27.11.07

Ensaio Geral

Não existe o melhor dos dois mundos.
A afirmação, que ouvi pela primeira vez nos anos 80, numa aula da bela e mal humorada economista Sulamis Dain, pode começar a ser aplicado às relações da base aliada de Ana Julia.
Suas primeiras incursões políticas, que na prática dão o start para as eleições do ano que vem, começam a incomodar a vizinhança, aqui entendida como os seus aliados.
A exuberância de sua aparição no sul do Pará, neste final de semana, por exemplo, pode ter sido a primeira de uma série de visitinhas de apoio aos correligionários vermelhos, por assim dizer.
O restante do arco íris, claro, fez beiçinho.
E olha que foi num dos menores municípios do Pará - Nova Ipixuna - embora a escala em Marabá, álibi e logística, tenha lançado holofotes sobre a movimentação da gov.
Mas Ana Julia não tem saída. Tá chegando a hora de passar entre as pedras, arranhar-se, e aos parceiros.
Trata-se ainda de garantir mais espaços, além da DS, para as outras correntes do partido, ressabiadas desde a montagem do governo, que vêem agora a oportunidade de meter a cara na janela.
Por outro lado, para alcançar os grandes colégios eleitorais e as grandes máquinas administrativas do estado, decisivos em 2010, Ana Julia sabe que precisa ultrapassar as passagens de nível do percurso.
O blog não vai estranhar nem um pouco se até o carnaval o bloco da oposição estiver pouca coisa maior.
E nas ruas, como o da governadora.

11 comentários:

Anônimo disse...

Juca,
ontem ouvia pela net a CBN e o programa do Heródoto.Ele com dois juristas discutinam a "obra" do governo petista no Pará: a prisão dessa menina.Depois de muito discutir o problema,os 3 chegaram a conclusão que a governadora dançarina de carimbó deveria, a luz da lei, ser impedida de governar...o famos impeachement.
Já pensou?

Juvencio de Arruda disse...

Já. Viagem de ácido da LH , do Heródoto, e dos juristas.

Anônimo disse...

Convenhamos.

algumas pessoas falam em impeachment como se fala de ir comprar pão na esquina.

Lembro que quando fui vereador em Irituia (aliás péssimo Vereador), toda vez que surgia uma denúncia contra o Prefeito, a galera já começava a contar se já tinha 2/3 de votos para cassa-lo, sem ao menos preocupar-se com a profundidade das denuncias.

É preciso entender que incompetência não é a mesma que improbidade.

Mas eu como eleitor da Ana Júlia em várias eleições, me pergunto o que nesse quase 1 (um) ano de governo fou realizado, me pergunto sim.

alessandro amaro

Juvencio de Arruda disse...

Olá, professor. Quanto tempo!
É isso aí.
Abs

Anônimo disse...

Esse anonimo das 9:01 esquece convenientemente que tal prática era comum há muitos e muitos anos. Agora, diferente do Almir Gabriel que se escondeu covardemente atrás de um Coronel, no episódio Eldorado dos Carájas, a governadora enfrentou com altivez, autoridade e responsabilidade o problema.

Ora, dos 143 municipios apenas 5 possuem espaço carcerário feminino. Quem governou o Pará por 12 anos e deixou essa herança maldita não pode acusar a governadora atual. A critica é válida e faz parte de quem detem cargo público, mas pedir impeachement já é demais.

Tenha vergonha na cara anônimo das 9:01.

Anônimo disse...

Comentarista das 11:12
A Ana Júlia não foi eleita para mudar?Então não venha justificar na herança dos governos passados as omissões da administração petista.Até porque dentre os governantes passados está o maior aliado do PT, Jader Barbalho.

Anônimo disse...

O Ministério Público de Vitória de Santo Antão realiza nesta terça feira uma audiência para coibir a propaganda política antecipada nas emissoras de rádio e televisão do município. A reunião acontece após denúncias feitas pelos próprios políticos, que se sentem em situação de desvantagem diante dos oposicionistas. Para o encontro, o MP precisou intimar os representantes dos veículos de comunicação de massa. Na última terça feira, quando ocorreu a primeira reunião, alguns integrantes de rádios faltaram à sessão. Enquanto isso, a Promotora de justiça Vera Rejane Alves dos Santos Mendonça, da 18ª zona eleitoral, decretou a proibição de fardas de moto-taxistas e de faixas com propaganda política. Já pensou se a moda pega no Pará, hein Vic?

Anônimo disse...

O impedimento da governadora jamais virá. O que virá é sua reeleição. Basta para isso que ela ajuste duas áreas que são precárias em seu governo: a assessoria jurídica e a assessoria de marketing e comunicação, péssimas e ficando pior. Digo isso porque essa precipitação de idiotas como esse Heródoto, um anti-petista doente, mais parece caça às bruxas do que racionalidade jornalística. Se em cada lugar onde se descobrisse uma barbaridade como a que aconteceu aqui no Pará se caçasse o mandato do governador, não haveria mais governadores no cargo, só vices. No Rio, então, eles não durariam nem 24 horas. Em São Paulo, nem se diga. O problema é que a "máquina de comunicação" da governadora é um calhambeque e sua "máquina jurídica" é uma Lettera 22, quebrada. Como é que deixam a governadora anunciar e assinar um decreto que reitera o que a Lei já diz? Essa incompetência, contudo, está longe de ser improbidade e pode ser corrigida. Basta que o senhor Charles Alcântara perceba que precisa, urgentemente, de ajuda. Ah, e esqueça essa assessoria de imprensa contratada em São Paulo a mando do PT nacional. É uma pequena espelunca e nesse episódio não apenas não ajudou, como atrapalhou.

Anônimo disse...

Venhamos e convenhamos, a governadora está muito, mas muito mal assessorada. É isso que dá colocar sindicalista para dirigir órgão público: Benassuly na "puliça" e aquela galera que já afundou a Rádio e a TV Cultura.
E, convenhamos outra vez, a dona Ana Júlia nunca foi brilhante. Burra não é, mas não é nenhum ícone de inteligência para ser governadora. E para encerrar: pensam que só o Od(i)air é deslumbrado??? Tenham uma conversa de 5 minutos com dona Ana Júlia pra sentir o quanto ela está "sissi" (se sentindo).

Anônimo disse...

Sou eleitor do PT, gosto muito do Lula.Não suportava o esnobismo dos tucanos de alta plumagem e dos daqui.
Mas, convenhamos, foi feito um governo de transição, foi feito um levantamento de como se recebeu o governo e uma avaliação das carências.Desvendaram além do que disseram os tucanos. Ana e seus secretariado já sabiam deste caos e a primeira medida era intervir imediatamente.
Nossa governadora e sua empolgada equipe, toda lambuzada de mel, se comportam como se estivessem tateando no escuro.

Anônimo disse...

impeachment