4.8.08

A Gestão do Fundo

No blog do Alencar.

Se existe um Banco da Amazônia, por que a União autorizou o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES a adotar as providências necessárias ao estabelecimento e gestão do Fundo Amazônia, destinado a captar doações para investimentos não reembolsáveis em ações de prevenção, monitoramento e combate ao desmatamento e de promoção da conservação e do uso sustentável das florestas no bioma amazônico?

Na íntegra aqui.

6 comentários:

JOSÉ DE ALENCAR disse...

Obrigado pela citação, meu caro Juvêncio.

Juvencio de Arruda disse...

De nada e obrigado pelo copyleft, caro Alencar.
O tema instiga. Acho que a AEBA deveria se manifestar, já que a diretoria dificilmente o fará.

Alan Lemos disse...

Taí, não tinha parado pra me questionar sobre isso.. já que o BNDES tem abrangência nacional, vai ver que teria mais credibilidade internacional.

Ou por que a gerência do BNDES deve ser de mais confiança do presidente do que a do BASA, não sei...

Anônimo disse...

Juca,

A gestão de fundos públicos é, em parte, determinada por uma disputa política entre agências governamentais, a velha e tradicional competição interburocratica.

O Basa é o primo pobre do sistema bancário público federal. Essa posição decorre principlamente de dois fatores:

a) da ausência ou insuficiência da política interna do banco, fundamentalmente a política de qualificação e gestão de pessoal, base de tudo mais que se faz dentro de uma instituição financeira (um bom indicador pode ser a comparação da formação do pessoal do Basa com a formação do pessoal dos outros bancos federais; estou falando da área econômica e não dos funcionários de agências);

b) da ausência de uma atuação mais ativa do governo estadual e da bancada federal do Pará no ambito do jogo federativo.

Essa é uma longa tradição do comportamento das forças políticas paraenses na disputa por espaços dentro da máquina pública federal. Estas fotrças se limitam a disputar o Basa, a Sudam e as unidades desoncentradas de agências federais na Amazônia, o resto é assumido implictamente como área das forças do Sul e Sudeste.

É hora de mudar esse jogo. O Basa e as forças políticas paraenses precisam assumir uma postura mais ativa.

Prof. Ludovico

Juvencio de Arruda disse...

Com efeito, professor.
Só nao acredito é que essas "forças políticas" sejam capazes de reverter o jogo.

Não me esqueci de minha dívida com vc: comentar a questão da governança e governabilidade do governo Ana Julia.

Vou tratar desta questão na segunda quinzena deste mes, pois estou parando por uns dias amanhã ou depois.
Abs

Anônimo disse...

O BNDES é um BD puro. Não possui rede operacional. Assim, não tem clientes pessoas físicas ou jurídica - atua via bancos intermediários aos quais repassa e refinancia os recursos que capta. Seu porte é o ideal para captar recursos no exterior,dada a alavancagem exigida pelos Acordos de Basiléia. A questão é: se o BASA vai ser intermediário e se o único intermediário na operacionalização desses recursos, já que o FDA (ex-FINAM) já não o tem como único agente operacional.