7.3.08

Sordidez

De um comentarista anônimo do blog, no post O Fato, Sem Fita

Matéria veiculada nos jornais “O Liberal” e o “Diário do Pará”, edições de hoje (06/03/2008), informam que a Assembléia Legislativa do nosso Estado é a Assembléia que teve o maior repasse no orçamento de 2008 dentre todas as Assembléias Legislativas do país.
A ALEPA, como informa o Diário do Pará, “é a Casa que aprovou para si mesma o maior aumento orçamentário para 2008, de 55%. Passou de R$ 125,8 milhões para R$ 195 milhões”. Como podemos ver, são R$ 69,2 milhões a mais no orçamento da ALEPA.
E isto nos causa total indignação quando próximos de mais uma data base, sabemos pelos corredores da Casa, que em reunião de cúpula, o Senhor Presidente da ALEPA, Deputado Domingos Juvenil, descartou a possibilidade de aumento para os servidores efetivos sob o sórdido argumento de que não há dinheiro para conceder reajuste salarial.
Destacamos o termo efetivos, dizemos aqui efetivos, pois, quanto aos demais servidores, estes os de gabinete e os mensalmente contratados que só vão receber seus polpudos contra-cheques e que só engrossam a folha de pagamento da Casa, são contemplados com salários que refletem o dobro, o triplo, o quádruplo do que hoje recebem os efetivos, os que efetivamente trabalham para o Poder Legislativo.
Mudanças na Lei Orçamentária Anual é o que mais buscam os nobres parlamentares, principalmente os que administram a Casa e que sempre objetivam somar e somar, basta lembrar do recente episódio de remanejar rubrica, protagonizado errôneamente pelo então Presidente da ALEPA, Domingos Juvenil...
E para onde vai este dinheiro!!! já que a Casa, nunca tem dinheiro suficiente para reajustar os vencimentos dos servidores efetivos!!!
Mais sórdido do que isso é sabermos através de alguns assessores parlamentares, que são exceções dentre os que só se beneficiam do Poder Legislativo, através de seus padrinhos, que dentre grupos de parlamentares, o discurso é nada conceder de reajuste salarial aos servidores efetivos, e isto sob a sórdida argumentação de que estes servidores por serem efetivos “não sairão do Poder Legislativo”, daí não precisarem ser remunerados dignamente, daí sobrar mais e mais para que o desvio seja maior, para que a divisão dos lucros, dos milhões seja entre os parlamentares e seus apadrinhados.
E, partindo-se do princípio de que o corporativismo parlamentar é forte, quer seja para benefícios, quer seja para acobertar manobras ilícitas – eis mais um caso, Luiz Cunha e Adamor Aires, que como sempre vai acabar em pizza!!! – danem-se os efetivos... que mofem com seus vencimentos achatados, desvalorizados, há muito distante da realidade do mercado... E ainda terem que levar em virtude de tanta sacanagem a fama de “marajás”.
A indignação é imensa... Por onde andam nossos órgãos de fiscalização!!! Será que sequer sabem onde fica localizada a Assembléia Legislativa do Estado do Pará!!!
O que será que impede estes órgãos de cumprirem seus papéis junto à sociedade!!! Está na hora de abrir a caixa preta do Poder Legislativo do Estado do Pará... Muita lama virá à tona.

--------

Deputados João Salame, Arnaldo Jordy e Parsifal Pontes - leitores, comentaristas e notícia do blog - o que os senhores teriam dizer sobre as palavras deste anônimo, evidentemente um funcionário da Ilha ?
Os senhores topariam encaminhar um pedido de CPI da Assembléia ? Melhor, CPI da Tapioca, pra ficar mais popular.
Ou não há fato determinado?
Ou os senhores não percebem que há gravíssimos problemas na Ilha, e todos nos estamos percebendo?
O blog gostaria muito de ouví-los.

13 comentários:

Anônimo disse...

Enquanto isso, o jornal Diário do Pará, isento como ele só, já se apressou em "reportar" em uma página inteira, que a Assembléia Legislativa é a mais barata do Brasil.
Nada como ter um jornal "independente" aliado, não é mesmo?

Antonio Fernando

Bia disse...

Bom dia, querido:

os Deputados Arnaldo Jordy e João Salame, têm desde 2007 requerimentos na Casa solicitando transparência e prestação de contas nos gastos do Poder. Que eu saiba, não obtiveram resposta.

Embora tenha ocupado um cargo de confiança, considero excrescência esse drible para contratar apadrinhados políticos, com a justificativa que são pessoas de notória especialização. Algumas são competentes e contribuem para o aprimoramento do serviço público, mas isto tambbém pode ser encontrado ou deveria ser promovido no âmbito dos servidores estáveis, através de atualização e capacitação. Isso eliminaria, aos poucos os que são especialistas em vagabundagem.

Uma "CPI do fala-que-eu-te-escuto" é justa e a cidadania a merece. Mas, ha o mal maior que nasceu com a república e ela tem o dever de extirpá-lo.

Os cargos de confiança são de difícil preenchimento: a maioria dos políticos não pode confiar em ninguém..rsrsrs...Daí, preenche-lo com apaniguados é um pulo! E sobram umas vaguinhas pra família, é claro. E ainda que parentes sejam competentes, é indiscutível o privilégio da contratação.

O mais grave, Juca, é que cargo de confiança faz da confiabilidade um conceito dúbio. Fluido. Porque o que deveria gerar confiança é a competência, caso fosse isto que o "contratador" queira para desempenhar a função pública a favor da população e não dos seus interesses pessoais e privados.

Agora, acordando do reino da fantasia pra onde o post me viajar, acho que a melhor proposta para os nossos deputados é a apresentação de um projeto-de-lei que extinga a médio prazo os cargos de confiança. A Câmara Federal fez isso em 2007, extingido 1050 cargos chamados de natureza especial, que não poderão ser reocupados. A medida foi positiva, ainda que proposta como um golpe nos pequenos partidos, pois determinava que somente partidos que elegeram mais de cinco deputados poderiam ter este cargo à disposição.

Com certeza há mais coisas que podem ser propostas no reino da Dinamarca.

Beijão. Perdão pela extensa elocubração.

Anônimo disse...

Luluquefala:
Um acordo político , dos grandes, está para sair do forno.
O deputado Manoel Pioneiro não será mais candidato em Ananindeua.
Ele será o próximo presidente da Assembléia Legislativa.
Tudo acertado diretamente com o comandante supremo do PMDB, deputado Jáder Barbalho.
Quem vai para o sacrifício é o atual presidente da casa, deputado Domingos Juvenil, que saiá candidato a prefeito em Altamira, abrindo caminho para Pioneiro.
A única dúvida de Pioneiro, é a possível derrota de Juvenil e seu retorno a presidência. Jáder garantiu que o caminho está aberto para que Pioneiro seja o candidato, mesmo que Juvenil venha a perder a eleição em Altamira.
Pioneiro se empolgou com a história recente dos ex presidentes Luis Otávio Campos e Mário Couto, que sairam direto de lá para o senado federal. Só que Pioneiro se empolga muito com o governo do estado em 2010., e será uma pedra no caminho de Simão Jatene e também do senador Mário Couto. Agora, são três os candidatos do PSDB.
E para aqueles que conhecem o deputado Manoel Pioneiro, já imaginam o que ele fará como presidente para atingir os seus objetivos.
Com esse acordo, Jáder limpa o terreno para a reeleição Hélder Barbalho, seu filho.
O acordo foi fechado na casa do prefeito Helder Barbalho, com a presença de Pioneiro, do deputado Jáder barbalho e do deputado Domingos Juvenil.
Pelo acordo, Pioneiro até abriu mão da vice, que naturalmente seria para o seu PSDB. Deixou que Jáder convença a governadora Ana Júlia para fazer a indicação, com um nome do PT.
Estando bom para ambas as partes, Luluquefala para o QUINTA AGORA...

Anônimo disse...

Grande Juca ! Será que o blog não emplaca um post no ''blogsfera'' de um jornal da cidade ? estou torcendo por isso, rs...abraços, do Mediador de Emoção,

Anônimo disse...

Luluquefala:
Bomba ! Bomba !!!

O prefeito Duciomar Costa acaba de fazer uma cirurgia plástica.
Foi no rosto, na altura da mandíbula.
Segundo informações de dentro da sala de cirurgia, Dudu ficou uma mistura de Paulo Castelo Branco e Sílvia Randel.
Um horror !!!
Do pescoço pra baixo, não mudou nada, ou seja, um horror também !!!

CJK disse...

Juvêncio, ficamos aqui discutindo a ALEPA, enquanto isso o Lulinha estava pelo Rio disparando 1,2 bi de obras do PAC.
E as eclusas???

Anônimo disse...

AK DIZ
Uma perguntinha besta, besta mesmo:
quanto custou a macrodrenagem do Una, que beneficiou mais de 600 mil pessoas por toda a vida ?
E a sub-perguntinha: 200 milhões por ano para 41 deputados é pouco, muito ou "mar o meno"?
Afonso Klautau

João Salame disse...

Juca

Estou em São Félix do Xingu participando de encontros sobre a questão ambiental. Volto a Belém na segunda-feira. Na terça farei uma análise detalhada a respeito do que estás provocando.
Forte abraço

João Salame

João Salame disse...

Juca

Estou em São Félix do Xingu participando de encontros sobre a questão ambiental. Volto a Belém na segunda-feira. Na terça farei uma análise detalhada a respeito do que estás provocando.
Forte abraço

João Salame

Parsifal Pontes disse...

Olá Juvêncio,

Só agora li o post. A programação aqui está intensa. Ontem desfilamos pelo centro da cidade de Bressuire, com a delegação paraense, ao som de samba e carimbo: lembrei-me dos meus tempos de menino, em Tucuruí, seguindo os circos que chegavam e desfilavam pela cidade.
As lojas e casas desfraldavam bandeiras do Brasil e do Pará. Teve gente que mal disfarçou as lágrimas, sob o frio de 5 graus que fazia ao sol encoberto da Normandia.
Mas, vamos ao post:
Mostrar números absolutos, como se está fazendo com o repasse da ALEPA, é pintar um quadro monocromático: poucos gostam. O percentual do repasse está absolutamente dentro dos parâmetros constitucionais e o custo per capita do repasse é um dos mais baixos do Brasil.
Portanto, não se deveria investir contra o repasse da ALEPA, mas sim discutir como ele deve ser usado. O Poder Legislativo é um dos poderes do Estado e precisa ter total independência financeira.
Sempre fui defensor da tese de que deve haver concurso público para preenchimento de qualquer cargo público, e considero as assessorias parlamentares cargos públicos, portanto, o parlamentar não poderia nomeá-los ao seu arbítrio, à exceção do chefe de gabinete, que, de fato, é um plenipotenciário do parlamentar.
O fato de eu ser a favor não quer dizer que seja a melhor coisa para a sustentação de um mandato, da forma como a política é exercida hoje: o sistema que adotamos e a forma como o exercemos, transforma qualquer atitude deste tipo em uma caneta sem tinta.
Não conheço na história do funcionalismo, no mundo inteiro, qualquer tipo de avanço sem organização coletiva: não vejo, na ALEPA, movimentos neste sentido.
Quando eu fui prefeito pela primeira vez, incentivei a criação do sindicato dos funcionários da PMT, dizendo a eles que era a única maneira de eles conseguirem “arrancar” alguma coisa de mim.
Na segunda vez que fui prefeito, o sindicato acampou na sede da PMT, pressionando por aumento de 15%. O meu Secretário de Finanças me disse: “isto foi criação sua”. Ao que lhe respondi: “não vai me dar parabéns?”
Portanto, se a questão posta pelo funcionário é o que eu percebi, a maneira mais conseqüente de encaminhar a equação é a organização coletiva, com todos os ingredientes que esta comporta.
A democracia se aperfeiçoa com a contestação dela mesma pelo cidadão.

Abraços

Parsifal

Anônimo disse...

E aí Juvêncio? Cadê as novidades do mundo da mídia e da política? Já vi que tu já estais em ritmo de mestrado... hehehe! Assim não vale!

Abraços,

Max Costa

Anônimo disse...

Luluquefala:
Ei Salaminho do 70, e agora do Quiquiqui também.
Nem parece que você foi bancário a vida inteira, lá da falida Socilar.
Você vem empolgar a gente pra ir para a Europa porque o dólar tá baixo ? Será que você não sabe que lá é o Euro quem manda?
E o Euro tá mandando, Salaminho. Tipo o Dudu lá no Bernardino, aquele que faz e acontece...
Bonjour mon ami !

Anônimo disse...

Q k á seu Juca, tanta coisa acontecendo e você resolve tirar férias???