14.3.08

A Morte Chegou Primeiro

A morte do vice prefeito de Santarém, Delano Riker, ocorrida ontem, retira da cena eleitoral de outubro um cabo eleitoral de pequeno porte do pretenso candidato Lira Maia (DEM) à prefeitura do município. Pequeno porte, mas de grande valor simbólico, pois Delano abandonaria a coligação que apoia a prefeita Maria do Carmo, do PT.
A manutenção desse simbolismo foi alvo, dois dias antes de sua morte, de intensa pressão da dupla Osmando Figueiredo (PDT) - Everaldinho Martins (PT), secretários municipais e virtuais controladores da gestão da cidade, interessados em garantir a coesão da aliança que levou Maria ao poder na Pérola em 2004.

6 comentários:

Anônimo disse...

Não sei se é o Lira Maia que tá azarado ou se os tambores de Maria que são fortes, mas esse ano o clima vai ser ainda mais quente em Santarém.

Juvencio de Arruda disse...

Tudo indica.

Alan Lemos disse...

Meu Deus, Delano morreu.
Chega é difícil de acreditar, parente do meu avô, que como nós, é descendente dos grandes homens Confederados que emigraram da Carolina do Sul (EUA) para a Amazônia.

Um homem tão ativo, tão dentro da cena política, com apelo, era uma peça-chave para o pleito desse ano.

para ver como na vida as coisas acontecem de surpresa, de uma hora para outra perdemos um parente do qual nem pudemos nos despedir.

É triste, essa semana minha mãe quase se foi também. Graças a Ele, está bem.

Realmente é difícil para nossa mente processar tudo com a agilidade com que os fatos ocorrem.

Delano Riker Teles de Menezes. Esse nome ficará para a história.
14 de outubro de 1946 – 13 de março de 2006

Juvencio de Arruda disse...

Aceite as condolências do blog, Alan.

Jeso Carneiro disse...

Decidamente não é "inferno astral", ou se o é ocorre "fora de época", pois o capo cipoalense é de setembro. Há, sem dúvida, uma conjunção de fatores - jurídicos, policiais, políticos, penais - conspirando contra ele. Aparentemente inexplicáveis. Quem, no entanto, tiver o cuidado de olhar no retrovisor para Santarém haverá de enxergar casos parecidos - vide Ronan Liberal, Ronaldo Campos - numa consagração do ditado acadêmico que afirma que a história não se repete a não ser como farsa. Lira Maia é, pois, o repeteco de uma farsa.

Juvencio de Arruda disse...

Bom dia, Chefia.
Tá feia a coisa pros lados do Cipoal, embora fontes do planalto santareno afirmem que não haverá tempo da casa de Noca da Pérola julgar a decisão do TCM, e se julgar, Maia ainda teria como arumar os votos necessários para reairmar sua candidatura.
Particularmente, acho difícil a situação do virginiano.
Abs e bom final de semana, caríssimo.