5.3.08

A Ilha

Quem leu as edições de domingo e segunda do Diário do Pará, ouviu a gravação do deputado Luis Cunha (PDT) na edição online de ontem, e leu o despacho da assessoria de site do Legislativo, tem a desagradável sensação que suas excelências acham que a Assembléia Legislativa é uma ilha rodeada de imbecis por todos os lados. Foi o caso deste poster, e de outros colegas.
No começo da manhã de ontem, um jornalista que assessora um deputado ligou para o poster, estranhando uma reunião de líderes na sala Vip do Poder, após a suspensão da sessão ordinária. No início da tarde, o blog do jornalista Hiroshi Bogéa sentiu cheiro de missa encomendada.
Ao final da tarde, outro jornalista- o terceiro! - que acompanhou a sessão, em contato com o blog, ficou desconfiado de orquestração na reação da parlamentada. Considerou, com razão, que o Diário publicou uma denúncia protocolada tres dias antes no TRE, que já a encaminhou ontem mesmo para o Ministério Público Eleitoral investigar. Desconfia que parte da orquestração pode ser creditada à existência de outros casos parecidos nesse festival de licenciosidades que foi a pulação de partidos. Faz sentido.
Após o jantar, o poster leu e releu todas as matérias, notas e posts sobre o assunto, e considerou tristemente frágeis as explicações do deputado Luis Cunha, embora ele nunca tenha sido envolvido em denúncias de falcatruas desta ordem, e ouviu pela segunda vez a gravação da conversa entre o deputado Cunha e o vereador de Viseu.
São 23 minutos que mostram a tentativa, com o notório concurso de Luis Cunha, de tirar da sinuca em que se enfiou o edil da isolada cidade do nordeste paroara.
Como o poster não é surdo, nem imbecil, resta claro que o deputado 1) admite que assinou com data retroativa; 2) percebe seu desvio ético; 3) mostra-se arrependido; 4) encaminha uma alternativa para não deixar o rabicó de fora; 5) diz que vai contornar a situação do vereador com o deputado federal Giovani Queiroz, presidente regional do partido; e 6) revela seu pavor que seja descoberto - o que acabou acontecendo - para não comprometer o sonho de chegar ao cargo de conselheiro no Tribunal de Contas.
Ficou difícil. Toda vez que Cunha passar na porta do TCE, a partir de agora, vai enxergar o corvo de Poe a lhe dizer "nunca mais".
Cunha bate à porta da falência política. Espatifou o decôro parlamentar, e sua salvação levará, obrigatoriamente, toda a Assembléia com ele, o que não será difícil, inédito ou anormal, tendo em vista os parâmetros elásticos da normalidade legislativa.
Ante o acontecido, a reação de parte de seus pares ultrapassou em muito os limites da ética, mostrou-se não republicana, temerária, e abusadamente intimidatória ao tenta avacalhar a imprensa, negar os fatos, ludibriar a opinião pública, dizendo não ao desejo e o direito da sociedade de uma representação honesta e responsiva aos eleitores, tentando esconder a esbórnia que campeia nas atividades políticas.
Deve o procurador eleitoral José Augusto Potiguar esmigalhar a desastrada armação.
E a sociedade paroara precisa aumentar as lentes sobre essa Assembléia de Coleguismo, perigosíssima, que não hesita em reiterar péssimos exemplos de representação, assustando e envergonhando o estado e seus cidadãos.
Oscar Wilde tinha razão. Não há moral numa ilha.

8 comentários:

Anônimo disse...

Admiracao total por este poster! Parabéns pela excelente leitura dos fatos, e principalmente por atestar que nem todos os eleitores sao cegos, surdos ou indiferentes à falta de ética, que infelizmente tem sido uma característica cada vez mais presente em alguns de nossos representantes.

Anônimo disse...

Urge a necessidade e a obrigação dos deputados de depurar claramente os fatos, isentos do corporativismo clientelista.
Interessante como o acontecimento feio à tona, um dia depois da argüição de Antonio Erlindo Braga para vaga de conselheiro do TCE. Uma coisa pode não ter nada a ver com a outra, mas vale ressaltar. Onde, depois de análise criteriosa, verifica-se algumas irregularidades detectadas. Inclusive com comentários no 5ª Emenda.
O que nos deixa céticos quanto ao resultado das apurações, mas sem generalizações, embora a esperança perdure.

Anônimo disse...

Luluquefala:
Vai ser bom assim no raio que os partam !!!
Parabéns, mais uma vez .

Bia disse...

Querido Juca,

li emocionada - já que a fúria saiu de mim há anos - seu post.

Mas, seu post para mim tem um final subentendido: não há mais ilha e Dorian Grey multiplicou-se. Incontrolavelmente. O "prazer" substituiu a ética e a moral. O problema é apenas como esconder o mal ( e mau) feito.


Beijão

Juvencio de Arruda disse...

Ahahah...mas vc tem cara mesmo de leitora do Wilde.
É claro que a busca é pelo prazer, inependente dos preços.
Também é cada vez mais difícil esconder. O prazer tem esse lado, digamos, salivante...eheh
E todo mundo vê quando ele pinga...um horror!

Bjão, queridona

Anônimo disse...

Não esperem outra coisa senão corporativismo dos Deputados, vide o caso do Tapiocouto.
Por anda o republicano Jordy, o que está acima do bem e o mal e a aguerrida Regina Barata.
Este é um verdadeiro teste para os que querem se diferenciar da vala comum na política.

Anônimo disse...

O deputado está indignado com o blog. "Eu não tenho rabicó nenhum", de fora, bem entendido.
Anote-se.

Juvencio de Arruda disse...

É mesmo?
Está anotado.