26.11.07

Sucessão

Um ano e meio antes do termino do mandato do reitor da UFPA, duas candidaturas já correm no trecho da instituição. A da professora Ana Tancredi ( Depto. de Educação), que nas últimas eleições apoiou a colega Olgaíses Maués, e do professor Carlos Maneschy (Depto. de Engenharia Mecânica) que esteve ao lado do atual reitor em sua reeleição.
Ambos já foram candidatos à reitoria.

11 comentários:

Ana Lucia Prado disse...

Juca,
Não seria Carlos Maneschy o nome do candidato a candidato? Se não me engano, Sérgio era o nome do irmão de Carlos, do PSDB, e que morreu repentinamente há alguns anos.
Boa semana!

Juvencio de Arruda disse...

Claro que sim, professora.
Já corrigi e muito obrigado.
Sérgio, na época da primeira eleição do professor Alex era o chefe da Casa Civil de Almir,e dsiparou telefonemas para todas a prefeituras do estado que tinham cursos intervalares, pedindo apoio dos prefeitos ao irmão, em nome do governador Almir Gabriel.
Deu trabalho, mas houve tempo para ligar, para todos, desmentindo o Sérgio, que era um boa praça.
Abs

Juvencio de Arruda disse...

Ps=
Ana, eu já estou parecido com o Walter Guimrães, que publica aniversário de falecido..rsrs

Ana Lucia Prado disse...

Juca,
Deixe disso, homem, muita gente troca os nomes dos bois. Eu mesma, já fiz dessas...ou até priores.
Um abraço
p.s: vc leu a nota oficial do governo no O Liberal sobre o caso de Abaetetuba? No último parágrafo, se não me engano, volta-se a falar em cela para mulheres e adolescentes...Dê uma olhadinha. Será que a sua amiga aqui está intransigente demais??
Arfh!

Juvencio de Arruda disse...

Tks, professora.
Quanto a sua pergunta, só consultando o ECA.
Abs

Anônimo disse...

Será que, no final, a Sra. Tancredi aceitará a candidatura à vice reitoria, como fez (vergonhosamente, ressalte-se!) da vez passada??

Fernando Bernardo

Anônimo disse...

Só corrigindo...

Ana Tancredi nunca foi candidata à reitora, mas candidata à vice-reitora. Por sinal, foi a vitoriosa, tendo obtido uma larga vantagem sobre a segunda colocada, Marlene Freitas, que acabou sendo empossada pelo professor Alex Fiúza.
Ana tem uma carreira acadêmica respeitável e admirável, tendo sido diretora do Centro de Educação e pró-reitora de Ensino e Graduação, na época de criação dos cursos de interiorização, que revolucionaram a Amazônia, levando ensino superior ao interior paraense. Ana já mostrou competência e deverá figurar como candidata forte, que irá unificar a oposição, não existindo a possibilidade de ser candidata à vice.
Aliás, está mais fácil para Carlos Maneschy retirar sua candidatura, já que não consegue mais vencer nem eleição para diretor de Centro, já que na última eleição saiu derrotado pelo professor Barreiros. Até porque, Maneschy não tem mais seu esteio (que nos deixou infelizmente de forma repentina e triste) e o professor Alex está dividido entre as candidaturas de Ney Cristina, Licurgo Brito e Marlene Freitas.
Não sei se após oito anos, o grupo ainda continuará coeso, com a saída de cena de Alex Fiúza.
Enfim, mas a disputa promete... Aliás, o debate deverá ser de alto nível, muito diferente do que aconteceu na Uepa, onde todos preferiram partir para a baixaria.

Juvencio de Arruda disse...

Vc tem razão. Obrigado pela correção. E torço para que o nível dos debates se eleve em relação as últimas eleições, na própria UFPA.
Todos só tem a ganhar.
Só observo que o grupo já não ficou coeso nas eleições anteriores, quando o professor Francisco Matos preferiu apoiar outro candidato.

Anônimo disse...

Só corrigindo o "corrigido",

A Profa. Tancredi foi candidata a Vice, na chapa de Maneschy, em 2001, depois de trabalhar pelo boicote às eleições (queria eleições universais) e criticar o candidato da administração de então, o próprio Maneschy. Depois, supreendentemente, com total incoerência, fechou acordo com ele, sendo sua vice. Perdida a eleição para Alex Fiúza(ela venceu, sim, como vice, a Profa. Marlene, pois não havia chapa vinculada), trabalhou dentro do Conselho Universitário para anular a eleição (sem razão) e, depois, perdido o intento, fez ação para inverter a lista que iria ao MEC (tendo conseguido!), colocando o nome de Maneschy na frente do de Alex, vencedor do pleito (com o conluio do então reitor Cristóvam Diniz).
Quanto ao seu passado, na gestão do reitor Seixas Lourenço, ela foi, sim, Pró-reitora de Ensino, encarregada de ajudar o então Pró-reitor Nilson Pinto a executar o Projeto de Interiorização, que foi planejado pelo próprio reitor e pelo Nilson. Não é dela, portanto, ao contrário do que afirma, a idéia ou paternidade (seria "maternidade"?)da proposta, e mais: foi exonerada pelo reitor da época justamente por incompetência e por não trabalhar direito e conforme os interesses da reitoria, pois queria abocanhar os méritos que não eram seus - como, aliás, agora tb o faz, apostando na perda de memória da comunidade acadêmica mais antiga e no desconhecimento dos fatos pelos novos estudantes e professores.
Igualmente é importante destacar que, depois de mais de 8 anos na direção do Centro de Educação da UFPA (contado o mandato de sua vice, Olgaíses), jamais conseguiu aprovar na CAPES o curso de mestrado em Educação (sempre reprovado pela Agência) e bastou a sua saída da Direção para que o Centro de Educação, na gestão da Profa. Ney Cristina, aprovasse, na CAPES, o mestrado e, agora, o doutorado. Deixaram, além do mais, ela e Olgaíses, o curso de graduação em Pedagogia um caos, demonstando serem, ambas, péssimas gestoras.
Essa é a verdadeira história de Ana Tancredi na UFPA.
Portanto, a Profa. Tancredi, que só foi fazer o doutorado para poder ser candidata a reitora (não tem nunhuma publicação relevante ou compromisso acadêmico!), demonstra, pela sua biografia (e ao contrário do que afirma), que está inabilitada para exercer o cargo máximo da UFPA e sua (felizmente) improvável eleição seria um brutal retrocesso nos avanços conseguidos pela UFPA nos últimos anos.
Por fim, nunca esquecer: a Profa. Tancredi representa os interesses do PSOL nas próximas eleições para reitor, e que visam tão somente usar a Universidade como mero instrumento para fazer política partidária, e terá como apoio a ADUPA, de Vera Jacob (provavelmente sua candidata a pró-reitora).
Tenham todos a certeza de que, com essa gente, só restará tb baixaria nas próximas eleições da UFPA!

Anônimo disse...

Desmentiu-se o que no que Sérgio dizia? E aqui paro, já encerrando o assunto.

Anônimo disse...

Infelizmente, você não assina seus comentários... Tenta desqualificar a professora Ana Tancredi, talvez porque ela o incomode ou incomode seu grupo. Provavelmente, deve ser algum professor do Instituto de Ciências da Educação, que amargou uma derrota na última eleição para o Conselho Superior.
E tenha certeza que, eu como militante do PSOL, nem ela e nem a professora Vera Jacob, encontram-se em nossas fileiras, o que seria uma grande aquisição de nosso jovem partido.
Tenha certeza, também, que os militantes do PSOL saberão identificar o melhor candidato e saberão fazer a campanha de forma honesta e ética, pautados na defesa da edução pública. Quanto a você, reles anônimo, recolha-se a sua insignificância, pois não és militante do PSOL e não sei porque se incomoda com a atuação de nosso jovem partido, e da professora Ana Tancredi, que creio eu, ainda é filiada ao PT, infelizmente.
Tenha certeza, mais ainda, que para um partido que tem como prioridade vencer as eleições da Prefeitura de Belém em 2008, não temos o porquê de querer "aparelhar" a UFPA, como você faz entender, mas não é macho ou mulher para assinar essas verborragias. Nosso projeto é para a sociedade como um todo e não se restringe aos muros de uma Universidade e às disputas locais de uma reitoria.
Márcio Silva