26.3.08

Pé no Freio

No site Pará Negócios.

O projeto da Vale de instalar uma usina siderúrgica no Pará em parceria com um investidor estrangeiro depende de investimentos do governo em infra-estrutura, afirmou o presidente da companhia, Roger Agnelli. Segundo ele, o projeto ainda está em fase de estudos e ainda não há definições sobre o parceiro. 'A questão de energia e infra-estrutura na região Norte é crítica', disse em entrevista coletiva à imprensa. É o que noticia a Agência Estado.
A usina produzirá placas de aço, seguindo os moldes dos projetos da Vale com a alemã Thyssen no Rio de Janeiro e com a chinesa Baosteel no Espírito Santo. Agnelli defendeu que a melhor forma de proteger a floresta amazônica não é manter a região subdesenvolvida, mas apostar em investimentos que dêem oportunidades para a população local.
A Vale também está negociando com o governo do Maranhão para instalar uma siderúrgica no Estado. Agnelli afirmou que teve há poucos dias um encontro com o governador Jackson Lago para debater o projeto. 'Um investimento neste setor leva tempo, depende da localização e da infra-estrutura', disse. O executivo destacou que o governo do Rio de Janeiro teve uma participação muito grande no seu projeto com a Thyssen.

4 comentários:

Bia disse...

Querido,

esse rapaz atilado e cínico delarou há meses no boletim para os acionistas que estava prevendo instalar siderúrgicas fora do país (China e Índia, se não me engano) algando a mesma gracinha que alega agora: infra-estrutura deficitária etc. e tal.

O que será que o rapaz está mesmo barganhando?

Beijos.

Juvencio de Arruda disse...

Bom dia,queridona, super em falta com vc...mas a vida complicou coisa que preste, como dizem na sua querida Marabá.
O rapaz barganha vantagens competitivas para a empresa que comanda, nada mais do que isso, em minha modesta opinião.
Caberá ao governo dizer qual é o limite.

Bjão.

Anônimo disse...

Juvêncio, boa tarde, os acionistas da Vale (principalmente os fundos de pensão) agradecem o fato de contarem com um executivo que busca maximizar a receita da empresa. Caso contrário, o Sr, Roger já teria levado aquele solene pé na b...

Alan Lemos disse...

Por mim, a própria Vale é quem deveria pagar pela instalação dessa infra-estrutura que ela quer.

O Pará já fica de 4.. se duvidar, até "de 5" para ela...

O que ela nos deixa? Só 10% de seu lucro e um grande buraco, além do inchaço populacional.

E ainda quer mais??