25.10.08

Presidente do Mundo

O site do The Economist abre a urna para o mundo inteiro.
No Brazil tá dando Obama. De capote.

3 comentários:

Alan Lemos disse...

Caro Juvêncio, uma vez aqui falamos sobre o percentual do quociente que os proporcionais têm de alcançar para serem eleitos, citamos até o exemplo dos deputados estaduais (20%~33%) e dos federais (50%~100%).

Se formos olhar, nas eleições "mais disputadas", os eleitos somam um percentual bem menor que em eleições "menos disputadas".

Para tu que entendes mais desta ciência: essa questão dos eleitos (ou primeiros lugares) somarem boa parte ou quase todos os votos (de uma dada coligação), como pode ser chamada? Uma macrocefalia eleitoral?

Tem muitos interiores por aí onde existe 9 vagas na câmara e só uns 20 candidatos disputaram: o eleito tinha de ter quase um quociente fechado... enquanto em outros municípios (maiores), o cidadão com meio quociente já era o mais votado geral (assim como em Belém).

Abraços

Raphael Teixeira disse...

Juca,to aqui buscando uma explicação pro Iraque (logo o Iraque!) ser o único reduto republicano no mundo pelos votos no economist: Só posso pensar que os votos anti-Obama veem de militares da direita americana que vivem os momentos mais importantes de suas vidas no país árabe. Foi a explicação imediatista que me ocorreu.

Juvencio de Arruda disse...

Alan, vou atrás de sua resposta.
Abs

Msc,é uma possibilidade. Eles devem ler os webjornais lá no Iraque, loucos pra voltar pra casa.
Abs