29.11.06

Bandidagem e Covardia

As declarações do procurador da República Felipe Braga à Radiobrás, veiculadas hoje às 12:30 no Jornal da Amazonia daquela emissora, são chocantes.
O envolvimento da PM, afirma o procurador, é ostensivo.
Segundo ele os PM's, de armas em punho, amedrontam e intimidam os ribeirinhos, dando cobertura às balsas que transportam toras com guias falsas.
É altíssima a temperatura na região.
Substituir os comandos das cidades da região, como veiculado hoje na imprensa paroara, é uma atitude insuficiente e covarde, que tangencia a co-autoria dos crimes que estão sendo prepetrados na área.
No mínimo as guarnições envolvidas teriam que se apresentar nos quartéis e, verificada a autenticidade das imagens e reconhecidos os facínoras, encaminhados à cela mais próxima, antes de sua expulsão da corporação e encaminhamento à Justiça comum.
Vamos ver se Santino, João Paulo e Jatene - respectivamente o secretário de Defesa Social, o comandante geral da PM e o governador do Pará - tem coragem de enfrentar os bandidos.

--------------------------------------------------

Faça o link, para o áudio da Radiobrás, no blog do Jeso Carneiro, e veja a extensão da falta de comando das autoridades paroaras. Um acinte grosseiro de gangs armadas e fardadas, pagas pelo estado, felizmente tornado público graças, mais uma vez, ao MPF.

14 comentários:

Anônimo disse...

NOTÍCIAS DO GOVERNO DO PARÁ
COORDENADORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL
DATA:29/11/2006
E-mail : redacao@agenciapara.com.br- Website : www.pa.gov.br
PM afasta soldados acusados de formar milícia em Prainha

O comandante-geral da Polícia Militar do Pará, coronel João Paulo Vieira, anunciou, nesta quarta-feira (29), o imediato afastamento de todos os policiais militares acusados pelo procurador da República Felipe Fritz Braga de formação de milícia privada a serviço de madeireiros ilegais no município de Prainha, no Oeste do Estado. Vieira garantiu que o contingente está sendo substituído para que não haja interferência na "apuração rigorosa" das denúncias formuladas pelo representante do Ministério Público Federal.

Segundo o coronel, o Comando de Policiamento Regional I (CPR I), sediado em Santarém, abriu sindicância na manhã desta quarta-feira para apurar os fatos relatados pelo procurador. Os policiais são acusados de dar cobertura armada ao transporte criminoso, em balsas, no rio Uruará, de madeira ilegalmente extraída na região. A sindicância, de acordo com nota oficial da PM distribuída à imprensa, é presidida pelo comandante do 3º Batalhão da Polícia Militar (BPM), coronel José Nery Porto de Oliveira.

"O procedimento disciplinar deverá ser concluído em quinze dias. Em seguida, será encaminhado à Corregedoria Geral da PM, em Belém, para as providências que o caso requer", informa a nota distribuída pelo comandante-geral da corporação.

De acordo com João Paulo Vieira, a Polícia Militar tem atuado naquela em região em apoio ao Ibama e à Polícia Federal, nas ações de combate ao crime organizado contra o meio ambiente.

O corregedor-geral da PM, coronel Rubens Lameira Barros, informou que o comandante do CPR I, coronel Paulo Elayr Nogueira Lima, o procurador da República Felipe Fritiz Braga, a diretora do Ibama e o delegado da PF daquela área seguirão para o município de Santa Maria do Uruará para verificar as acusações in loco e assim ajudar com informações nas investigações abertas contra os militares.

Texto: CCS


E-mail automático. Por favor, não responda.

mocorongo da gema disse...

É isso aí Juca, gosto de voce assim, do São Raimundo como diz uma amiga.

Juvencio de Arruda disse...

Tudo bem,CCS, mas como é que essa Corregedoria não se adiantou?
São notórios e antigos o envolvimento da PM's nessas paradas aí.
A PM não tem 2a Seção?
O responsável dessa seção, tem a dizer o que?
A confusão começou há pelo menos dez dias, e foi preciso um procurador da República gritar na Radiobrás? Talvez daqui a pouco no Jornal Nacional?
Quer dizer, só se coçam depois do conflito.
Aí é cruel...
Vamos aguardar o inquérito e seus desdobramentos.
De todo modo,muito obrigado pelo envio das informações.

Juvencio de Arruda disse...

Tá legal,Mocorongo da Gema.
E o São Raimundo,o Pantera Negra, é o meu time aí, viu?

Juvencio de Arruda disse...

CCS, só comletando.
Acabei de falar com uma fonte santarena,que me acessou o jornal Tribuna de Monte Alegre, cujo repórter,Genival Cardoso,teria sido o único repórter a ter acesso às imagens do conflito.
Ele publicou em seu jornal que desde a quinta feira,22, o comandante do Batalhão da PM em Monte Alegre,coronel Anthenor,tomou conhecimento dos detalhes do conflito e os repassou ao coronel Porto,comandante da PM em Santarém.Não se sabe,ainda,quando Porto teria repassado as informações ao comandante geral,leia-se Vieira.
Isto posto,vamos fazer as contas: de quinta,22, até hoje,29, são 7 dias.Sete dias até tomar o coronel João Paulo Vieira uma providencia.
Antenhor, Porto e Vieira:
vai sobrar para qual coronel?

Juvencio de Arruda disse...

Uma correção: o nome do jornal é Tribuna da Calha Norte, e tem site.

www.tribunadacalhanorte.com.br

Tá tudo lá.

Anônimo disse...

O que é absolutamente lamentável em toda esta situação é a ausência completa do Estado para arbitrar o conflito. Muitas perguntas:
A madeira é retirada ilegalmente ou não?
O prefeito foi eleito pela representação pública ou pelos madereiros?
A Polícia Militar está como representante do Estado? Quem o Estado representa?
Belém, Uruará, Santarém, o que será que estes municípios têm em comum?
O Sr. Simão Jatene e seu pífio Secretário de Segurança Pública deveriam ser processado pelos representantes dos interesses públicos, MP, por omissão e conivência. Pergunto: o que fizeram para mediar os conflitos e evitar cenas tão degradantes como estas?
O estado do Pará é de fato um dos mais tristes exemplos de um Estado que governa para elites econômicas predatórias.
O que seria dos cidadãos sem o Ministério Público Federal?

Wanterlor Bandeira disse...

Meu caro Juca está explicado porque falta policiais, principalmente nas regiões Sul e Sudeste do estado, enquanto a população está desprotegida, mais uma vez os ricos e poderosos se beneficiam de policiais armadas para fazer proteção suas e de seus patrimonios, que muita das vezes são adquerido de forma duvidosa. Aqui bem em baixo do nosso nariz a toda poderosa CVRD é beneficiada com um destacamento de policia dentro do Núcleo de Carajás com um único beneficio, proteger o seu patrimonio. Enquanto a população de Parauapebas fica só nas desculpas da falta de policiais. Enquanto isso a violencia grassa sem piedade. Acho que daqui a pouco vamos pedir proteção aos madereiros, ou a Vale?

Juvencio de Arruda disse...

Nem aos madeireiros, nem a Vale...eheh.
Vamos prá porrada contra quem de direito,Wanterlor: o estado.
Abs

Anônimo disse...

Caro Juvêncio,
Se depender do Coronel Lameira, tenho certeza de que a coisa vai andar. O homem é considerado linha dura ( no bom sentido ) na defesa da honra da sua corporação.
Todos os militares que trabalham com a nossa família tem uma grande admiração por ele e não cansam de repetir que o homem é duro na queda e muito respeitado pela tropa.
Sou insuspeito para falar dele, pois nesses 4 anos só tivemos um contato telefonico. Eu pedi a ele informações sobre tempo de serviço de um sargento do interior para promoção.Ele é tão linha dura que até hj não me deu a resposta. E o sargento, coitado, já está quase virando cabo de tanto esperar.
Pra vc ver meu amigo Juvêncio, como a vida de marido de vice é difícil.
Um abraço,
Vic

Anônimo disse...

Não resta dúvida, nesses 12 anos de tucanagem predadora, a segurança pública, capitaneada pelo Santino, só fez segurança mal-privada!
Veja o triste caso do cabo que roubou a pick-up. Dá até para desconfiar de queima de arquivo!

Wanterlor Bandeira disse...

Se contigo Vic que é Deputado Federal, imagine nós pobres Vereadores do interior do estado.

Anônimo disse...

Vida dificil essa tua Vic, de marido de (quase ex) vice, heim? E a vida de deputado, deve uma moleza!

Anônimo disse...

Que beleza, hein?
Um policial "linha dura" com um deputado de "vida duríssima".
Puxa vida! Estou sensibilizado.
Acho até que vou tomar uma agora mesmo, antes da sexta-feira.