29.3.07

A Noite da Civilização

De Luis Fernando Veríssimo, no blog do Noblat.


Em inglês há uma expressão bonita para dar-se conta, ter uma revelação, entender. “It dawned on me”. Amanheceu em mim. Descreve o sentimento de subitamente ver com clareza o que antes era obscuro como uma aurora interior. Idéias amanhecem dentro de nós.
Os olhos de uma pessoa se iluminarem quando ela tem uma percepção nova não é um clichê literário, é a luz deste alvorecer saindo pelos olhos. Não sei se existe expressão parecida em outras línguas, mas ela deveria ser universal. Afinal, sua origem é a experiência mais comum da humanidade desde que ela viu sua primeira aurora, a do sol afastando as trevas, a da noite dando lugar ao dia e à sua maior dádiva, que é a de nos permitir enxergar.
O amanhecer é uma metáfora pronta, e reincidente. A usamos para escrever a História: o Renascimento como um novo dia depois da noite medieval, o Iluminismo como o sol resgatando o espírito humano das sombras da ignorância e da superstição, etc. Mas tanto como figura de linguagem quanto como alegoria histórica, todo amanhecer tem sua conseqüência, também reincidente e inescapável. Nenhum dia é para sempre, todo amanhecer anoitece.
Não importa quantas auroras pessoais você experimentar, e quantas revelações e verdades vierem iluminá-lo por dentro, elas não são permanentes, nem farão muita diferença fora da sua pele.
A lição do mundo é que as auroras não pegam.
O que se vê aí fora, com os vários fundamentalismos em conflito, as religiões recaindo nos seus hábitos, sem trocadilho, mais retrógrados e as pessoas se retribalizando na proporção exata em que o dinheiro que as governa se globaliza e acreditando em feitiços cada vez mais estranhos, não é exatamente no que se esperava que desse a Idade da Razão. Antes parece ser um fim de dia.
Que noite está por vir, ninguém sabe.

6 comentários:

Cris Moreno disse...

Esse post é a cara da Bia...(rsrsr)
Bjs,
Cris Moreno

Anônimo disse...

Verissimamente, tocante!

Anônimo disse...

"Todo amanhecer, anoitece".
Ou " o tempo tem tempo de tempo ser, o tempo tem tempo de tempo dar, ao tempo da noite que vai morrer, o tempo do dia que vai chegar".
Gosto do Juca poetoso.
Abração,
Afonso Klautau

Juvencio de Arruda disse...

eheh...
Abração.

Anônimo disse...

"O amanhecer é uma metáfora pronta, e reincidente".
Exatamente por isso é amanhecer. Sucede-se. Acho até que fiquei corado!

Anônimo disse...

Barbaridade, será um pseudônimo do Paulo Coelho? Com todo respeito, é claro.