21.1.09

O Redator e o Orador

Um homem pratica esporte em Washington perto do memorial de Abraham Lincoln, diante da imponente estátua do presidente que em 1863 proclamou o fim da escravidão. Ali mesmo, em 28 de agosto de 1963, sob as palavras de Lincoln gravadas no mármore, Martin Luther King pronunciou seu legendário discurso "Eu tenho um sonho": "Que meus quatro filhos vivam um dia em uma nação na qual não sejam julgados pela cor de sua pele, mas por sua reputação. Que um dia sobre as colinas vermelhas da Geórgia os filhos dos que foram escravos e os filhos dos que foram proprietários de escravos sejam capazes de...".
Jon Favreau para de correr e pensa no que sabe que não deveria pensar: amanhã estarão no Memorial a Lincoln milhões de pessoas para ouvir o discurso de Barack Obama, um discurso que durará 20 minutos e no qual este homem de 27 anos trabalhou durante mais de dois meses.
Semanas antes das férias do Natal, Obama e seu conselheiro David Axelrod se reuniram em Chicago com Favreau para lhe dar as diretrizes do que deveria ser o discurso. Assobiaram a música sabendo que Favreau colocaria a melhor letra. Ele estudou os discursos de posse de outros presidentes, reuniu-se com Peggy Noonan, redatora dos discursos de Ronald Reagan, encarregou um membro de sua equipe de estudar os pronunciamentos presidenciais em tempos de crise e outro de entrevistar vários historiadores.

Na íntegra aqui, por Francisco Peregil, do El País.

2 comentários:

ricardo charone disse...

...

Anônimo disse...

Que ghost writer indiscreto