15.1.09

Loco Por Ti

O Comitê de Defesa da Revolução, comandado pela ex deputada e professora Araceli Lemos (PSOL) reúne os amigos de Cuba amanhã, a partir das 19h, na estação Gasômetro do Parque da Residência.
A programação do encontro, extensa e variada, voce pode ler aqui, no blog do Alencar, em post que conclui alvissareiro:
Na parte, digamos, hidráulica, serão servidos mojito e ron añejo a la roca (legítimo Havana Club).

13 comentários:

Anônimo disse...

JUca, comite de defesa da Revolução Cubana , chega a a ser ridículo, o regime que levou Cuba ao Estado de miseria que se encontra não tem defesa. Falo isso a ti , por ter estado na ilha em abril/08 e por experiência própria e trendo vivido a realidade daquele povo na carn e enão em livros de brocura. Posso te dizer com a amsi absoluta certeza que em Cuba a população local é privada de tudo. A saúde motivo de grandes elogios em épocas passadas encontra-se sucateada, a educação é jurassíca, os novos modelos de ensino estão longa daquela ilha, sem se falar da habitação, transporte e alimentação que beira o abismo igualado ao da Somália. Essa foi a herança deixada por este regime que privilegia poucos apaniguados do governo e despreza a maioria do povo cubano. Hojew neme memso os politicos pobres de discurso e argumentos tem coragem de defendder esse estado de coisas. Admiro muito a exdeputrada Araceli uma guerreira na luta popular , contudo penso que o atrelamento ao regime cubano só faz mal a ela, acho que nem os intelectuais do tempo do Comandante Fidel negam minha argumentação. Porém, Obama esta ai e com ele deve vir uma abertura maior ao povo cubano e a oportunidade de conhecimento e beneficios que les nunca imaginariam existir em épocas passadas.

Abraço.
Lauro França.

Juvencio de Arruda disse...

Lauro, não sanciono a permanencia dos presos políticos do regime, e já escrevi isto aqui no blog.
Há muitos problemas em Cuba, mas vc exagera nas comparações.
Não é razoável colocar tudo no mesmo saco e negar a história da revolução, sua importância para a geopolítica das Américas e a fantástica cacapacidade do povo cubano em enfrentar as consequâncias do embargo americano e da queda do império soviético,quando o PIB da ilha caiu a 20%.
Eu vou lá.
Abs pra vc, Lauro.

PS= Tambem admiro a deputada.

Juvencio de Arruda disse...

Flores pra vc.

Lafayette disse...

Juva, é como sempre digo, ditador é ditador, mesmo que seja o do amor. rsrsrs.

É de se não concordar com as prisões políticas em Cuba, sempre.

Mas, porém, contudo, todavia, simplificar, como quer o Lauro, ao relacionar as dificuldades econômicas de Cuba com a sua revolução, é um chute nos culhões, como diria meu velho.

Lauro, façamos um exercício livre do pensar (vamos viajar! rsrsrs) e, de agora e para todo sempre, você morará vizinho, parede geminada, com o maior e mais poderoso produtor, agenciador, formentador de produtos e serviços de sua cidade, de seu país, de seu continente e do mundo.

Este vizinho quer (é vontade dele e pronto) deitar na alcova com tua mulher, criar teus filhos, dar o alimento que ele quiser aos teus filhos, dar a educação que ele quiser aos teus filhos.

E mais. determinar o que você vai ler nos jornais e revistas, o que você vai ver (inclusive o formato) na programação da televisão e do rádio.

E mais. Qual carro, celular, privada, relógio, tênis, bola, computador, barbeador, pasta de dente, dentadura, etc., e a marca, modelo e cor dos mesmos. Tudo é ele e é com ele, o teu Grande Irmão.

Tem mais. Ele quer definir o teu prefeito, o teu governador e o teu presidente. O teu vereador, o teu deputado e o teu senador.

Tem mais. Ele define que e quais remédios irás comprar, produzir, criar e tomar. Refrigerantes que vais beber, e até mesmo, onde, com que arranjo, e lugar irás colocar teus móveis e eletro-domésticos na tua casa, sendo que tais bens, também serão determinados por ele.

Você, para, pensa, pensa... vai morar um tempo na casa dele, do vizinho... para, pensa, pensa, e diz:

-Égua, tu é doido, da minha casa, da minha família e do meu querer, CUIDO EU!!! E vai te fuder vizinho!

Teu vizinho fica puto da vida. Que insolência! Diria aos amigos, também poderosos.

A partir de então, fudeu-se pra ti!

Teu vizinho corta tudo que ele - que bondoso! - estava te oferecendo por preço de pai pra filho querido.

Diz que: "quem comprar e/ou vender algo pra ele, tá arruinado comigo!". (ps.: não adianta o Jarbas escrever que bloqueio e embargo são coisas diferentes... é balela em frente à realidade).

E mais, ainda por cima, na parede colada, o vizinho coloca o filho, pestinha, pra tocar guitarra e bateria, cantar umas tranqueiras de músicas desafinadas até altas horas da madrugada! rsrsrs (sendo que, lá na tua casa, tem o que há de melhor em instrumentistas, e em voz!)

E tu lá... tenho que me virar... com o que me resta... minha casa, tão pequena, enquanto a casa do vizinho, enooorme... vou enfrentar... minha família não pode ser entregue, assim, de mão beijada para este porra!

À luta. David contra Golias. Minotauro contra o Chico Tripa.

Teu vizinho, inclusive, autoriza os seguranças a te matar. Pega o canto do teu terreno e diz que aquela ponta é dele, e pronto: "Qual'é, vai encarar?" pergunta pra ti, na frente de tuas crianças.

Cara, tu ficas procurando o que fazer. Inventas de um tudo pra tuas crianças, pra tua mulher. Queres vê-los bem, mas por ti, e não na dependência deste teu viznho canalha.

Teu vizinho faz mais. Diz que, teus filhos, presentes e o futuros, teus primos, tios, tias, amigos, quem for... se entrarem na casa dele: quanha casa, comida e roupa lavada, e mais, na hora, de imediato, ganha o direito (muito perseguido e querido por todo o resto do mundo) de usar o sobrenome do vizinho, o poderoso.

Etc., etc., etc., etc., etc., etc., etc., etc., etc., etc..

Tu não concordas com isso. Encontras umas pessoas, distantes, mas que naquele momento, dizem que irão te ajudar a enfrentar o vizinho. Acreditas por um momento. Te empolgas: -Pô, agora vou mostrar que ele não é o bam-bam-bam do bairro!

Depois, descobres que a máfia está em toda parte, e que este teu "amigo" distante, é, na verdade, tal-e-qual, ou como se diria lá pras bandas, ele é iscritinho, cagado-e-cuspido ao teu vizinho.

Teu vizinho, mais uma vez, diz: -Agora ele se ajoelha!

Que nada. Comes merda, mas tua honra e de tua família não está à venda.

Etc., etc., etc., etc., etc., etc., etc., etc., etc., etc..

Finalmente, estás pra morrer. Muitas noites sem sono. Muitos cigarros, carteiras e mais carteiras, e cachaça porque o topor lhe cai bem, as vezes.

E vem um cidadão, de longe, e só porque passou em frente a tua casa e a da do vizinho filho-da-puta.

Viu a casa dele uma jóia, seus filhos brincando, feliz, jogando nitendo e Banco Imobiliário (é certo que elas falavam "tipo assim", "tu visse", "tu vai" e não conseguiam identificar o seu próprio país em um atlas), e olhou pra tua... tinta descascando, antena quebrada, portão enferrujado e tuas crianças, até que bem, mas sem o Mario Bros na tela (se bem que elas alfabetizadas desde sempre, aliás, elas e todas as demais crianças, e com mestres e doutores à rôdo naquela casa).

Pois é, e só porque olhou, mas não viu, a situação presente, bate no teu portão e, apontando o dedo, diz que TU ÉS o culpado por tudo isso.

...é Juva, se não foi assim, é quase assim, na minha visão, é claro.

Anônimo disse...

Trocar a liberdade por educação e saúde é caro demais.
Não troco nem no "paredon".

Uma "cuba-libre com cueca-cuela" e pouco gelo por favor.

Lafayette disse...

A "questão de Cuba", renderia milhares e milhares de teses, teorias e idiotices mais. Não a estudo profundamente, portanto não tenho competência de ir mais adiante.

Mas, posso dizer, caro anônimo das 3:10PM que, o certo mesmo, é não ter nem que escolher, mas sim, ter, no mínimo, os três: liberdade, educação e saúde.

No Brasil, como temos a educação pública em petição de miséria, com professores lutando para ter um salário um pouco digno, a tal liberdade, bebida com "cuba libre e cueca-cuela", foi, a muito, pras'picas!

Anônimo disse...

Defender o regime de Fidel em Cuba é mesmo que enxugar gelo. Tentar dialogar então, com que tem uma ideologia simpática ao absurdos que aconteceram e acontecem - em nome de uma sociedade pseuda-socialista - na Terra dos irmãos Castro, é o mesmo que limpar carvão.
Cuba só será livre quando os ditadores, deixarem o povo escolher democraticamente seus representantes. E ter de volta os seus direitos de ir e vir e livre expressão, pra ficar no mínimo.
Quem já foi à Cuba e a viu e sentiu a real situação de seu povo. Revê imediatamente seus conceitos e ideologias passados e se arrepende de um dia ter defendido o indefensável.
Inclusive, recomendo que visitem os familiares dos boxeadores Guillermo Rigondeaux e Erislandy Lara, no Bairro de Marianao, - e sentirem nos olhos deles, o terror em cada lágrima e o medo no tremor das mãos - que foram extraditados pelo Itamaraty com o beneplácito do presidente, que hoje dão asilo "político" ao terrorista assassino confesso italiano, Cesare Battisti.
Quisera os cubanos pudessem ter a mesma condição e livre arbítrio de comemorarem algo ou alguma coisa em um ambiente como o Gasômetro que a r. deputada escolheu.
Oxalá um dia!

Cássio de Andrade disse...

Juvêncio, sei que és um democrata tolerante com os amigos, porém deverias ter mais cuidado em postar esses textos de baixo calão e alto teor ofensivo, quase sempre, fracos de argumentos. Lauro França poderia ter sido mais respeitado em seu anti-castrismo. Viva a Revolução, mas com respeito às divergências por mais reacionárias que sejam. Idiotizar o outro com metáforas infantis, não contribui em nada para a defesa de qualquer argumento. "Duro, mas suave", conforme o lema das dorotéias que a Aracelli conhece muito bem; ou em uma outra interpretação já batida: "endurecer, sem perder a ternura".

Anônimo disse...

Lafaiete a história que tu contas e bonita e boa de se ler nos livros ou em causus de bicho papão que alguns camaradas "rebeldes sem causa" te contaram. Porém , faz uma experiência vai viver com a tua família 01 ano em cada uma destas casas e depois me conta onde tu te sentistes melhor. É dificl ter liberdade quando nãos e tem o mínimo, o pão na mesa e a esperança de dias melhores acaba com qualquer arroubo de liberdade e paralisia de ficar numa praça horas ouvindo um discurso canalha do Comandante e chefe. 500 cubanos vão a olimpiadas e outras competições , metade não volta por que será?
Abraço amigo LAFA, eu me lembro de ti do moderno , tu eras só cabeça e vivias mexendo no cabelo parecia o Jonh Travolta epa lavou eu te ligar a um Yanke.Ainda jogas volei?
Lauro França.

Anônimo disse...

Revolução, ainda existe - ando atrás dessa moça desde os 14?
Que bom, minha vida não será em vão.
Vive le France!

Lafayette disse...

Um amigo conta que foi passar um mês em Cuba. Disse que queria ver esta tal de Cuba. Se era ou não boa, má. Queria conversar com os cubanos, frequentar as tabernas. Foi lá.

Muitas histórias de bicho papão e "infantis" ele me contou. Conto duas para você, mas só para você, caro amigo e democrático Juva.

Ao chegar na porta da pensão para mochileiro que iria se hospedar, viu uma passeata (parecia uma passeata). Era uma multidão, disse-me.

Perguntou, para uma das pessoas que ia na multidão, do que se tratava. Disse que era a morte de um professor. Meu amigo perguntou de que escola. O cidadão disse que não sabia, só sabia que o morto era um professor, e por isso, a multidão acompanhando o fétreo.

Noutra oportunidade, após perceber que todos, realmente todos com quem conversava tinha exata noção política, social, econômica, moral e cívica da situação de Cuba, fez a seguinte pergunta para um cubana, um senhora escolhida aleatoriamente na rua:

-Se a senhora pudesse sair daqui, levando sua família. Sair desta situação difícil, e ir morar no Brasil, a senhora iria?

-Não. Pelo menos aqui nós estamos indo para algum lugar. E quando o embargo cruel dos EUA acabar, estaremos preparados, com analfabetismo zero, educação superior de nível alto, com mestres e doutores, e mais, orgulhosos por não termos vendido a alma. Quanto a vocês...

Pronto Juva, mais umas histórinhas infantis para o arquivo.

Lafayette disse...

Ah, e mais um pouco de como a patativa canta, é só ler aqui:

http://paginacriticapara.blogspot.com/2009/01/guerra-que-d-lucro.html

senhor print Gostosim disse...

Esse Lauro deve ter esquecido o que o povo cubano vem sofrendo nesses 50 anso. Talvez nunca na história da humanidade um regime tenha vivenciado a uma prática imperialista tamanha.
Educação sucateada? Nada menos do que dois mil estudantes, inclusive brasileiros e europeus, estão estudando medicina naquele país.
A democratização cubana não pode ser feita de forma irresponsável, pois estudos comprovam que mais de 60% por cento dos países que tentaram se democratizar voltaram a ter ditaduras mais duras do que existiam no passado. Samuel Huntighton faz essa análise.
Democracia? O povo brasileiro é um dos mais anti-democráticos como revela uma pesquisa do instituito barometro latino-americano, o brasil ficaria a frante de apenas alguns países como paraguai e nicaragua. SErá que o povo cubano está insatisfeito com o atual regime? Caso for afirmativo, o povo cubano deve ter um posicionamento contrário ao regime socialista, como o povo brasileiro é contrário a democracia. Santas contradições né?