27.3.08

Sem Solução

É simplesmente estarrecedora a razão alegada pelo Pleno do TJ para adiar o julgamento da juíza que trancafiou a adolescente de Abaetetuba numa cela com 20 homens em novembro passado.
Tem razão o blog Página Crítica. Ainda que fosse verdade, ou venha ser comprovada a inverossímel suspeita de armação dos traficantes da Medellin paraense, a decisão do TJ soa como corporativismo aos olhos da sociedade, já notóriamente enfurecida com tanta impunidade.
O que o blog gostaria de saber é como pode uma notinha de coluna de uma folha asobrancelhudada paralisar uma decisão sobre um relatório de investigação de um desembargador Corregedor?

35 comentários:

Anônimo disse...

Caro blogger, publique se tiver coragem:
Minha opinião, observando os fatos do país, é a seguinte: o Poder Judiciário é o mais corrupto do Brasil. Pior que o Executivo e o Legislativo, porque deveria ser "JUSTIÇA" (sua razão de ser!). Os privilégios, corporativismo, arrogância, pachorra, negociatas por trás dos bastidores, etc, tudo isso torna os togados piores que mensaleiros, sanguessugas, anões do orçamento, severinos cavalcanti, etc. Marco Aurélio Melo é pior, muito pior e muito mais incoerente que Lula. Os Tribunais são piores, muito piores que os parlamentos. Com um agravante: são blindados pela imprensa, que lhes têm pavor. Aliás, todos têm pavor da "Justiça". Impera no país a ditadura do jurídico, que se auto-proteje, auto-promove, e ameaça quem quer que seja que se arrogue o direito democrático de julgá-la. A "Justiça" brasileira é a raiz de todo o mal (como a impunidade) que assola o Brasil.

Flanar disse...

Com um post exemplar como este, o Quinta se aproxima mais ainda de seus leitores.
Muito bom!

Anônimo disse...

Rabo Preso, meu amigi. Rabo Preso!
RicardoCL

Juvencio de Arruda disse...

Das 7:49, por favo, vamos acabar cpom essa parada de "publique se tiver coragem".

Anônimo disse...

Juca, é engraçado: o sujeito desafia para ver seu comentário publicado, mas, veja só, ele mesmo não tem coragem de assinar o que escreve.

Antonio Fernando

Anônimo disse...

O que é muito pior é que o Judiciário não faz nada em relação ao crime de colarinho branco e se mete com a corrupçãozinha dos crimes comuns.
Até ladrão de carro ou bandidos aqueles que amendrotam bairros inteiros não conseguem ser presos, logo aparecem advogados para safar a barrar do malandro.
Se não escapar na Policia, escapa no Judiciário.
E a impunidade vai alimentando a violência.

Anônimo disse...

É dificil você acreditar num judiciário onde o corporativismo impera, tornando-o incapaz de julgar seus próprios pares. Juvêncio essa nota do reporter diário foi plantada com a finalidade de justificar o acontecido na sessão do pleno de ontem, sei disso pois um jornalista do jornal me contou tal fato com 02 dias de antecedência , no momento não acreditei , achei que estivesse brincando, porém, vejo que tinha razão. Esse é o Brasil essa patria que pariu tão gentil os filhos do poder, assim sera, enquanto existir neste País e nesse Estado pessoas que travestidas de uma integridade e reputação ilibada , jogam o jogo da vida com valênia a interesses escusos e corporativistas.

Juvencio de Arruda disse...

Tem razão, AF.
Começo a pensar seriamente em transformar o Quinta em site, e exigir nome, telefone e endereço para confirmação da identidade, como faz Walter Rodrigues no Blogue do Colunão.
Não importa se os comentários caírem a próximo de zero, nem se o contador de acessos andar que nem tartaruga.
Bom dia prá vc.

JCF disse...

Infelizmente ainda iremos ficar nos muitos porquês, em relação ao Judiciário.
Quanto a exigência de identificação pode fazer que o blog vai continuar a ter "audência" (sic).
Mas, se o cara das 7:49 desafia a publicação, nós leitores desafiamos sua identificação: mostra a cara, mané!

Anônimo disse...

Luluquefala:
O anônimo raivoso deve ser um advogado de porta de xadrez...

Anônimo disse...

Caro Antonio Fernando,

Não assino a nota por coerência ao meu pavor: justamente o da "Justiça". Pessoas vingativas e incorrigíveis. Já o blogger, não é autor da Nota. Pode se defender. O importante é a mensagem para a reflexão de todos. Entendeu?

Anônimo disse...

Jcf e Luluquefala,

Vocês tb não se identificam! Por que? Depois, senhor Vic, não sou "raivoso". Sou apenas um cidadão comum (o que o senhor, com sua impunidade, não é!). Não tenho dinheiro nem prestígio para me defender, como os senhores, donos do poder. Nem sou advogado. Vocês continuam cegos da realidade. Sim, porque o privilégio cega e o exagero de privilégios mais ainda. O vosso patrimônio (e poder) vem do roubo, do aliciamento, da chantagem; não vem da competência honesta! E, caro Juvêncio, o dia em que vc exigir identificação para postagem impedirá de afirmar o blog como a única janela de desabafo com que a população mais simples ainda conta neste país de corruptos. Dar o nome é abrir margem para julgamento em processo. Os donos do poder, que se conhecem entre si, recorrem sempre a isso contra as críticas. Não são democratas: só de fachada. E, neste caso, por quem seria eu julgado, por quem? Justamente pelos togados corporativos e privilegiados, comprometidos com as regalias e com os interesses políticos e escusos dos que ali os colocaram e os sustentam. É simples. Claro como o sol. Vamos parar de falsa moral ou de falsa ética. Se não houver anonimato, eu e metade dos freqüentadores pararemos de acessar os blogs e, estes, virarão mídia comum. Mídia, aliás, que alimenta todo esse sistema e que é parte de toda essa bandalheira. Essa é a verdade nua e crua, doa a quem doer.

Juvencio de Arruda disse...

Affe...

Juvencio de Arruda disse...

Flanar, obrigado, meu caro.

Anônimo disse...

Ei, Juvencio,
tu viu o Lulu/Vic/Seilá, sendo chamado de "deputado menino, de calça curta", em plena CPI dos Cartões, e ficando caladinho?
Hoje cedo, para todo o Brasil, no Bom Dia Brasil, na Globo!

Juvencio de Arruda disse...

Não vi.

Anônimo disse...

O anônimo lá de cima tem suas razões. Com esse judiciário, temos mesmo de ficar com medo de retaliações dos poderosos togados protegidos e intocáveis.
Ái de quem sair do anonimato para dizer o que ele (autor do texto acima) disse, certamente iría mofar preso e processado pelas "otoridades" celeremente!
Já as "murrietas", os "sobrancelhas" e outras figuras
do legislativo, executivo e judiciário...hum, esses são de uma casta superior, são inatingíveis.
E se os blogs cortarem os comentaristas anônimos, certamente perderão muito do que tem de mais interessante: a liberdade de acesso a todos, sem risco de perseguições pelos "poderosos".
O resto é blá-blá-blá poético.

Juvencio de Arruda disse...

Muito bem.
Se todo mundo quer dizer o quer e não quer assinar, vou encerrar os comentários deste post.
Repito: pouco me importa se os comentaristas vão parar de comentar. Isto é um direito de cada um.
Quem quiser continuar anônimo sugiro abrir um blog, anônimo também, e escrever o que quiser.
O que não dá é para assumir a covardia ou o medo de meia dúzia, que compreendo, respeito e até dou razão.
O que é mais interesante também depende do ponto de vista do dono do blog. Então, o pessoal que gosta da liberdade sem riscos, que a procure em outra "república".[
Vcs falam o que querem e os "poderoos" vem pra cima de mim. Então tá, bla blá blá poético...
Vários comentaristas estão assinando seus comentários. Fico com eles.E só com eles.
Os outros tomem destino, por favor, e sem mais chororô porque acabaram os comemnts por aqui.

Anônimo disse...

Juvencio, calma.
Não precisa tanto estresse por conta do anônimo.
A realidade é essa mesma. As prisões estão abarrotadas de pretos e pobres.
No Brasil o que mais há é gente que não pode pagar advogado.
Não é blá,blá,blá é realidade.
As vezes é servidor publico que pode ser perseguido.
Cidadão comum que sofre a violencia do dia a dia.
Ou o pacato cidadão que encontra no blog a forma de externar suas angustias, nunca ouvidas.
Este blog serve para isso também, é um grande serviço.
Lógico que voce tem todo o direito de publicar ou não.
Só isso.

JCF disse...

Bom, mas antes de encerrar por aqui ensina pro mané da 7:49 que pra saber do comentarista basta clicar em cima do nome/sigla em azul, com o símbolo do blog ao lado, que vai levar o mané pro perfil dele.

MARCIO ALMEIDA disse...

Parabéns, Juvêncio. A postagem revela uma da práticas mais comuns do Judiciário: o corporativismo.A Justiça não tinha que ser cega?

Anônimo disse...

Caros,

pelo que li, a questão não está em não assinar, coisa que muitos fazem e, nem por isso, deixam de ser publicados (desde que atenciosos ao bom e velho "bom senso"). A questão está em bancar o palhaço e fazer falsos desafios. Entendi assim.

Quanto ao Judiciário... :#

Fernando Bernardo

Anônimo disse...

Ei Juca, tu não lestes a arrogância do Mr. Jonhson?

Anônimo disse...

nada sobre a UEPA?

Marcelo disse...

Juvêncio,

o Judicário fez exatamente o que se esperava dele: agiu de forma corporativa e deu uma banana para a sociedade.

Marcelo Vieira (sempre assinando embaixo)

Juvencio de Arruda disse...

rs...obrigado professor.
Decerto a griffe agrega valor. Neste barco estamos juntos.

Anônimo disse...

Prezado Juvencio,

Creio que todos que se manifestaram, com ou sem identificação, tem suas razões. Como diz o deputado Gabriel Guerreiro: "o que nos diferencia de uma capivara é nossa inteligencia". Portanto, usemo-la todos. Preservemos a liberdade de informação e manifestação, mas com educação e respeito.

Pode-se até não concordar com a arrogancia e o desafio tolo do tal anonimo, mas temos que ser justos e perceber que, no mérito, pelo que se lê/ouve/vê na imprensa, país e mundo afora sobre a atuação de algumas Justiças, ele não está de todo errado em temer a identificação.

Anonimo das 7:49, vc na essência pode até ter razão, mas na forma, jamais. Não seja agressivo com quem nos permite tanta informação "de primeira", inteligente e quase sempre, absolutamente verdadeira. O trabalho de um blogger em busca de notícias, creio deve ser gratificante, mas tambem extremamente cansativo, tanto física quanto mentalmente.

Juve, perdoe o rapaz ou moça, e permita o anonimato, mas claro, sem os tolos desafios e as ofensas.

Arthur Carepa

Val-André Mutran disse...

É mestre, pelo visto a disputa pelo poder na Uepa está longe de um final feliz.
Não dê muita bola para anônimos. Delete-os se forem impertinentes.
Quanto à Justiça, esta precisa de remédios eficientes urgentemente. A cada dia que passa sou mais descrente de seus benefícios, pois, só conheço os prejuízos que ela tem me causado.

Anônimo disse...

Não há república no Brasil! Muito menos Justiça! O anônimo das 7:49 está cobertíssimo de razão! Não ofendeu ninguém, a meu ver. Muito menos o blogger. Nada que não ressoe outras entradas e comments no blog. Qual o problema? Ele tem de se defender no anonimato, sim, pois parece ser um bom analista e sabe do poder imundo que paira sobre toda a sociedade. Como, caro Juvêncio, cobrar "coragem" desse cidadão se vc parece estar perdendo a sua de postar. Isso apenas revela que ele tem razão e que vc sente que deve se defender, pois não há democracia e Justiça para lhe garantir a plena liberdade de expressão! Pense nisso!

Juvencio de Arruda disse...

Artur, obrigado pelo comentário e abraço pra vc.

Val-André, vem CNJ em cima dessa investigação de Abaetetuba. Pode esperar.

Das 7:37.
Vou pensar. Mas não estou perdendo a coragem não, só o saco.

Juvencio de Arruda disse...

Por Francisco Rocha Jr., para a cahtice do aônimos que não querem ter limites.

Há uma discussão recorrente na blogosfeira (© AK) sobre a função dos comentaristas anônimos: são eles necessários e importantes ou simples tumultuadores do ambiente virtual?

No post Sem Solução, publicado hoje no Quinta Emenda, o blogueiro Juvêncio de Arruda, nosso confrade de Flanar, irritou-se com comentários anônimos que corriam paralelos ao assunto do post. Com razão, diante do descaminho do assunto e da falta de identificação de quem queria fazer "denúncias" ou comentários descabidos, Juvêncio encerrou a discussão na caixinha de comentários - algo louvavelmente raro no Quinta.

Comentaristas, anônimos ou não, são sempre bem-vindos. Muitos, protegidos pelo anonimato, apresentam visões interessantes sobre discussões importantes, iniciadas nas postagens. Mas o anonimato também esconde muita vendeta, mesquinharia e sordidez, quando o comentarista não se identifica e baldeia xingamentos e acusações sem provas, pretendendo que o poster as abrace, sob sua responsabilidade.

Identifica-se aí um fio de navalha: de ambos os lados, o precipício; sobre a linha, o responsável por moderar os comentários, que não só passa a responder por aquilo que afirma no post, quanto pelo que os outros dele comentam.

A opinião, entretanto, tem que ser respeitada. É considerada direito fundamental desde a Declaração dos Direitos dos Homem e do Cidadão elaborada pela Assembléia Constituinte francesa, na Revolução de 1789, e vem sendo repetida em todos os documentos democráticos desde então, incluindo-se a Declaração Universal de 1948 e, em nosso caso particular, a Constituição Federal de 1988.

O caso, porém, é que todas as Cartas e Declarações fazem uma ressalva clara: a de que aqueles que abusam deste direito devem responder por suas exorbitâncias.

Por isso, anônimos certamente são sempre bem-vindos. Mas até o anonimato exige responsabilidade.

Francisco Rocha Junior disse...

E tenho dito!

Anônimo disse...

Denúncia!!! Escândalo!!!Vergonha!!!!

O Val- André tá a cara do Flávio Cavalcanti!!!!!!!!!

Val-André Mutran disse...

Pois é né anônimo. O sucesso incomoda.
Ah! Assino tudo que escrevo viu. Que tal você começar a fazer o mesmo e sair do armário?

Marcelo Vieira disse...

Grande Juvêncio,

a tolerância e o respeito com que lidamos com as nossas eventuais diferenças só enobrecem as nossas (muito mais freqüentes e, de certa forma, mais importantes)concordãncias. Mas, voltando à vaca fria do Judiciário, agora que ficou provado, inclusive com informação oficial da PF, que a nota do Diário era uma "barrigada", o que já era absurdo também tornou-se ridículo: os nobres desembargadores pautaram-se por uma informação falsa de jornal.Não vou estender-me em "mangar" de suas excelências, mas, francamente, que gorila!

Abraço
Marcelo Vieira