26.11.07

Black Out

Faleceu ontem, em Brasília, em razão de complicações advindas de uma hepatite C, o jornalista e diretor de tv José Luiz De Campos Ribeiro, o De Campinho, ex professor fundador do curso de jornalismo da UFPA.

13 comentários:

Anônimo disse...

O De Campos, que trabalhou como cinegrafista na TV LIberal nos anos 70 ?
O De Campos que era proprietário de uma produtora de TV?
Será que vc pode me responder?

Juvencio de Arruda disse...

Sim, ele mesmo.

Lafayette disse...

Que tinha um produtora ali na João Balbi?

Que, naquela época pelo menos, tinha um acervo de som fantástico?

Que, naquela época pelo menos, tinha um acervo de imagens fantástico?

Que, naquela época pelo menos, tinha uma das únicas, senão a única, ilha de edição digital, fantástica?

Que, naquela época pelo menos, saia de lá uns vídeos para Tv Cultura, que mesclavam, fantasticamente, imagens e sons paraenses e amazônicos, também fantásticos?

Anônimo disse...

Meu Deus do céu.
Eu não sabia que ele estava doente.
Fui seu colega durante anos na TV Liberal. Um profissional e tanto.
Um companheiro leal e amigo de todas as horas.
Que Deus guarde a sua alma e alivie as dores da sua família.
Vic

Juvencio de Arruda disse...

Sim, Lafa. O Zé era um craque.

Lafayette disse...

Humm, o papai vai ficar chateado!

Juvencio de Arruda disse...

Lafa, afinal, quem é o papito sacador do filho...rs?
E tks pela correção no Getsão...rs

Lafayette disse...

Já postei ele, pelo menos, três vezes por lá! rsrsrs

Juvencio de Arruda disse...

Tá legal. Como não é o Naudo, vai ser fácil achar...rsrs

Anônimo disse...

Ele foi um cara muito legal e competente mas não foi fundador do curso de comunicação que teve início em 1976. Ele veio um pouquinho depois (1981). Que a sua alma fique em paz.

Juvencio de Arruda disse...

Obrigado pela correção. Vou fazê-la, na ribalta, num post para quarta feira.

Anônimo disse...

ak diz:
Se a memória não me falha e se a vista não me pisca,
O DeCampinho, o Luiz Otávio Barata, o Peter Jungman, o Januário Guedes, o Edyr Augusto, o Lúcio Flávio Pinto, o Euclides Bandeira - que não aceitou porque disse que tinha mais o que fazer - e outros mais, no decorrer do tempo, foram convidados pelo Departamento de Comunicação e Artes, para dar aulas nos cursos na época em que a gente achava que
precisava colocar profissionais para formar profissionais.
Não é, Zélia Amador de Deus, Paulo Chaves, Edson Berbary ?
Afonso Klautau

Anônimo disse...

Ah, please, acrescentem no currículo do falecido: inaugurou o mercado de produtoras comerciais no Pará e também o calote que estas até hoje costumam dar nos profissionais que para elas trabalham. A De Campos Produções faliu no começo dos anos 90 e antes e depois disso deixou de pagar muita gente boa que suou a camisa por lá, como o talentoso e trabalhador Octavio Cardoso, pra citar um só exemplo. De Campos praticamente fugiu na calada da noite de Belém e só por volta de 2004 voltou a pisar na terrinha...
Lamento a morte dele, com certeza, mas santo, meu caro, ele não foi não!