27.3.08

Contornando o Problema

A notícia da nomeação de uma reitora pro tempore na UEPA embaralhou de vez a situação da universidade. Versões contraditórias cercam o fato. Uma diz que a governadora não quer nomear o segundo colocado, mas sua tendência, a DS, não aceita o primeiro colocado.
O melhor, na opinião de outra fonte ouvida pelo blog agora de tarde, seria a anulação da eleição. Contra isso estaria correndo o mais votado, prof. Silvio Gusmão, que tentaria retirar a ação que paralisou o processo, restituindo a caneta para a mão de Ana Julia, na esperança que ela possa encerrá-lo.
Gusmão chegou agora a pouco no escritório de seu advogado, para avaliar a legalidade da nomeação pro tempore, mas uma fonte jurídica consultada pelo blog diz que o Regimento Eleitoral e o Estatuto da UEPA não são claros em afirmar que só o Conselho Universitário poderia escolher a solução provisória.
Como a universidade não pode ficar sem reitor a partir da semana que vem, e a Justiça não deverá desfazer o novelo judicial até lá, a UEPA pode se preparar para a solução Bordalo, por assim dizer.
Não é a melhor, mas o que há de bom nesta história?

27 comentários:

Diógenes Brandão disse...

Juca, meu camarada.

A verificação do processo judicial nos levará a diversas conclusões, entre elas, a de que a governadora tende a escrever em sua biografia algo marcante, ao certo ela sabe que intervir não seria a melhor opção e sim acatar a decisão do CONSUN e encaminhar a nomeação de quem este conselho lhe indicar, pois estatutariamente é a esfera máxima de deliberação sobre a Universidade do Estado do Pará.

Governar pra todos e não pra alguns (interesses) !!

Muda Pará!

Diógenes Brandão disse...

Ps. Chega nas mãos da Excelentíssima governadora o ofício do CONSUN, lembrando-lhe muito respeitosamente que quem deve indicar um pró-tempore é ao certo o conselho e não seu chefe da casa civil, nem tão pouco a sua amiga Edilza Fontes.

Juvencio de Arruda disse...

Sim, obrigado...rs
Abs

OBS disse...

Seu Juca é uma pena que a governadora não entenda ou não quera entender que este é o momento de fortalecer o CONSUN da UEPA visto que é este conselho que esta devidamente preparado para tomar esta decisão e tambem balisar a propria decisão da governadora,pois tambem se ganha quando o seu preferido não esta em primeiro lugar.Agora faço a pergunta que não quer calar,o que tem haver Bila com tudo isso; eu sei!

Juvencio de Arruda disse...

Seu OBS, vc tem razão.
Mas o ue a Billa tem a ver com isso?
Conte bem baixinho aqui no meu ouvido.

Diógenes Brandão disse...

no meu pode falar em tom normal...juro (rs) que não conto pra ninguém!

Diógenes Brandão disse...

Gostei muito do que fez o Paulo, o postador do Espaço Aberto, no mínimo didático pra não dizer muito bom!


Copie e cole o endereço abaixo no seu navegador e entenda um leia o que ele disse até hoje sobre o caso UEPA.

http://blogdoespacoaberto.blogspot.com/2008/03/gusmo-vai-ajuizar-queixa-crime-contra.html

Anônimo disse...

A única coisa prevista no Regimento da UEPA é que em caso de impedimento do Reitor e Vice-Reitor durante a gestão, os pró-reitores assumem em regime de rodízio. Contudo este Regimento é omisso em relação a vacância de cargo que é o que vai ocorrer visto que a Governadora devido a liminar não pode indicar nenhum dos nomes da lista tríplice. Neste caso legalmente quem tem de indicar um pró-tempore é a Governadora mesmo.

Anônimo disse...

O regimento da UEPA, mais uma vez é omisso na questão de vacância do reitor. Existe regras de substituição em relação a Direção de Centro, de coordenação de curso e chefe de departamento e nada com relação ao reitor.
O CONSUN, presidido por seu reitor em exercício, armou um manifesto que deveria ser entregue na sexta-feira e foi vencido pela esperteza dos assessores da governadora, que sabiamente, anteciparam a nomeação de uma docente capaz, mulher de fibra, resolutiva, justa e que com sabedoria saberá gerir o caos que se transformou a universidade mais interiorizada da região norte. Boa Sorte e que a UEPA seja maior que tudo!!!

Anônimo disse...

Esse Jimmi continua direitoso. Não
muda mesmo. Sempre esteve ao lado
do PSDB. Imaginem.....!

Anônimo disse...

Finalmente parece que a Governadora decidiu resolver pelo menos parcialmente a situação da UEPA. Já pensou se além de toda essa celeuma a UEPA ficasse sem Reitor. esperamos que seja uma pessoa idônea que possa passar toda essa história das eleições a limpo.

Anônimo disse...

A nomeação de Reitor Pró-Tempore é uma saída mediada e moderada da Governadora. A nova reitora fará uma transição pacífica e nos limites institucionais e acadêmicos da UEPA. Bira foi eleito democraticamente na majoritária (essa é que interessa), porém os arautos da tucanagem e da continuação da corrupção herdeira da Era Palácios, querem que Gusmão ganhe no tapetão. Se não querem Bira, também Gusmão não leva. A UEPA precisa de um choque moral. Fora Palácios e Gusmão! Parabéns Governadora pela solução equilibrada da nomeação Pro-Tempore.

OBS disse...

Seu Juca cade a minha segunda postagem?

Anônimo disse...

Juca,
Tá na hora de darem o direito ao respeito que a UEPA e a sociedade merecem. As verdades todas devem ser esclarecidas. A serenidade tem que estar entre todos aqueles que querem o desenvolvimento deste estado, através da universidade, da qual tenho saudade.
Lamentavelmente, há interesses "outros" (históricos)embaixo destes tapetes. Soube, inclusive, que esta ação do próprio CONSUN é maquiada, uma vez que os que votaram para que fosse indicado o membro mais velho, já sabiam que a referida pessoa não queria o cargo, então estavam lutando na verdade era por outro nome (È FÀCIL IMAGINAR QUAL).
Fica dificil governar, se esta é uma missão legal da Ana, então deixem ela exercer seu direito. Afinal, democracia existe para todos. Com certeza a professora indicada não é pior do que a UEPA já teve, se foi indicada é porque tem suas qualidades. E depois, é por pouco tempo, suficiente para botar ordem no processo eleitoral esclarecendo os fatos, justamente através de um CONSUN sem maquiagem.

Anônimo disse...

Juca, querido, apure se foi maldade ou acidente a chamada na capa da "folha nariguda" sobre o encontro de Ana e Hugo. O texto em caixa alta é o seguinte: HUGO CHAVES DÁ DICAS DE ALFABETIZAÇÃO A ANA JÚLIA. Sé Simão teria emendado: mais direto impossível!
Bjs.

Juvencio de Arruda disse...

Seu OBS, seu segundo comentário não passou pela moderação do blog.
Tente outra vez, sem apelidos deselegantes à professores ou ao reitor da UFPA.
Faça as críticas sem esses penduricalhos desnecessários, que passará.

Anônimo disse...

Me vi obrigada a fazer um comentário, para afinal esclarecer algumas "dúvidas". A Governadora não pode nomear reitor pró-tempore ou seja lá a que título for hoje, se o fizer, masi uma vez sofrerá intervenção judicial. O Regimento Interno da UEPA ao contrário do que muitos estão pensando, inclusive os desinformados da Casa Civil, se não prevê claramente, admite por analogia a outros artigos nele contidos, a indicação pelo CONSUN e não pela Governadora de um reitor provisório. Nada melhor que o CONSUN para conhecer os possíveis candidatos ao cargo e saber qual o mais indicado, despindo-se dessa politicagem fajuta que quer colocar um candidato a vereador no lugar que deve ser ocupado por um Doutor, um estudioso que não caiu de pará-quedas na Universidade, como o segundo colocado que nunca se importou com a mesma, tanto é prova que não estava efetivamente nela desde 2004, segundo a ação ordinária que ingressou contra a manutenção do mesmo na lista triplíce.
A Governadora é ingênua e possui compromisso político, mas não tanto a ponto de cometer a loucura desmedida de nomear o Bibi, pois sabe que a única experiência que este te´m é encima de um palanque fazendo discursos...
Em tempo, a queixa-crime a qual se refere o blog espaço aberto, realmente foi protocolada e deve ser distribuída para um juiz que atue no penal até segunda-feira.
Vamos aguardar as cenas dos próprios capítulos!!!

Diógenes Brandão disse...

Publiquei os 13 pontos da questão da UEPA e estou abrindo espaços para continuar o mesmo. Fiquem tod@s à vontade, quanto ser direita, ah, se depender de mim a peça não cabe, nem nunca coube, ainda mais se for defendendo a democracia como sempre fiz e farei, contra tudo e todos que a combaterem. O resto é covardia de que só se sustenta em ANÔNIMOS (geralmente alcoolizados) rsrs

Anônimo disse...

Só uma retificação: a UEPA não é a universidade mais interiorizada da região norte, mas a Ufpa. E justifico: de fato, a UEPA tem dois campi a mais que a Ufpa no interior, mas a maioria não tem corpo docente fixo e em quanitdade lá atuando. Já a Ufpa tem em todos, e são centans deles, morando e vivendo nos locais (inclusive com mestrado e doutorado em Bragança!). Logo, pergunto: ser inteiorizado é ter apenas uma sede física ou ter professores em massa trabalhando nos próprios locais? A Ufpa tem mais de 14.000 alunos somente no interior matriculados. O mesmo número de toda a UEPA, incluída Belém!

Anônimo disse...

Juca,

Faça uso de seus inúmeros contatos e providencie uma cópia do Regimento da UEPA e vamos averiguar isso.

Ou ainda, se for ilegal os interessados impeçam o ato, se for legal palmas à Governadora [espero].

Abs,

J. BEÁ

Anônimo disse...

Sou funcionário desta UEPA e acreditem nestes 8 anos, mais precisamente nos últimos 4 anos ví até boi voar, fiquem a vontade para conferir voto a voto e a resposta é a seguinte: a comunidade uepeana votou pela mudança do que está aí. Este CONSUN que aí se apresenta e quer falar em nome de toda a comunidade é manobrado pelo Reitor atual,Pró-Reitora dE Gestão e Planejamento (aquela que lida com o dinheiro) e o Pró-Reitor de Pesquisa que a qualquer custo quer ser reitor, conversando com outros funcionários chegamos à conclusão acerca desses ai citados: não é uma questão de não querer sair da Reitoria e Sim uma questão de que eles não podem sair da Reitoria, pois se colocar uma auditoria, que é o que eu espero da Prof. indicada à Pró-tempore, todas as respostas virão à tona.

Anônimo disse...

PARABÉNS GOVERNADORA, PELA INDICAÇÃO IDÔNEA E SÁBIA QUANTO A PRÓ-TÊMPORE DA UEPA, QUEM NÃO DEVE TER GOSTADO NADA FOI A TURMA QUE ESTÁ POR LÁ A 8 ANOS, POIS A CADA DIA PRESENCIAMOS CENAS DE DESEPERO POR NÃO QUERE LARGAR O OSSO OU MELHOR O FILÉ DA UEPA.

Diógenes Brandão disse...

O que tiver que acontecer, acontecerá, vivemos em uma democracia e ninguém está acima das leis e da justiça. Mas cabe aqui uma pergunta aos ex-universitários pré-cara-pintadas do movimento estudantil, hoje formados e atuando nas esferas do poder local: A autonomia universitária tão defendida nos tempos áureos de seus discursos inflamados ficou guardada na gaveta do porão, foi?

Pois saibam que houve quem levava á sério e mantém princípios por essas bandas.

Anônimo disse...

Caro Diógenes, estes que se dispõem a perda da autonomia da UEPA devem ter esquecido seus supostos ideais nos porões do Restaurante Calabouço. O que eles não dizem agora é que a turma que vem aí só quer um trampolim eleitoral para 2010! Meu Velho, foi muito esclarecedora a notícia de hoje no diário do pará. Abs,
C. D.

Anônimo disse...

A universidade do estado do pará nunca teve autonomia, sempre foi curral eleitoral do PSDB. A autonomia interna da UEPA é constantemente ferida através de Golpes no Consun, que é constantemente manipulado pelo reitor para favorecer seu candidato Silvio Gusmão. Na verdade toda a armação começou no Consun em reunião convocada as pressas para homologar o Regimento Eleitoral, que como todos sabem permitiram as aberrações que vimos no processo eleitoral em que mais de 50% dos votantes não fazem parte da comunidade acadêmica da UEPA e são prestadores de serviço contratados pela atual gestão. Autonomia só se estabelece com democracia.

Anônimo disse...

Creio ser necessário desfazer alguns equivocos. Pelo antigo Regimento da Fundação Educacional do Pará- FEP, o mandatário do Estado, o Governador ou Governadora, é o Chanceler da Universidade, o que significa que no uso de suas atribuições está o de nomear o Reitor. No atual estatuto da Universidade não há referencia quanto a vacancia do cargo, prevendo apenas como foi dito em uma das postagens o exercicio por um dos pró-reitores academicos, ou seja a pró-reitoria de administração não poderá responder uma vez que não poderá exercer duas assinaturas no que diz respeito as questões orçamentárias. o COSUN, se queira ser ouvido junto a Chanceler, a Senhora Governadora, deixou passar a hora e não cumpriu seu papel, A senhora Governadora cumpriu a dela, a professora indicada tem competencia para fazer a transição e a medida não fere a autonomia da universidade, o que não poderia é criar uma situação anomala e acefala, a universidade não pode parar por pendengas. Senhora Governadora, a senhora agiu corretamente e está possibilitando a Universidade ser passada a limpo. Parabens.

Anônimo disse...

Sou professora da Universidade do Estado do Pará e, as mazelas e sucessos dessa Universidade são vivenciadas no cotidiano, uma vez que estou nela cotidianamente.
Gostaria de parabenizar a Governadora pela decisão de nomear em forma pro tempore a Profa. Marilia, penso que foi uma escolha acadêmica acertada, sem dúvida teremos o espernear dos insatisfeitos que já haviam tomado como certa a continuação.