28.10.08

Rádio Rouca

A FUNTELPA quer que o veterano locutor, ator e professor Walter Bandeira, a voz número 1 do Pará, peça demissão.

32 comentários:

Pinky disse...

ué,pq? ele perdeu a voz?

Juvencio de Arruda disse...

A voz dele continua um veludo,Pinky. Mas não está havendo acordo em relação a carga horária do locutor.

Bia disse...

Coerente, querido, coerente. Para os ouvidos moucos do Governo, pra que uma voz tão bonita?

Beijão.

Anônimo disse...

O Walter Bandeira não precisa cumprir horário. Isso a voz dele já faz há muito tempo. E não pode parar, só por um daqueles caprichos de quem não é nada bacana. Veja só a que ponto chegamos por aquelas bandas: perseguição incansável a quem tem sua vida dedicada a cultura desse estado.
Um dia acabam com um programa. No outro com as pessoas. E já faz tempo que essa situação vem acontecendo. Será que todos vão continuar quietos, a exceção dos blogs?

Roberto Souza

Anônimo disse...

Medíocridade tomou conta da FUNTELPA. Hoje tanto a Rádio como a TV Cultura, estão desCULTURANDO o Pará.

Passo agora a usar o mesmo bordão tão batido pelo PT.

REGINA FORA JÁ.

Anônimo disse...

Gente, será que a direção da Funtelpa não tem ouvidos pra perceber que o Walter é o melhor, e único, locutor de verdade que a emissora tem hoje? É o único que tem , realmente, algo a dizer no ar?Só pra vocês terem uma idéia, no dia em que o Walter vai à emissora gravar ele grava um calhamaço de programas, e são muitos, viu? Em pouquíssimo tempo, porque é excelente locutor. Será que ainda não deu pra entender que uma empresa de comunicação não é um órgão burocrático, em que o importante é o cartão de ponto? O Walter é produtivo, sua voz está no ar, a voz cumpre todos horários e é isso que importa. A Cultura deveria se orgulhar de ter uma voz como a do Walter em seu dial. O Walter enriquece a freqüência dessa rádio que , hoje, está tão empobrecida.Walter, amorzinho, não ceda às pressões. Deixe que eles te demitam, se quiserem. Aí você entra na justiça e volta, linda, loura e japonesa, com essa bela voz que Deus lhe deu.

Anônimo disse...

A Regina, que era conhecida no meio jornalístico como Ré Bacana, está ganhando fácil, fácil, o titulo de pior presidente da Funtelpa.

Anônimo disse...

O Walter Bandeira deveria era ser mais valorizado. É a melhor voz que temos. Uma pena que a Funtelpa trate os nossos ícones dessa forma. Paci~encia: será isso cultura?

Anônimo disse...

Mas ele não é professor da UFPA?

Juvencio de Arruda disse...

É sim, das 9:10, mas não em regime de dedicação exclusiva.

André disse...

O Walter é "a voz", o boa praça, o amigo, a cara desta Belém e do Pará. Professor de duas gerações de gente boa que pontificam "pelaí" no cenário nacional e internacional. Correto e irreverente, não sei se sentirá falta da FUNTELPA, mas não resta dúvidas que a Cultura, latu sensu, ficará mais pobre. também não sei qual a querela, mas o Walter tem razão. Há que ter, até por respeito a décadas de serviços prestados.
André Costa Nunes

Juvencio de Arruda disse...

Oi, André.
Grande abs pra vc e bem vindo ao Quinta!

Juvencio de Arruda disse...

O comentário das 8:11 não será repetido.
Críticas, sim. Campanha, não.

Anônimo disse...

tudo bem, mas o comentário não parte da mesma pessoa. Não sou do PT nem nunca fui. Sou apartidário e fui demitido da funtelpa em condições extremamente injustas por essa gestão imcompetente e arrogante.

Não é campanha. É indignação.

Juvencio de Arruda disse...

Obrigado por sua compreensão.
Acredito em vc e respeito sua indignação.
Tenho interesse em abrigar as críticas, mas sem deixar que se faça campanhas por aqui.
Nem sempre consigo, mas tento. Espero que vc consiga repararos pela condição e que foi demitido.

Lafayette disse...

Êpa, o papai por aqui!

E ele sabe do que fala. Ele, mais uns outros, patrocinaram o primeiro show grande e divulgado do Walter, trocentos anos atrás (a mamãe ainda tem o ingresso/convite guardado).

Juvencio de Arruda disse...

rs... Blog pai, blog filho...eheh

Lafayette disse...

rsrsrsrs

Anônimo disse...

e eu que pensei que nunca sentiria saudades do Nélio Palheta e do Ney Messias!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Não é apenas na Funtelpa. Toda a área da cultura deste governo do PT é um fiasco. A situação da fundação Curro Velho, dizem, é risível. Colocam militante em cargo técnico que o sujeito não domina. A Secult não é diferente. Basta lembrar a Patrícia Gilhon como diretora cultural. E a Regina, na Funtelpa, realmente... Cadê o princípio da competência?

Anônimo disse...

Será que a governadora Ana Júlia sabe do que está aocnetecendo na Funtelpa?
Será que ela está sabendo dessa sacanagem com o grande Walter Bandeira?
Assim que souber irá, com certeza, tomar as devidas providências.
Afinal, esse Estado, Pará, é ou não é Terra de Direitos?

Rita de Cássia

Anônimo disse...

Queria compartilhar dessa discussão. Como é que um profissional como o Walter pode ficar batendo ponto e cumprindo carga horária? Que lógica é essa, meu deus??? Daqui a pouco os estagiários estarão apresentando os programas de tv e rádio na Funtelpa...

Danielle Redig disse...

Bobagem achar que "cumprir jornada de trabalho" é sinônimo de produtividade, competência ou compromisso...

Espero que a direção da Funtelpa mude de idéia em relação ao Walter e a tantos outros casos.

bjs Juca,

Anônimo disse...

Luluquefala:
Quer dizer que só porque o cara é bom de voz, ele não tem que cumprir carga horária ?
Assim, é moleza.
Se a moda pega...

Anônimo disse...

Ei, Lulu! Faz sinal pro bonde, tá pegando o bonde andando...o Walter é produtivo, cara! Reproduzo pra ti o post das 8:13, mas vê se lê até o fim, tá?
Anônimo disse...
Gente, será que a direção da Funtelpa não tem ouvidos pra perceber que o Walter é o melhor, e único, locutor de verdade que a emissora tem hoje? É o único que tem , realmente, algo a dizer no ar?Só pra vocês terem uma idéia, no dia em que o Walter vai à emissora gravar ele grava um calhamaço de programas, e são muitos, viu? Em pouquíssimo tempo, porque é excelente locutor. Será que ainda não deu pra entender que uma empresa de comunicação não é um órgão burocrático, em que o importante é o cartão de ponto? O Walter é produtivo, sua voz está no ar, a voz cumpre todos horários e é isso que importa. A Cultura deveria se orgulhar de ter uma voz como a do Walter em seu dial. O Walter enriquece a freqüência dessa rádio que , hoje, está tão empobrecida.Walter, amorzinho, não ceda às pressões. Deixe que eles te demitam, se quiserem. Aí você entra na justiça e volta, linda, loura e japonesa, com essa bela voz que Deus lhe deu.

Anônimo disse...

Anonimo das 6:02h, só para voce que a situaçao do Curro Velho é risivel, porque para servidores e instrutores é sofrivel! A missão da Fundação foi esquecida , as oficinas estão comprometidas e os instrutores ficam até três meses sem receber.
Quanto à Secult, tem gente do meio que está com saudade da antiga diretora de cultura, isso pode ser avaliado pelo nível dos eventos que caiu muito. Voce já viu o cara que assumiu no lugar dela...

Anônimo disse...

Que programas ele grava?

Só ouço a voz dele nas vinhetas

Lalá disse...

O caso do Walter é mais um entre tantos que que se repetem desde a entrada da gestão Regina Lima na Funtelpa.
Parece que a missão deles é promover a desvalorização de ótimos profissionais que estão, ou estavam, na Funtelpa contra a vontade desse governo. É uma espécie de terrorismo; menosprezam os serviços e talento de determinada pessoa até ela não aguentar mais e pedir demissão.
A Rádio Cultura está um horror. Tiraram do ar todos os excelentes programas que lá existiam e davam o diferencial à rádio. Deixaram o óbvio, o burocrático.
O portal Cultura, com uma equipe totalmente reduzida, já não tem mais capacidade de ter produção jornalística própria para publicar, nem estrutura para cobrir e transmitir eventos ao vivo como faziam. Hoje o material disponibilizado no Portal Cultura limita-se às notícias de agência de notícias, material jornalístico e coberturas copiadas da TV Cultura, que também já não tem uma produção local relevante. O Portal está inexpressivo, sem vida própria.
É muito triste pra mim ver tudo sendo destruído apenas por politicagem e mau gestão.
Quem trabalha lá já não tem o mesmo ânimo de antes. Lembro que na gestão passada tinha gente que prestava serviços de graça, sem ao menos ser funcionário, pelo simples prazer de ver que tudo estava acontecendo no cenário paraense cultural, seja na música ou nas artes em geral. Naquela época a música paraense teve um destaque nacional enorme graças aos incentivos e promoções vindos da Funtelpa.
Hoje, a classe artística está muito decepcionada, com estima baixa, pois não tem mais apoio desse órgão, pelo contrário, algumas vezes são até boicotados.
Salve Ney Messias, que sempre esteve ao lado da verdadeira "Cultura" paraense e por ela tem amor.
Concordo com o amigo que postou "Daqui a pouco os estagiários estarão apresentando os programas de tv e rádio na Funtelpa".
A Fultelpa vai fechar!!!!
O último que sair, por favor, apague a luz.

Cássio de Andrade disse...

Walter Bandeira é um profissional sério e valoriza com muita sinceridade sua competência. Ano passado, mediei, pela EGPA, que Walter ministrasse um curso de empostação de voz para servidores, mas ele foi muito justo e sincero, recusando ministrar por conta do valor da hora-aula considerado baixo pelo mesmo. Obviamente que agradeceu o convite e lamentou a recusa. Também lamentei, mas infelizmente, não se pode fugir dos valores estabelecidos no serviço público para determinadas funções e, claro, também em relação à carga horária. A hora-aula na EGPA segue a mesma tabela da Universidade para professores especialistas, mestres e doutores e não poderia abrir exceção. Um dia, quem sabe com folgas orçamentárias, poderemos contar com a colaboração desse grande profissional. Esse é um exemplo para que avaliem com cuidado essa questão. Não vou entrar no mérito das democráticas críticas - pelo menos as respeitosas - à programação e à gestão atual da FUNTELPA, mas não posso deixar de testemunhar a seriedade da Profª Regina no trato da coisa pública e reconheço as dificuldades da mesma em gestar uma fundação estatal nos rigores da burocracia pública. Tenho certeza que a solução será negociada e acordada da melhor forma possível, por se tratar de profissionais competentes e sinceros.

Juvencio de Arruda disse...

Cássio, vc está se tornando um comenatarista cardeal aqui do Quinta. E o governo deveria nomeá-lo embaixador da Funtelpa!
Regina é séria sim, mas atravessa dificudades. Também sérias.

Anônimo disse...

Olha, é o fim! Se a FUNTELPA não consegue reconhecer a competência do Walter Bandeira, é surda. Se não consegue perceber a bobagem que está fazendo, é cega. Agora, se não consegue sequer respeitar os direitos de um trabalhador e o pressiona para se demitir, para, assim, não indenizá-lo, aí o problema é muito mais sério. Será que a "terra de direitos" é só pra inglês ver?

Anônimo disse...

Anonimo das 6:02, pois fique sabendo que a Patricia Guilhon foi convidada pela Presidente da Funtelpa para assumir a Diretoria de Marketing, lá ficou por pouco mais de tres meses. A tirar pelos comentários e pelos últimos fatos que chegam a público, do acontece neste órgao, começo a achar que aquela é que estava certa.