paisagens, do universo do homem.

Obrigado pela força, e não esqueça, apesar de tudo o homem é impar e cheio de sentidos:

“ Quem não é
Passa a ser sem tido
Tido,
Tido o olhar
Tido o tatear
Tido o provar
Tido o ouvir
Tido o cheirar

Sentir não precisa de ordem
A ordem é desumana."

Portanto, companheiro, aproveite a sua Nova Déli antiga, que fico aqui na Pérola com os encontros do paraíso.


Neucivaldo

Juvencio de Arruda disse...

Valeu poeta.Abração.