31.3.08

Companhias Dispensadas

Os destaques da II Conferência Nacional Eleitoral do PSOL, que aconteceu neste final de semana em Brasília, são a decisão de ter candidato próprio no maior número de cidades possível e a possibilidade de alianças com todos os partidos, à exceção do DEM, PSDB, PT e todos os que tiveram parlamentares envolvidos no escândalo do mensalão

28 comentários:

Anônimo disse...

Então o PSOL vai coligar com....não sei.

Anônimo disse...

Com ninguém

Alguém confirme: a candidata será mesmo aquela mala sem alça da Neide Solimões????

Piqueteira profissional

Anônimo disse...

PMDB aguarda em silêncio que o PT obedeça a Lula
No PMDB, depois das últimas chamadas que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem dado nos petistas, para que apóiem a candidatura do ex-deputado federal José Priante a prefeito de Belém, é mais quem passou a observar silêncio.
E não é qualquer silêncio. É daquele silêncio tipo obsequioso, como aquele que a Santa Sé impõe a religiosos que, no seu entendimento, excedem-se na divulgação de opiniões pessoais sobre questões doutrinárias, seja através de declarações ou da publicação de livros e artigos.
Os peemedebistas estão em silêncio porque ainda avaliam quais serão as repercussões internas, no âmbito do PT do Pará, aos apelos do presidente, que, segundo as últimas versões, tem usado de veemência crescente para lembrar aos petistas que, politicamente, ainda não se desobrigaram junto ao PMDB do deputado federal Jader Barbalho.
A última manifestação de Lula foi na semana passada, quando o presidente, ao receber em seu gabinete a governadora Ana Júlia, que lá teria ido pedir-lhe apoio à pré-candidatura da deputada estadual Regina Barata, teria ouvido “consternada” o presidente lembrar-lhe das dívidas remanescentes do petistas para com o PMDB. É o que conta o Informe JB de ontem, que abre a coluna com um comentário a que deu o título de Lula chuta Carepa para escanteio.
No caso, entretanto, o silêncio obsequioso que os peemedebistas guardam nada tem a ver com questões doutrinárias, opiniões pessoais ou coisas do gênero. O que está em jogo são mais ou menos as seguintes questões:
1 - o PT vai ou não se insurgir contra a orientação do presidente Lula, de quem os peemedebistas cobram a dívida por terem aderido à candidatura de Ana Júlia Carepa em 2006, quando Priante a apoiou na disputa que ela travou com o tucano Almir Gabriel para o governo do Estado?
2 – Hoje, final de março, quem está resistindo a esse apoio: a governadora Ana Júlia ou segmentos do PT?
3 – E se o PT não fechar com Priante, ele fará o quê?
O blog manteve contato, ontem à noite, com peemedebista muito próximo à direção do partido e fez-lhe exatamente essas três indagações básicas. E o que ouviu dessa fonte - ela mesma não obrigada, mas contaminada pelo silêncio que os cardeais do partido se auto-impuseram -, oferece alguma pista sobre os próximos passos da costura entre PMDB e PT para as eleições municipais de outubro em Belém.

Priante será mesmo candidato
A fonte peemedebista começou logo pela resposta à última indagação: “O Priante não abre mão de sua candidatura a prefeito de Belém. Ele vai disputar. Tem certeza de que sabe que Ana Júlia e os segmentos majoritários do PT estão conscientes de que a derrota de um será a derrota de todos, e a vitória também. A alternativa que restará a Priante se ele não tiver o apoio do PT será iniciar uma cruzada no interior, apoiando os candidatos do PMDB a prefeituras para fortalecer o partido para o pleito de 2010”, explicou ao blog o peemedebista.
Priante, segundo diz a fonte, já deixou claro ao PT que Ana Júlia deve levar em conta que as eleições de outubro não se esgotam nos limites da Região Metropolitana de Belém. Ao contrário, serão uma prévia para 2010, quando ela estará certamente disputando a reeleição para o governo do Estado.
Quanto à primeira questão, se o PT vai insurgir-se contra os apelos de Lula, o peemedebista próximo à direção partidária diz estar convicto de que, no momento, a resistência maior ao apoio petista à almejada candidatura de Priante se concentraria na deputada estadual Regina Barata. E aqui se responde também à segunda questão proposta ao peemedebista com quem o blog conversou.
Menciona a fonte, por exemplo, que outras tendências do partido, como as que são integradas por lideranças do partido, como o deputado federal Paulo Rocha e o secretário de Transportes, Waldir Ganzer, manifestam simpatia à idéia de cumprir o acordo nascido em 2006 e que implicaria a adesão do PT à candidatura de Priante a prefeito de Belém.

Duciomar é carta fora do baralho
O peemedebista tendente ao silêncio obsequioso não quis nem ouvir a possibilidade de uma aliança que envolvesse o prefeito Duciomar Costa: “Ele já demonstrou que não cumpre acordos. O destino dele será disputar a reeleição tendo como vice alguém do PSDB. Conosco, do PMDB, não existe a menor possibilidade de fechar uma aliança com o Duciomar”, garantiu o peemedebista.
E o DEM? - indagou o blog. O peemedebista respondeu em cima da bucha: “Deve concorrer isolado. Deve concorrer sozinho. Talvez se alie ao PSDB, mas o papel do [ex-governador Simão] Jatene, no momento, é juntar os cacos do que sobrou do PSDB para trabalhar em favor do fortalecimento da candidatura do Serra. É a saída que o partido tem para tentar reafirmar-se no Estado”, especulou o peemedebista.
E o PSOL, qual o peso na balança? – voltou o blog. O ex-prefeito Edmilson Rodrigues, segundo o peemedebista, dificilmente sairá candidato, até porque já está com sua vida pessoalmente bem resolvida em São Paulo (SP), onde se encontra desde que deixou o governo, em 2004. “No mais, a orientação partidária é de que o PSOL só se coligue com o PCB e com o PSTU, que terá o Atnágoras como candidato a prefeito”, lembrou o peemedebista.
Enquanto isso, o PMDB espera em silêncio. E espera, é claro, que o PT obedeça ao presidente Lula.

Diógenes Brandão disse...

De quem é este delírio-sã?

Salve-nos deste destino, bom-Deus!

Anônimo disse...

Calma lá! calma lá! Ainda resta ao Psol fazer aliança com o PCO.

Cláudio

Anônimo disse...

Se o PT e o povo belemense tiverem juizo vão avaliar que o melhor candidato é o Priante, pois garante com certeza uma administração moderna e astuciosa, acompanhada de muita competencia, além de manter a governabilidade politica do atual governo. Dudu não consegue colocar o Pronto Socorro pra funcionar, imagine o resto, só sabe fazer operação tapa buraco. Valeria é a herdeira da famigerada e virtual administração tucana, que seu unico objetivo com certeza, será esconder os escandalos passados, inclusive os seus na SESPA.

Anônimo disse...

O PSOL poderia coligar com o PCPCP (Partido Comunista Pra C... de Portugal), mas essa valorosa agremiação política desapareceu tragicamente, quando a Kombi em que viajavam todos os seus militantes colidiu com um trem. É que o motorista, observando as normas rígidas de segurança do PCPCP, dirigia de olhos vendados.

Anônimo disse...

O das 6:46 deve ser um aliado do Priante para dizer que ele é o melhor - só se for pra esse anônimo !
A realidade é que não se vislumbra nenhum candidato para governar Belém como a cidade necessita,
Talvez o Edmilson, talvez o Paulo Chaves - dois extremos, é verdade,
mas são os que tem cabeça coerente.
O resto é a continuidade desse "status quo" que privilegia os apaniguados,
Pobre Nova Déli !

Anônimo disse...

Decididamente fica cada vez mais difícil entender o PSOL.
Não quer nada com a esquerda e em tese não quer nada com a direita.
Em tese são só eles a esquerda (por certas coisas) e a direita (por outras).
No congresso andam e votam juntinhos juntinhos com DEM e PSDB.Juntos presentearam os ricos e os sonegadores de impostos com o fim da CPMF.
Juntos passam o tempo todo a descer o cacete no Governo Lula.
Que não queiram nada com PT é até compreensível, mas porque excluir o PSDB E DEM? Afinal votam juntos no congresso.
Imaginem o que acontecereia em Belém com uma coligação PSOL, DEM, PSDB!
Claro que estou apenas brincando de ficção política.
Mas se até Gabeira já quebrou o "muro" e hoje no Rio é candidato da Globo e dos tucanos, como diria o Farol de Alexandria (comentando os altíssimos índices de aprovação do Presidente Lula): "Nada me surpreende mais do que acontece no Brasil".

Tiberio Alloggio

Anônimo disse...

Uma resolução lúcida, para o delírio dos esquerdistas que foram reduzidos a pó na conferência do psol. Uma resolução que dialoga com as diferenças, para o delírio dos direitistas e petistas de plantão. Mas a vontade do povo é soberana, mesmo que seja para escolher um desses delinqüentes de colarinho branco.

Newton Pereira disse...

Juvêncio, o Priante não pode pleitar ser o nome da atual coalização estadual e exigir que o PT o apoie.

O Priante teve cerca de 91.000 votos em Belém, e Mário Cardoso quase 250.000.

Segundo, o Mário ganhou do Priante e o Luis Otávio em todas as Zonas Eleitorais de Belém.

Esse resultado Mário teve fazendo campanha sem estrutura nenhuma. Nem carro som o comitê do Mário tinha. Lembro-me do debate na RBA que contei mais de 60 (sessenta) carros só na Almirante Barroso.

Então, na hora em que a militância for para rua e mostrar que o PT terá nome próprio vamos novamente para segundo.

Ah sim! segundo algumas pesquisas melhor nome do PMDB é da deputada Elcione, entretanto não pode a pleitear em razão da reeleição do Helder em Ananindeua.

E em eleição o que conta ainda é voto....

Newton Pereira

Anônimo disse...

SESPA
Depois do que aconteceu na SESPA sob o apadrinhamento do PRIANTE, só louco apoia ele a prefeito de Belém.

Juvencio de Arruda disse...

Parceiro, largue-lhe a porrada.
Ela merece.
Abs

Anônimo disse...

Menino você não sabe a BOMBA que em breve será lançada . è nitroglicerina cheia de Mosquito da Dengue sem Licitação e com Azeite de Soja. dizem que o Chico Ferreira Fanco está viciado em frutas refinadas como Amoras,vai falar .
Fala Chiquinho,Fala . Já tem até diário com patrocinio e marketing Bezorly Production . O pior é que ele mostra o caminho das pedras ,ou melhor das correntes que amarram O PT e PSDB ,em outrs palávras o Almir(coitado,que Deus o ajude),Marcelinho,Valerinha,Viquinho,Rochinha e por conseguinte todos os que receberam dinheiro para suas eleição do PTifaria .
Uma vergonha .
O outro babado forte é que o ex Halmelio já fez sua defeza e pelo que dizem as Sombras estão ficando Brancas de Pavor . Os Carecas viram renascer Cabelos até nas mãos .
Oswaldo Cruz

Anônimo disse...

PMDB aguarda em silêncio que o PT obedeça a Lula
No PMDB, depois das últimas chamadas que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem dado nos petistas, para que apóiem a candidatura do ex-deputado federal José Priante a prefeito de Belém, é mais quem passou a observar silêncio.
E não é qualquer silêncio. É daquele silêncio tipo obsequioso, como aquele que a Santa Sé impõe a religiosos que, no seu entendimento, excedem-se na divulgação de opiniões pessoais sobre questões doutrinárias, seja através de declarações ou da publicação de livros e artigos.
Os peemedebistas estão em silêncio porque ainda avaliam quais serão as repercussões internas, no âmbito do PT do Pará, aos apelos do presidente, que, segundo as últimas versões, tem usado de veemência crescente para lembrar aos petistas que, politicamente, ainda não se desobrigaram junto ao PMDB do deputado federal Jader Barbalho.
A última manifestação de Lula foi na semana passada, quando o presidente, ao receber em seu gabinete a governadora Ana Júlia, que lá teria ido pedir-lhe apoio à pré-candidatura da deputada estadual Regina Barata, teria ouvido “consternada” o presidente lembrar-lhe das dívidas remanescentes do petistas para com o PMDB. É o que conta o Informe JB de ontem, que abre a coluna com um comentário a que deu o título de Lula chuta Carepa para escanteio.
No caso, entretanto, o silêncio obsequioso que os peemedebistas guardam nada tem a ver com questões doutrinárias, opiniões pessoais ou coisas do gênero. O que está em jogo são mais ou menos as seguintes questões:
1 - o PT vai ou não se insurgir contra a orientação do presidente Lula, de quem os peemedebistas cobram a dívida por terem aderido à candidatura de Ana Júlia Carepa em 2006, quando Priante a apoiou na disputa que ela travou com o tucano Almir Gabriel para o governo do Estado?
2 – Hoje, final de março, quem está resistindo a esse apoio: a governadora Ana Júlia ou segmentos do PT?
3 – E se o PT não fechar com Priante, ele fará o quê?
O blog manteve contato, ontem à noite, com peemedebista muito próximo à direção do partido e fez-lhe exatamente essas três indagações básicas. E o que ouviu dessa fonte - ela mesma não obrigada, mas contaminada pelo silêncio que os cardeais do partido se auto-impuseram -, oferece alguma pista sobre os próximos passos da costura entre PMDB e PT para as eleições municipais de outubro em Belém.

Priante será mesmo candidato
A fonte peemedebista começou logo pela resposta à última indagação: “O Priante não abre mão de sua candidatura a prefeito de Belém. Ele vai disputar. Tem certeza de que sabe que Ana Júlia e os segmentos majoritários do PT estão conscientes de que a derrota de um será a derrota de todos, e a vitória também. A alternativa que restará a Priante se ele não tiver o apoio do PT será iniciar uma cruzada no interior, apoiando os candidatos do PMDB a prefeituras para fortalecer o partido para o pleito de 2010”, explicou ao blog o peemedebista.
Priante, segundo diz a fonte, já deixou claro ao PT que Ana Júlia deve levar em conta que as eleições de outubro não se esgotam nos limites da Região Metropolitana de Belém. Ao contrário, serão uma prévia para 2010, quando ela estará certamente disputando a reeleição para o governo do Estado.
Quanto à primeira questão, se o PT vai insurgir-se contra os apelos de Lula, o peemedebista próximo à direção partidária diz estar convicto de que, no momento, a resistência maior ao apoio petista à almejada candidatura de Priante se concentraria na deputada estadual Regina Barata. E aqui se responde também à segunda questão proposta ao peemedebista com quem o blog conversou.
Menciona a fonte, por exemplo, que outras tendências do partido, como as que são integradas por lideranças do partido, como o deputado federal Paulo Rocha e o secretário de Transportes, Waldir Ganzer, manifestam simpatia à idéia de cumprir o acordo nascido em 2006 e que implicaria a adesão do PT à candidatura de Priante a prefeito de Belém.

Duciomar é carta fora do baralho
O peemedebista tendente ao silêncio obsequioso não quis nem ouvir a possibilidade de uma aliança que envolvesse o prefeito Duciomar Costa: “Ele já demonstrou que não cumpre acordos. O destino dele será disputar a reeleição tendo como vice alguém do PSDB. Conosco, do PMDB, não existe a menor possibilidade de fechar uma aliança com o Duciomar”, garantiu o peemedebista.
E o DEM? - indagou o blog. O peemedebista respondeu em cima da bucha: “Deve concorrer isolado. Deve concorrer sozinho. Talvez se alie ao PSDB, mas o papel do [ex-governador Simão] Jatene, no momento, é juntar os cacos do que sobrou do PSDB para trabalhar em favor do fortalecimento da candidatura do Serra. É a saída que o partido tem para tentar reafirmar-se no Estado”, especulou o peemedebista.
E o PSOL, qual o peso na balança? – voltou o blog. O ex-prefeito Edmilson Rodrigues, segundo o peemedebista, dificilmente sairá candidato, até porque já está com sua vida pessoalmente bem resolvida em São Paulo (SP), onde se encontra desde que deixou o governo, em 2004. “No mais, a orientação partidária é de que o PSOL só se coligue com o PCB e com o PSTU, que terá o Atnágoras como candidato a prefeito”, lembrou o peemedebista.
Enquanto isso, o PMDB espera em silêncio. E espera, é claro, que o PT obedeça ao presidente Lula.

Ronaldo Barata disse...

Caro juvêncio
Lembro, e é sempre bom lembrar, que na primeira campanha do Almir Gabriel para governo do Estado, foi costurada uma aliança de esquerda, yido como pura:PT, PSB,PCB,PC do B E PDT. Naquela ocasião, e antes de se concretizar a aliança, inúmeras foram as reuniões no sentido de obter o apoio do PT, QUE ESTAVA RELUTANTE, pois alaegava que alguns nomes da direção do PSDB, entre eles Paulo Elcídio, Ronaldo Barata e o próprio Dr. Almir tiveram ligações com o Jadrt Barbalho, o que para os petista era uma enorme mancha. Lembro as longas e tediosas considerações feitas pelo Valdir Ganzer e Paulo Rocha, exigindo um ato de arrependimento por parte do PSDB. Era uma visão esquerdista, e parecia que o PT DESCONHECIA QUE O ESQUERDISMO ERA A DOENÇA INFANTIL DO COMUNISMO. Depois de muita discussão, prevaleceu o entendimento de que a aliança era o melhor caminho, para o que muito contribuiu o espírito conciliador e arguto do velho e inesqucível companheiro Raimundo Jinkins.
Faço este relato, após ler o teu informe sobre as futuras eleições municipais e os comentários que foram feitos por leitores. A possível aliança PT e PMDB, imposta pelo 'COMPANHEIRO' LULA, é a negaçao de todos os princípios que nortearam o PT, se é que eles existiam. Finalizo com a surrada exclamação "O TEMPORA O MORES"
ABRAÇOS DO RONALDO BARATA

Anônimo disse...

Não foi o Priante não sumano,foi o Halmélio mesmo e a turma da sombra que continua a agir por lá ,pela Seduc,por todo parte . Aprenderam com a turma do Almir na época da Val e Nandinho

Anônimo disse...

Anhanga:
Voce tem razão Newton Pereira, o que elege é voto, por isso o Mario Cardoso não pode ser candidato, ele está em último lugar em todas as pesquisas!!

Anônimo disse...

Caro Newton, na verdade pessoas como voce so queriam o ombro do Priante pra chegar ao poder, leia Augusto dos Anjos "A ingratidão essa pantera foi tua companheira inseparável". Feliz derrota com Mário!

Anônimo disse...

Luiz fernando
Por essa posição do sr Newton Pereira, o Jatene deve esta dando gargalhadas, so aguardando a traição do PT ao PMDB, pra voltar a sena em 2010.

Anônimo disse...

O Prof. Mario teve 250.000 votos na ultima eleição, e o Edmilson 93.000. hoje nas pesquisas, o Edmilson aparece com 30% e o Professor Mario 1%.
Ufa... será que foi por conta da sua grande administração na SEDUC? Abre o olho PT

Anônimo disse...

Ronaldo Barata esquece de dizer que a conjuntura daquela época é completamente diferente de hoje.
E como os tucanos regrediram em suas posições, passando a ser neoliberais, adeptos do Estado mínimo, do desmonte do Estado, entreguistas e favoráveis a precarização do trabalho.
O desenvolvimento neoliberal do PSDB levou a política de terra arrasada no Brasil, com crescimento do número de miseráveis.
Hoje o desafio é superação de todas essas mazelas criadas de Collor a FHC, logicamente que não é tarefa fácil e nem para já. bote aí uns 20 anos.

Anônimo disse...

para o anômimo das 12:03,
nessa pesquisa que vc menciona, lembre-se: 80% dos entrevistados acham que o Edmilson é do PT. E ainda, nessa mesma pesquisa 22% afirmam que votarão para prefeito de Belém na legenda do PT.

Anônimo disse...

Voltando ao assunto...

De muito valor esta postura do PSOL porém pouco prática. No Brasil é necessário coligar, não há outro jeito.

Porém pode-se seguir a linha do Gabeira no Rio que, segundo afirmou, não usará critérios políticos para nomeação de sua equipe. Claro, se for eleito. Ou isso é sonho de minha parte e do Gabeira?

Desviando para o desvio de tema aqui dos comentários -> Parece que tem muita gente preocupada com a apresentação do PRIANTE e MÁRIO CARDOSO, seriam os candidatos destes anônimos colegas comentaristas ainda mais fracos ou ameaçados por estes?

Abs,

J. BEÁ

Anônimo disse...

Para o anônimo das 9:18.
Os números aos quais vc se refere não são verdadeiros. Em pesquisa realizada agora, no final de março, os números são completamente deferentes:47% dos eleitores já sabem que Edmilson é do Psol, pra 26% é indiferente a qual partido ele pertença.Esses dados estão nas pesquisas encomendadas pelo psol e também pelo PT.O resto não passa de argumentos do PT contra a possível candidatura do Edmilson.

Anônimo disse...

Será mesmo que Edmilson não é candidato?Porque então, sua tendência no psol, a APS, foi a que mais defendeu a resolução aprovada, que permite a coligação com partidos de esquerda, que não tenham em seus quadros parlamentares envolvidos com o mensalão.
Com este resultado, a APS/Pará está liberada pra tentar acordo com PSB,PPS e PCdoB, já que nenhum destes partidos estiveram envolvidos em denúncias com mensalão.Só resta agora esperar!

Ronaldo Barata disse...

Ao anônimo de 1:06
Não é de meu feitio estabelecer polêmica, quando o assunto for estéril ou superficial, o que não é o caso do comentário posdtado por um anônimo às 1:06. DAI, PASSARMOS A RESPONDER:
A alegada alteração da conjuntura, não elide e nem perdoa a falta de ética, moral e comportamental dos dirigentes do PT. aliançar com o PMDB, HISTORICAMENTE UM PARTIDO DE ARRIVISTAS E OPORTUNISTAS, não dá nenhum lustro ao comportamento petsita. Ao contrário, revela, de maneira clara, que os antigos defensores da moralidade na política, visavam, tao somente o poder e ara não perdê-lo, hoje fazem aliança com o que mais de retrógado existe na política paraense.
Com relação a acusação de que o PSDB tem postura neoliberal, ma faz lembrar os idos de 50 e 60, onde todos os males dos desgovernos brasileiros eram imputados ao Imperialismo. Com a que reviravolta acontecida no mundo, hoje o discurso volta-se contra o neoliberalismo e tendo escutado discursos infantis a este respeito, tendo a plena certeza que o orador não sae em o que é neolieralismo.
Os atrazos imputados como decorrentes das administrações do PSDB, NÃO PASSAM DE DESCULPAS ESFARRAPADAS DE QUEM NÃO SABE GOVERNAR, POIS INCOMPETENTES. É bom lembrar que o equilirio eceonômico do Brasil, fato alardeado em todos os discursos do Lula é uma decorrência da manutenção da pólitica implantada pelos tucanos; os projetos de combate à miséria e de inserção social, foram paridos das cabeças pensantes do PSDB E TIVERAM SOMENTE SEUS NOMES MODIFICADOS PELO PT.
Sem querer ser vidente, finalizo afirmando, que após o "exuberante" governo petista da Ana Júlia, o Pará terá sofrido um retrocesso de 20 anos.
Cordialmente, Ronaldo Barata

Anônimo disse...

Luluquefala:
Papaparabéns, Ronaldo Babarata !!