20.3.08

UEPA: Deputados se Manifestam

Pelas reações dos deputados petistas Carlos Bordalo e Carlos Martins, o professor Ubíquoracy Rodrigues, segundo colocado nas eleições da UEPA, pode se preparar para reassumir sua cadeira na casa de Noca de Nova Déli, deslocando o vereador Marquinho Terror de volta à suplência.
As declarações dos parlamentares petistas durante uma visita à Assembléia Legislativa pelo candidato vencedor, Silvio Gusmão, sinalizam uma acachapante derrota política do chefe da Casa Civil, Mr. Johnson, e de alguns grabens que infestam o Palácio dos Despachos, sede do governo estadual.
Duas notas do Repórter Diário, edição de hoje do Diário do Pará, comentam a questão. E no caderno Poder, de O Liberal, matéria completa disponibilizada no Portal ORM a partir do meio dia.

----

Atualizada ás 13:45.

Da Assesssoria do deputado Carlos Bordalo, o blog recebe o comentário abaixo, que corrige, acertadamente, os termos do post.

Quatro candidatos inscreveram-se para concorrer às eleições para reitor da Uepa: Ana Cláudia Hage, diretora do Centro de Ciências Sociais e Educação; Bira Rodrigues, ex-vereador, e ex-secretário adjunto de Educação; José Augusto de Araújo, presidente do Sinduepa; e Sílvio Gusmão, pró-reitor de Pesquisa e Pós-graduação.
A Comissão Eleitoral divulgou o resultado final da contabilização dos votos da eleição para reitor e vice-reitor da Universidade do Estado do Pará (UEPA) para a gestão 2008/2011, pelo qual o professor Sílvio Gusmão, que integra a Chapa 1 com o professor Albene Monteiro, obteve 33,26% dos votos; José Augusto e Terezinha da Silva, da Chapa 2, receberam 5,58% dos votos; a professora Ana Cláudia Hage, que integra a Chapa 3 ao lado do professor Marcus Vinícius, obteve 27,66% e os professores Bira Rodrigues e Jofre Freitas, da Chapa 4, tiveram 31,40% dos votos.
A diferença entre a Chapa 1 (Silvio Gusmão) 33,26% e a Chapa 4 (Bira Rodriguês) 31,40% é de 1,86%, e, segundo dispõe o regimento da UEPA, fora encaminha lista tríplice à Governadora que decidiria por um dos três nomes, se não tivesse havido problemas ao longo do processo, que levaram o processo eleitoral a ser questionado junto ao judiciário.
Acredito que neste momento o processo democrático deverá ser a melhor alternativa para solucionar os diversos problemas que envolvem a disputa eleitoral na UEPA, visto que a crise que se instalou acerca do tema acabou por contaminar a sociedade com notícias que contribuíram negativamente com a imagem da universidade.
A solução para a celeuma que se deu a partir das denúncias ao pleito eleitoral transcendeu à esfera do Poder Executivo, quando das decisões judiciais que foram interpostas da eleição até hoje.
A tutela antecipada, mesmo que sem deliberação acerca do mérito, coloca uma pá de cal nos anseios da sociedade em ver um processo eleitoral que ressonasse a vontade dos docentes, discentes e funcionários na Universidade do Estado do Pará.
Entendo que, em se tratando de um processo comprometido em sua essência democrática pela ponderação de pontuação dos votos, que acaba por desqualificar sobremaneira o resultado final, associado à tramitação deste pleito às margens do judiciário pelos indícios de irregularidades, seria prudente levantar a propositura à que a Governadora nomeie um reitor pro-tempore, na forma regimental, até que se transite em julgado o agravo porque passa o processo eleitoral da UEPA.

----

Na volta do feriadão comentarei a posição do deputado.

13 comentários:

Anônimo disse...

Ei Juca
Para quem iria tirar folga do blog, até segunda parece que vai ficar no ar 24 horas. Também com tanto "booooom" acontecendo... é melhor ficar de plantão.
Feliz Páscoa!!!!!

Juvencio de Arruda disse...

Prá vc também, das 8:19.
Calculei mal o volume de trabalho, e a saudade do blog...eheh.
E a temporada, de fato, está animada.

Anônimo disse...

Juca,

No dia 10 de março de 2008, o Deputado Bordalo colocou o seguinte comentário em seu blog www.blogdobordalo.com, mas em nenhum momento declarou apoio ao Candidato Silvio:

SOBRE AS ELEIÇÕES DA UEPA

Quatro candidatos inscreveram-se para concorrer às eleições para reitor da Uepa: Ana Cláudia Hage, diretora do Centro de Ciências Sociais e Educação; Bira Rodrigues, ex-vereador, e ex-secretário adjunto de Educação; José Augusto de Araújo, presidente do Sinduepa; e Sílvio Gusmão, pró-reitor de Pesquisa e Pós-graduação.

A Comissão Eleitoral divulgou o resultado final da contabilização dos votos da eleição para reitor e vice-reitor da Universidade do Estado do Pará (UEPA) para a gestão 2008/2011, pelo qual o professor Sílvio Gusmão, que integra a Chapa 1 com o professor Albene Monteiro, obteve 33,26% dos votos; José Augusto e Terezinha da Silva, da Chapa 2, receberam 5,58% dos votos; a professora Ana Cláudia Hage, que integra a Chapa 3 ao lado do professor Marcus Vinícius, obteve 27,66% e os professores Bira Rodrigues e Jofre Freitas, da Chapa 4, tiveram 31,40% dos votos.

A diferença entre a Chapa 1 (Silvio Gusmão) 33,26% e a Chapa 4 (Bira Rodriguês) 31,40% é de 1,86%, e, segundo dispõe o regimento da UEPA, fora encaminha lista tríplice à Governadora que decidiria por um dos três nomes, se não tivesse havido problemas ao longo do processo, que levaram o processo eleitoral a ser questionado junto ao judiciário.

Acredito que neste momento o processo democrático deverá ser a melhor alternativa para solucionar os diversos problemas que envolvem a disputa eleitoral na UEPA, visto que a crise que se instalou acerca do tema acabou por contaminar a sociedade com notícias que contribuíram negativamente com a imagem da universidade.

A solução para a celeuma que se deu a partir das denúncias ao pleito eleitoral transcendeu à esfera do Poder Executivo, quando das decisões judiciais que foram interpostas da eleição até hoje. A tutela antecipada, mesmo que sem deliberação acerca do mérito, coloca uma pá de cal nos anseios da sociedade em ver um processo eleitoral que ressonasse a vontade dos docentes, discentes e funcionários na Universidade do Estado do Pará.

Entendo que, em se tratando de um processo comprometido em sua essência democrática pela ponderação de pontuação dos votos, que acaba por desqualificar sobremaneira o resultado final, associado à tramitação deste pleito às margens do judiciário pelos indícios de irregularidades, seria prudente levantar a propositura à que a Governadora nomeie um reitor pro-tempore, na forma regimental, até que se transite em julgado o agravo porque passa o processo eleitoral da UEPA.

Assessoria do Deputado Bordalo

Alan Lemos disse...

Se nomear um pro tempore, ele vai dar um jeito de ficar por lá até acabar o mandato, seja através da justiça, tráfico de influência, pura enrolação, etc. Vai fazer os outros acabarem aceitando e/ou se esquecedendo dessa disputa.

Anônimo disse...

É um absurdo o que se ouve desse cidadão, que se diz do PT e de outros que durante a transição diziam serem fundadores desta Sigla, e que por esse motivo não tinham pq serem antidemocráticos, nem delegados de Policia e que mesmo com provas da malversação do dinheiro público defenderam com unhas e dentes a tão propolada "Autonomia Universitária", e depois de colocarem um candidato forjado cheio de erros e falhas, que perdeu a eleição e depois com a comprovação de toda as maracutaias que esse grupo esta envolvido, então não tinham mais como pedir a sua nomeação que seria legal porém não ético, justificavam a escolha do segundo colocado dizendo que a eleição tinha sido empate tecnico (usando termo de pesquisa eleitoral pré campanha) agora vem com essa nova de Reitor Pró-Tempore, mas não deixa de ser INTERVENÇÂO, esperamos que esse grupo que economiza inteligência, saiba que a Universidade pode ter falhas mas não tem idiotas para aceitar essa historia. Deputado defenda a legalidade não vá pelo que o grupo incompetente, que quer voltar ao período do AI-5, do eu posso, eu quebro, do só tem uma ordem natural, principalmente pq o Jatene passou 3 anos e não fez intervenção e agora Ana Julia não fez quando entrou, pq os companheiros defenderam a "Autonomia Universitária", que não se sabe se defenderam por serem realmente democratas ou por envolvimento com a atual administração superior da UEPA e tiveream a idéia de assumirem a Universidade pq esse grupo nunca fez nada contra a atual administração. Mas tem um grupo que é responsável, inclusive se expôs em denunciar as falcatruas da atual gestão e seus lideres foram isolados por esse grupo, que só fala e nunca age, inclusive esse grupo se uniu aos afilhados (lá do CCBS) do candidato a governador do PSDB, grupo inclusive o condecoraram na vespera do 2o. turno. Temos certeza que a Governadora vai resolver da melhor forma possível e respeitando a universidade.

Diógenes Brandão disse...

Que legal, reitor biônico, interventor agora mudou de nome: pro-tempore, coisas da nossa imensa capacidade de mudar, muda Pará!

Anônimo disse...

Acredito que, com o impasse na nomeação do novo reitor da Uepa, e principalmente a desejo pelo poder na instituição por parte do PT, será de ótima contribuição para que os adversários do Partido dos Trabalhadores, principalmente o PSDB, use deste tema como arma importantíssima em sua campanha nas eleições para a prefeitura de Belém. É uma excelente estratégia contra um partido que tem alguma pretenção à prefeitura da cidade e não faz alguma questão de esconder isso: respeita os princípios democráticos ou aqueles fundamentados pelo conselho da universidade nas eleições para reitor, já que todos os candidatos aceitaram participar do pleito sendo conhecedores das regras das eleições. Então, analisando por este aspecto, acredito que o PT deu um tiro no próprio pé e cuide-se a Governadora Ana Júlia, pq nas reeleições para o Governo do Estado será massacrada por sua atitude passiva em relação ao desinteresse em resolver o caso UEPA, e ponto para os candidatos ao trono do Governo trucidarem o Governo atual, só lembrando a última votação para o TJE, que resultou na nomeação de um candidato que ficou no finalzinho da lista encaminhada à Governadora, e como forma de evitar pressões, como ocorreu na Uepa, nomeou em tempo recorde seu candidato, mais uma vez desmerecendo o trabalho árduo e o direito ao voto dos magistrados. Não faltarão armas para trucidar os candidatos do PT, seja na prefeitura, seja no governo.

Anônimo disse...

Sou conselheira Tutelar, terminando o meu segundo mandato, o qual tentei honrá-lo do inicio ao fim, porém no ultimo dia 16 de março, conforme foi do conhecimento da sociedade, já que foi amplamente divulgado na midia escrita ocrreu o processo processo eleitoral dentro de uma total anarquia. Estava marcada para inicira ás 9:00h, às 10:30, tinha gente sendo trinada, para ser mesario, ás 11:00 tinha local de votação que ainda não tinha começado, ás pessoas iam votar e não constava s sua zona eleitoral, já que alguns locais foram mudados em cima da hora, para realização de concurso, os canditados fizeram várias queixas e a resposta das autoridades era que isso era uma construção, partindo deste fato podemos ter uma avaliação do respeito que se tem pelas autoridades no que se refere a politica do direito da criança e do adolescente, já que esta eleição só conta com a divulgação dos canditados.Espero que a imprensa ajude a categoria construir de forma digna ompapel do Conselho Tutelar, que esta perdendo o seu papel,para se tornar bandeira politica de cabo eleitorais as vesperas de eleição, sugiro, que as proximas eleiçõe possa contar com uma imprensa isenta se não imparcial. Norma Miranda Barbosa

Anônimo disse...

Juca, o primeiro colocado no desembargo não foi de fato o escolhido e não houve todo esse puritanismo político. Vamos e venhamos, querem decidir pela governadora!!! Se as regras não são as mais democráticas que se procedam as mudanças para o próximo pleito... Neste vale o que está escrito, ou seja, a governadora decide por quem achar melhor entre a lista...
"não faltarão armas...rsrsrs" isto me lembra discurso de um certo pássaro de bico amarelo...

Anônimo disse...

Desculpe aninimo que acha que isso é coisa de passaro do bico amarelo, mas saiba que meu voto foi exatamente de mudança que é o que esperavamos com a escolha daquele senhor que aposentou o coronel e deu no que deu então saiba que desde 98 venho contra esse individuo que seu nariz parece o bico da ave, mas graças a Deus só agora 96 conseguimos aposentar esse senhor e tenho Certeza que minha governadora tenha o mesmo fim de quem ganhou a eleição prometendo mudança e achando que vai se perpetuar e mantem a mesma forma de governar, pq ela ja teve a prova que mesmo com dinheiro se consegue mudar novamente, mesmo que demore e pior aposentamos o candidato, pois ninguem aceita mais esse modo de governar. Então governadora a senhora que sabe o que vai querer da vida pq se a senhora manda e desmanda agora no primeiro domingo de outubro de 2010 mandamos a senhora aposentada para casa.

Anônimo disse...

A intervenção já ocorreu por parte da atual gestão da UEPA que usou dos métodos mais inescrupulosos e antidemocráticos para manter seu candidato silvio gusmão no poder e portanto desrespeitou a comunidade universitária. A comunidade da UEPA só espera agora é que a Governadora faça a justiça e não assine embaixo destes desmandos do poder do bando do Palácios (o rei está nu).

Anônimo disse...

Acredito só nisto: Oprocesso democrático já foi amuito tempo violado quando da impugnação da urna do campus de São Miguel do Guamá, a qual comprovou o uso da máquina pública em sua plenitude. Com certeza este é o momento da Governadora fazer justiça. O processo democrático há muito tempo foi maculado. A melhor medida é a nomeação de um Pró tempore e a chamada de uma nova eleição transparente e conciliadora...Tenho orgulho de fazer parte desta IES, mas os último 8 anos esta Universidade esteve mais presentes nos meios de comunicação com notícias muito mais ligadas á páginas policiais em detrimento da área de científica. Isto é só uma prova de que a mudança é realmente necessária. Não ao Silvio Gusmão e sua corja de adoradores do poder e do dinheiro público mal empreagdo, mas muito mal empregado mesmo...
Acredido em vc Ana Júlia, mas uma vez vc tem a chance de modificar uma realidade triste que assola a mais importante IES do grandioso Estado do Grão-Pará....Continuo Acreditando....

Anônimo disse...

A possibilidade de nomeção de um pró tepomre é fruto da má administração que a UEPA vem sofrendo nos ultimos oito anos...Se for para o bem da instituição que se estenda o tapete vermelho ao mesmo...
Vamos lá governadora acredito sim no seu bom senso...Poque há tanto temor na nomeção de um Pró tempore? O que se esconde nos porões desta IES? No mínimo deve-se se colocar uma pulga atrás da orelha...Não é só amor ao poder..É a possibilidade de vir a tona oito anos de podridão...Se for para o Bem dos rescursos públicos que venha o temporário...
A professora Marília e a Professora Maria das Graças são docentes idôneas e de guerra que estão comprometidas com os ideais desta IES. Vale a pena acreditar...