20.1.09

A Farda Executa

No blog Página Crítica, do jornalista Aldenor Jr.

Será que alguém ainda duvida que a Ronda Ostensiva Tática Metropolitana (Rotam) praticou, neste final de semana, uma chacina contra os suspeitos da morte do cabo PM Paulo Sérgio da Cunha Nepomuceno, assassinado no sábado, 17, durante um assalto? Mais uma vítima fatal da caçada policial - a quinta - foi localizada em um matagal próximo à estrada do Curuçambá, palco da tragédia. Segundo familiares, Marcelo Piedade Santana, 22, foi levado da porta de sua casa por soldados da Rotam.O silêncio das autoridades, de todos os níveis, tende a se transformar, em pouquíssimo tempo, em perigosa e indefensável cumplicidade.

Será que alguém duvida que o jornalista está correto?
Os cadernos de puliça das folhas da capital nas edições de hoje contém farto material indicativo da ocorrência de tortura e execução sumária pela PM.
Bandidos fardados, pois não?

38 comentários:

Anônimo disse...

Como já dizia o Capitão Nascimento: Nesse mundo, ou você vai pra guerra, ou se omite, ou se corrompe.

Eu prefiro a ROTAM indo pra guerra e matando os bandidos que matam os nossos amigos e conhecidos nos bancos, esquinas e farmácias, do que se corrompendo ou se omitindo, como grande parte da polícia civil e militar.

É lamentável, não é correto, mas nossa sociedade chegou em um ponto, que ou matamos os bandidos, ou eles matam agente. Foi assim com Eduardo Lauande, Carlos Russo, Bruno Abner, Salvador Nahmias, Marcelo Castelo Branco, e muitos, muitos outros.

Eu prefiro repudiar a bandidagem e a insegurança, vendo a polícia agir dessa forma, e poder levar meu filho para tomar sorteve na cairu, passear na pça batista campos, poder andar no carro com os vidros baixos num domingo de manhã, poder lavar o carro na porta de casa, e muitas outras atividades que hoje somos impedidos de fazer, por conta do mundo do crime.

Roberto Alcântara

Anônimo disse...

JUCA , o aparelho policial encontra-se deteriorado e aqueles que recebem as ordem verificando tal estado de coisas, se acham no direito de agir por conta própria e sem qualquer parametro de dignidade e ordem. Ficamos nós, refens de uma policia despreparada e fadada a atos de graves repercursões sociais e morais.
Polícia violenta gera mais violência, gera o medo e gera o aumento da morte de inocentes. Na minha avaliação , a violência no Brasil está "historicamente ligada" ao uso do poder. "O uso do poder exige moderação. Uma polícia violenta aumenta a ocorrência de chacinas, e não é esta a alternativa para reduzir a violência no País.

As estatísticas, mostram que a polícia brasileira não está equipada para combater a pequena criminalidade, moto gerador da expansão da violência. "Setenta por cento das ocorrências que deságuam nas delegacias não podem ser qualificadas como crimes, sequer contravenções penais, mas questões de assistência social", . As delegacias não têm vocação e nem estão preparadas para resolver estes conflitos. "E estas questões não atendidas se transformam, no dia seguinte, em crimes violentos".

Defendo uma reestruturação da polícia, que deve estar "integrada à comunidade" como parte de uma ação conjunta da sociedade e do Estado para combater a violência. "A criminalidade assume o poder paralelo onde o Estado deixou de agir".


Abraço .
ADOLFO ALVES.

Anônimo disse...

Terra de direitos, meu caro.
E, até o final do FSM, seja o que Deus quiser.
E tome papo e propaganda.

Anônimo disse...

Juca,

ontem o Zé Carlos do PV postava este artigo:

A ROTAM matou quatro
Após a morte de um cabo da Rotam, durante um assalto, os membros da corporação saíram a caça dos suspeitos. Invadiram casas sem mandado judicial algum e mataram quatro acusados, que não tiveram direito a julgamentos.
Essa reação da PM deve ser aplaudida por muitas pessoas, pois nesse momento de comoção e de insegurança a tendência é adotar o lema "bandido bom, é bandido morto".
Jornalistas de respeito se calam, intelectuais se calam, políticos se calam, organismos de direitos humanos se calam, todos se calam. Mas Bertold Brecht não:


Tempos Sombrios
Realmente, vivemos tempos sombrios!
A inocência é loucura.
Uma fronte sem rugas
denota insensibilidade.
Aquele que ri
ainda não recebeu a terrível notícia
que está para chegar.
Que tempos são estes, em que
é quase um delito
falar de coisas inocentes,
pois implica em silenciar
sobre tantos horrores.
Postado por José Carlos Lima às 08:26 2 comentários

abs
Fonte de Responsa

Anônimo disse...

Juvencio eu não entendo.As Leis deste país não dão mais conta de segurar na cadeia os bandidos,que saem e matama médicos,advogados, enfim, pais de familia.Todos reclamam da violência fazem passeatas pedindo paz que de nada adiantam,aí matam 3 ou 4 bandidos executados sim e agora vem um monte de gente chorar a morte dos safados.Antes eles que eu ou um filho meu.A sociedade tem que decidir de que lado desta guerra vai ficar.

Anônimo disse...

E as "otoridades" em silêncio, ou é vergonha ou é cumplicidade. Não dá mais pra acreditar em omissão.

Cláudio

Anônimo disse...

Nós, cidadãos de bem, podemos morrer estupida e boçalmente, vitimas desses facínoras que infestam nosso Estado, que são os bandidos, ladrões, assasinos, latrocidas e estupradores, mas, quando esses animais são mortos, a imprensa reclama.

Não digo que a policia é santinha ou que não tem seus pecados, mas reclamar porque ela está caçando bandidos ai já é um contrasenso, com todo o respeito que o blog merece.

Pedro Paulo
Estudante - Bengui

Raphael Teixeira disse...

Entre o slogan oficial do governo Ana Júlia (que eu ajudei a eleger) e o "modus operandi" das forças de Estado, sob o comando da governadora, existe um fosso mais largo que a baia do Guajará!

Anônimo disse...

O problema é que, com a crise de segurança, a população acaba apoiando tais ações, quando não toma ela mesma a atitude do "justiçamento". É a barbarie!

Anônimo disse...

bandido bom é bandido morto

Anônimo disse...

Combater a violência com mais violência? Isso é garantir a paz? Pior é ver gente aplaudindo essas ações criminosas, acreditando que assim seus filhos podem passear tranquilos. E quando as vítimas da sanha da polícia forem seus filhos, vai aplaudir também? Porque os policiais afirmam que mataram bandidos ( que sempre reagiram) é possível acreditar neles? Por que quando um policial é morto sempre há muitos mais "bandidos mortos"? A polícia não aprendeu a prender sem matar? E os filhotes da ditadura aplaudem...

Anônimo disse...

A polícia quando quer acha em recorde criminosos. Estes que tombaram, tinham uma vida pregressa criminosa vasta. Além, de terem sido reconhecidos por testemunhas como os matadores do Cabo. Que o assassinaram covarde e friamente. No cerco policial, os meliantes reagiram e usaram como escudos seus familiares.
Não podemos mais aceitar que facínoras, entrem e lares e usem como escudos, cidadãos. E depois, fiquem fazendo mil e uma exigências, deixando sequelas irreparáveis nas vítimas.
Há que se preparar o efetivo para que nesses casos ajam com extrema perícia para que o covarde e crápula saia de lá, no mínimo ferido para não esboçar reação contra a vítima. Aí sim, eles pensarão duas vezes antes de usar pessoas como instrumentos de defesa.
Tem é que dar um "teco" na testa do animal. Infelizmente é assim que esses marginais aprendem.

Anônimo disse...

O Secretario precisa cair, já mostrou sua incapacidade em Gerenciar o Sistema Estadual de Segurança Pública. quanto tempo mais precisará para mostrar e evidenciar sua incapacidade. Além de amigo particular de Tucanos diversos parece cego em meio ao tiroteio. Nossa Governadora erra muito no que se refere a esse quesito. Mantem o secretário Inconpetente, Reconduz à DG da PC um outro despreparado, Nomeia na SUSIPE um Fantoche. Onde Vamos parar? Chega!!!!!

Bia disse...

Bom dia, Juca querido:

a barbárie não está apenas na violência brutal que atinge a todos, ou na ação arbitrária e truculenta das polícias.

A barbárie encontrou eco na alma.

Penso que estes que defendem o assassinato puro e simples de jovens - sim,são jovens, sem direito á vida e á juventude - reagiriam desesperadamente se a polícia se enganasse com um dos seus filhos.

Tenho por princípio combater a viol~encia de estado, seja qual for sua origem ou motivação. Por nada, pelo menos para poder protestar ou enlouquecer de dor quando,por "engano", matarem um filho meu.

A correspondência que enviei - mandei cópia procê - para a OAB, SDDH, UNICEF, não mereceu resposta das instituições. Quem sabe, concordam com o anônimo do bandido bom, bandido morto, até um dos seus ser confundido com um deles.

A classe média - será que ela pensa mesmo que existe, que é real? - está satisfeita. Vai poder lavar o carro na porta, levar o filho pra tomar sorvete na Cairú, mas recomendo que peça a proteção dos deuses. Porque além de Brecht, há outros alertas:

"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu.

Como não sou judeu, não me incomodei.

No dia seguinte vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista.

Como não sou comunista, não me incomodei.

No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico.

Como não sou católico, não me incomodei.

No quarto dia, vieram e me levaram;

já não havia mais ninguém para reclamar.

Martin Niemöller – pastor luterano alemão – 1933 (data presumida)


Hoje matam o filho da minha lavadeira. Um "pretinho esquisito", que parecia mesmo ter cara de marginal. Amanhã, matam o meu filhinho, porque estava com uma cara esquisita parado na esquina.


Beijão, querido.

Anônimo disse...

Roberto alcântara, você colou as palavras certas para expressar o caos vivido em Belém. Caso não aconteça isso, os bandidos irão tomar conta das esquinas e continuar matando pessoas inocentes que tiveram seus direitos de ir e vir interrompidos por um sistema falido incapaz de dar segurança a população, onde os únicos beneficiados são vagabundos, ladrões, assantantes, matadores e arrombadores!

Anônimo disse...

Pelo visto, agora basta ser jovem, morar no Curuçambá, ou outro bairro empobrecido que o valha, pra justificar ser assassinado pela polícia e ainda receber o apoio da classe média belenense.É assim que vamos acabar com a violência em Belém e no mundo? Matando os pobres!? É uma saída. Podíamos mandar ativar as câmaras de gás e o "serviço" seria mais limpo!
Aracélia Farias

Anônimo disse...

Para a bandidagem, do jeito que está a (in)segurança no Pará, só mesmo "linha dura".

Anônimo disse...

O problema é quando a ROTAM errar o "alvo" e matar um inocente.


Engraçado é ver a "agilidade" da Polícia para identificar e "prender" assassinos de policias, se fosse um de nós pobres mortais....

Rodrigo Moraes disse...

Com todos esses problemas o secretário ainda mira suas artilharias para o I.ML.

Lafayette disse...

O Cabo morto era irmão de algum comentarista?

Cássio de Andrade disse...

Espero que esse Roberto Alcântara, não seja o doce e querido Roberto Alcântara, aposentado professor de História da UFPA. Seria uma pena! De qualquer forma, esse é o resultado quando se politiza o debate da violência em Belém, como se viu nos últimos meses, por conta dos lamentáveis acontecimentos que levaram a morte de ilustres representantes da classe média e da pequena burguesia. No fundo, o que expressou o sr. Roberto Alcântara é o que pensam alguns que aqui no blog se manifestam. O Diário e O LIBERAL chegaram ao cúmulo de publicar a mesma carta de um delegado de polícia com as mesmas opiniões do sr. Roberto Alcântara, baseadas no lema: "bandido bom é bandido morto". Ou deixamos a hipocrisia de lado e assumimos a tese, ou sejamos mais responsáveis e menos ideologizados nesse sério e delicado debate. Se é para entrar nesse campo subjetivo, seria bom cobrar das entidades que organizaram a passeata contra a violência o mesmo empenho em apurar a morte de dois garotos no Telégrafo, atropelados por um médico. E aí? Podemos dizer, "médico bom é médico morto?" ou "policial bom é policial morto"?

Anônimo disse...

Não sabia que a função dos PMs tinha se ampliado: agora eles prendem, julgam e executam a pena.
E vai chover gente dizendo que a polícia agora é eficiente.


Victor Picanço

Anônimo disse...

Grande Juca...parabens pela coragem em opinar. Eu concordo com tudo o que vc escreveu. Jah no domingo a noite eu tinha quase certeza que a PATAM, digo, ROTAM havia retornado aos velhos tempos. E hj no Policia e Justica, coluna do Grande Ivanildo Alves, ele escreve que já começou o trabalho do neo comandante da PM paraense. Triste, muito triste...1 abraço, Mediador de Emoção,

Anônimo disse...

Façam o favor, aqueles que defendem os assassinos, e os que misturam ideologia - "pequena burguesia" segundo o comentarista Cássio, isto sim, clara discriminação - com necessidade básica da cidadania: direito à vida, à segurança. Que perguntem aos vizinhos dos "meninos" mortos, quem eram. Ou peçam a ficha de antecedentes dos mesmos.
Não interessa se o criminoso mora na Doca ou no Paar, seja formado ou analfabeto, rico ou pobre, branco, amarelo, negro ou até verde.A índole do marginal assassino é nefasta e em raríssimas vezes é reversível.
Respeitemos sim, a dor dos familiares que na maioria das vezes, não têm culpa do caminho enveredado por alguns filhos.
Aquele que comete um crime deve ser exemplarmente apenado. Seja quem for. E se reagir, como foi o caso, ele terá que ter em mente a consequência de tal ato.
Na hora de roubar e matar eles não têm pena de ninguém, mas quando eles são pegos viram "meninos" que não tiveram oportunidades. Ora, ora... isso já foi cansativamente demonstrado tratar-se de pura balela e discurso de quem quer fazer média.
A realidade é que esses assassinos são covardes e matam sem dó nem piedade. Não dando chance nenhuma de defesa as suas vítimas.
Vamos parar de hipocrisia, essa história de coitadinho, pobrezinho é para quem quer ser socialmente correto com a dor dos outros.
Bandido reagiu, bala nele!

Rosinh@ - Sou como você me vê. (C.L.) disse...

Eita, que vosmicês são todos uns agoniados, não tem insegurança, só a sensação dela, desde a época que o Almir queria voltar; ora é sensação de insegurança por conta da bandidagem, ora por conta dos nossos defensores, a briosa "puliça" já citada.

Anônimo disse...

Égua, Parente! Se os comentaristas sentassem à mesa para deliberar sobre segurança pública, aonde chegaríamos? Gente de peso e prestígio opinando: ex-deputado e deputado na ativa, professores e representantes do povo, e nem sequer uma lamparina para iluminar uma solução para o grave problema gerado pela insegurança. Triste Belém, Triste Brasil!

Cássio de Andrade disse...

Não, sr. anônimo das 4:44, não é "bala nele", é "prisão". Não confunda reação policial com extermínio. A Corregedoria irá sim investigar o que houve, pois do lado da versão da ação policial, há também uma mãe que tem o direito de apresentar sim sua versão e denunciar, inclusive a execução do padastro que, até prova em contrário não possuía relação direta com os prováveis criminosos mortos. Nenhum pai, por mais tortos que os filhos sejam, é obrigado também a ouvir de colegas de fardas absurdos. Por isso que eu digo, se é para advogar a tese do "esquadrão da morte", é bom também passar nas raves e ver o que os filhinhos da burguesia fazem para depois defender "extermínio de bandido". Não precisamos legitimar a anomia, nem a barbárie para cobrar segurança pública e cidadania. Enquanto isso, dois meninos pobres no Telégrafo foram atropelados por um médico bêbado e ninguém aqui manifestou solidariedade. Nem OAB, nem Sindicato de Médicos, nem D. Orani, nem o escambau. Assim é fácil cobrar segurança e cidadania.

Juvencio de Arruda disse...

Cássio, camarada, ja saiu o exame de dosagem alcóolica do médico?

Cássio de Andrade disse...

A questão é: dois garotos pobres foram atropelados por um médico no Telégrafo e ninguém prestou solidariedade. Se os garotos tivessem morto um médico, aí sim, haveria reação da classe formadora de opinião, Juvêncio.

Lafayette disse...

Sempre ele...

Acorda Amor
chico buarque
Composição: Leonel Paiva/Julinho da Adelaide (Chico Buarque)

Acorda amor
Eu tive um pesadelo agora
Sonhei que tinha gente lá fora
Batendo no portão, que aflição
Era a dura, numa muito escura viatura
Minha nossa santa criatura
Chame, chame, chame lá
Chame, chame o ladrão, chame o ladrão

Acorda amor
Não é mais pesadelo nada
Tem gente já no vão de escada
Fazendo confusão, que aflição
São os homens
E eu aqui parado de pijama
Eu não gosto de passar vexame
Chame, chame, chame
Chame o ladrão, chame o ladrão

Se eu demorar uns meses
Convém, às vezes, você sofrer
Mas depois de um ano eu não vindo
Ponha a roupa de domingo
E pode me esquecer

Acorda amor
Que o bicho é brabo e não sossega
Se você corre o bicho pega
Se fica não sei não
Atenção
Não demora
Dia desses chega a sua hora
Não discuta à toa não reclame
Clame, chame lá, chame, chame
Chame o ladrão, chame o ladrão, chame o ladrão
(Não esqueça a escova, o sabonete e o violão)

Juvencio de Arruda disse...

Antes de comentar, leia aqui:

http://quintaemenda.blogspot.com/2009/01/o-comentrio-esperado.html

Anônimo disse...

Se no Brasil a maioria dos políticos são corruptos e eles são a representação do povo, logo a maioria da população é corrupta. Do picolezeiro, ao peixeiro e ao senador. É corrupção vender picolé acima da tabela, é corrupção roubar no peso do peixe e é corrupção receber dinheiro de lobistas e governantes pra votar algo, ou deixar de votar algo. O montante é questão de oportunidade.
E se os juízes, jornalistas, médicos e policiais vem do povo, logo a maioria são corruptos. Aí é que a coisa complica. Pq se vc der o direito de definir quem é o bandido que deve morrer pra um grupo desses, qualquer grupo, vc vai tá dando direito de vida e de morte, tb, pra uma maioria corrupta. E se não gosto de ti por um motivo qualquer, por mais banal que seja, basta que eu chame um deles pra te matar, colocar uma muca de cocaína na tua mão e dizer que tu reagiste. Pronto, me vinguei de ti e ainda fui aplaudido. Enfim, o problema não tá no bandido que morreu pq reagiu e sim na possibilidade de dá carta branca pra matar pra um grupo representativo de nossa sociedade corrupta.
Ps1. Eu sei que vão dizer que estou generalizando, que não é bem assim. Mas então pq esse Brasil não vai pra frente? Pq os bons não denunciam os maus?

Ps2. Matematicamente, maioria é 50% + 1. Me indiquem 257 deputados federais honestos e eu mudo de opinião.

Alex Lacerda disse...

Juvêncio, você sabe que a muito tempo tenho clamado no deserto sobre o respeito as Leis, todas, pois ia e deu nisso, pessoas achando normal matar gente sem julgamento, pois como disse um comentarista, e se, como acontece inúmeras vezes, um dos "bandidos" for inocente ? Já vi isso acontecer com dois irmãos na Augusto Montenegro anos atrás, mortos por taxitas, e com um cara em Marituba, ano passado, que foi linchado por que era novo na área, e foi confundido com ladrão.Esses são apenas alguns casos que sei de erros de "julgamento" em linchamentos e execuções.
Mas entendo quem acha certo tais fatos, pois o MST invade e depedra, o Jader rouba, o Dudu tem a BA, o Coutinho ri de nós e fica tudo por isso mesmo.
Podem até achar que não tem nada a ver, mas tem, isso vai sendo incutido no inconsciente coletivo, até acharmos que lei não existe ou que podemos viver melhor sem ela.
Não é verdade, sem Lei para todos, não há Lei pra ninguém, nem cidadania ou direitos. Nem segurança.

Anônimo disse...

A barbárie que assola os espaços urbanos e que, cada vez mais engole a paz social, transformando-a numa paz de cemitério. E a brutal mazela diretamente proporcional ao aumento da desgraçada exclusão social. Graças à ganância de uma burguesia atrasada e reacionária; graças aos políticos coveiros-de-sonhos; graças à classe média míope que, mesmo lascada, continua metida a besta; graças a um prefeito burro e corrupto que não prioriza a educação infantil; graças a um governo estadual autista, que acha que vive num estado fantástico (ou pelo menos passa essa ideal propagandista).
O povo que incha periferia, violentado em seus direitos fundamentais, sem oportunidades, vivendo de assitencialismo e na fronteira com o crime, demanda uma juventude sem educação e emprego, embriagada pelas festas tecnomerdas, alienada por filmes enlatados de violência gratuita, entupido de propagandas idiotizadoras, refém dos lixos de consumo pirateado, alheio a banalização sexual e pela terrível sedução do tráfico. Ingredientes explosivos para uma vida bandida. Passaram a ter a necessidade de usufruir de bens de consumo e serviços, não tendo acesso, muitos passaram a usar de meios fraudulentos e violentos, daí surge o péssimo exemplo dado por alguns figurões institucionalizados e corruptos da high society nativa, que agora se acham os paladinos da moral e dos bons costumes. Mesma casta que apóia, mesmo que veladamente, o extermínio da raia miúda. Daí aplaudirem atos jagunceiros de parte de uma policia corrupta e desmoralizada como o que, provavelmente, aconteceu no último final de semana. Essa é a realidade nua e crua de uma sociedade sem referências de justiça e ética, apodrecida e com um futuro nebuloso.

Anônimo disse...

Parabéns a PM foi só um colega de farda ser morto pra sair caçando bandido, engraçado que quando matam o filho do Seu Zezinho da esquina eles não fazem absolutamente NADA!!!.
ABSURDO!!!!

Anônimo disse...

Juvêncio,
E fato que houve aumento da criminalidade, mais não lembro da manifestação da classe média e alta em relação a Eldorado de Carajás e tantos outros crimes que sem sombra de dúvidas são bem maiores do que os últimos ocorridos, VAMOS NOS UNIR SEMPRE PARA MANIFESTARMOS NOSSO REPÚDIO CONTRA A VIOLÊNCIA DE TODAS AS FORMAS!!!!!

José Carlos Lima disse...

Juca
É terrível tudo isso. A violência cometida por quem tem o dever é pago para manter a paz e a ordem. Quando Eu era deputado travei uma longa batalha contra o PATAM, até que se descobriu dentro da cooporação um grupo de extermínio, todos presos. Na época, descobriu-se os assinatos por causa de um roubo de bicicleta de um membro do PATAM. Eles pegaram o suspeito, levaram para mata do ICUI, mataram, depois colocaram pneus sobre o corpo e atearam fogo. O corpo foi carbonizado com excessão das mãos, que ficaram intactas para contar a história. Será que vai ser preciso outra tragédia dessa?

Renan disse...

Agora que a Rotam mata pobres a classe média a aplaude, mas logo que a mesma Rotam pegar um filinho de papai por engano e mandar chumbo vão reclamar pra quem? soltar esta besta fera pode custar muito caro à sociedade paraense. Quando a governadora vai se pronunciar e o mais importante substituir o comando da PM? uma reação dessas só ocorre porque a tropa não respeita o comando da instituição, talvez não aja mesmo comando.