27.4.08

Forum Midiático

De Lula, o intransitável em julgado.

O presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT-SP) criticou a "pirotecnia" que envolve o Caso Isabella e pediu cuidado no tratamento do assunto. Segundo ele, o caso está sendo comentado "24 horas por dia" e, com isso, o pai da menina, Alexandre Nardoni, 29, e a madrasta, Anna
Carolina Jatobá, 24, já foram condenados.

10 comentários:

Oliver disse...

Lula tem razão. Lembro do caso Escola Base em que a imprensa entrou em estado de histeria e destruiu a escola e a reputação dos proprietários com a acusação de que no local se molestava sexualmente crianças.
No final nada ficou provado e até hoje os acusados-vítimas consomem o que lhes resta de ânimo nos tribunais, processando jornais, rádios, etc, sem conseguir reparar a honra ultrajada.
Penso que deve haver limites nesse caso, especialmente para o compadrio estabelecido entre a polícia e a imprensa paulista, transformando o ambiente onde noticiam em verdadeiras sala do júri, com o vazamento e divulgação diário de informações sobre esse crime. Toda investigação, por princípio, requer reserva quanto aos dados que produz.

Juvencio de Arruda disse...

Bom dia, Oliver.

Oliver disse...

Bom dia, Juvêncio.

Anônimo disse...

Lula é um boquirroto que fala muita merda, mas nesse caso ele está coberto de razão. A imprensa está chafurdando no mais nojento sensacionalismo - vide a capa da Veja, o supra-sumo da canalhice. No caso da Escola Base, Oliver, ficou provado, sim, que tudo não passou de histeria de uma mãe, que o filho tinha problemas sanitários e não sofreu nenhum abuso. A histeria de uma mãe se justifica, o que não se justifica é a atitude criminosa de um delegado, de um promotor e de uma imprensa irresponsável.

Oliver disse...

É verdade, não lembrava, exatamente porque a imprensa que linchou a escola, os proprietários e professores não teve a hombridade de resgatar a honra dessas pessoas, arrasada pela irresponsabilidade jornalística. Daí porque um conselho nacional de ética para a imprensa higienizaria o setor de condutas danosas a boa prática profissional.

Juvencio de Arruda disse...

A idéia do conselho pode ser boa, Oliver, apesar dos limites e problemas que já ocorrem em outras corporações.
Aliás, assuntos relativos à liberdade de expressão e crimes de imprensa deveriam ser federalizados.
Há muito patifes - pessoas e empresas - abusando nessa área.
Não é o que tenho visto, entretanto, no caso da menina paulisa, onde a imprensa tem buscado todas - friso, todas -
as informações nos órgãos do estado, com base em perícias científicas.
Uma coisa é a exagerada publicidade sobre o caso, nada distoante da condenável espetacularização que caracteriza a cobertura midiática.
Outra, bem diferente, é a tentativa de impedir a circulação da informação e a transparência.
Os casos da escola Base e da menina Isabella, do ponto de vista da obtenção e da confiabilidade das informações são bastante diferentes.
Sugiro a leitura, a propósito, de dois ou tres posts de ontem e hoje no blog Espaço Aberto.

Bia disse...

Juca querido,

o presidente Lula está me dando trabalho aqui hoje... ou melhor, você e os posts sobre ele...rsrsrs..

Acho que faltou acrescentar nos comentários porque os casos de Isabella, assim como o do garotinho do Rio,João Hélio, há um ano, mobilizam tanto a imprensa.

Embora envolvendo crimes diferentes - o primeiro parece ter sido cometido no âmbito da família e o outro não - as vítimas são crianças bonitas, saudáveis, sorridentes, sempre chamadas de alegres, inteligentes, amorosas, filhos perfeitos da classe média.

Lamento pelas crianças e sua família - especialmente como avó de uma menina maravilhosa da idade de Isabella e nem sequer sou capaz de imaginar o que seria perde-la - mas lamento mais ainda que a cada caso como esse a hipocrisia da nossa sociedade nos salte na cara.

Não sei no momento os números, mas as estatísticas devem provar que dezenas de crianças estão sendo espancadas ou massacradas neste momento em que escrevo. A maioria vítima da violência doméstica. Outras, da violência das ruas.

Algumas morrerão nos pronto-socorros sem notificação de crime. Como talvez tivesse acontecido com Isabella, se morasse no Jardim Ângela. Ou aqui na Terra-Firme.

Quanto ao Presidente, que acha que pode emitir opiniões como quem está num churrasco no quintal de casa, e assim me permite achar o que bem entendo sobre o que ele comenta, preferia que opinasse sobre os recursos não aplicados no orçamento de 2007 nos programas de defesa da criança e adolescentes.

Beijão, querido.

Oliver disse...

A parte a teimosia da Bia em querer ouvir éditos do presidente - no mais um mortal, como qualquer outro - penso que estamos de acordo, cumpadi. Tua preocupação com a transparência é absolutamente pertinente, especialmente se vista a luz da responsabilidade de quem produz a informação. Está claro que entre a Escola Base e o Caso Isabela há diferenças ululantes (sorry, Bia, pélo prurido provocado), mas pelo modus operandi da imprensa não dá para ficar achando que navegamos em céu de brigadeiro.
Por fim, uma perguntinha a Bia: esclarecerias para este curioso, qual foi o corte do governo Lula na rubrica de proteção da integridade das crianças e adolescentes?
E, por fim, vou te tranquilizar quanto a capacidade dos profissionais de PS em identificar agressões a crianças, com a experiência de quem já dirigiu um: são bastante "safos". Bem lembro de um caso de agressão de um bebê, em que a mãe perfurou a "moleira" da criança com uma agulha, revelada apenas por um ferimento puntiforme (igual a uma picada de uma agulha de injeção), devidamente identificada pela equipe de atendimento. Não é caso de país do primeiro mundo não, levado a ficção no Law & Order; é em Belém do Pará, mesmo.

Bia disse...

Bom dia Juca querido e Oliver quase querido também:

1 - eu conheço belíssimas e competentes histórias sobre o esforço de médicos e assistentes sociais em desmontaar enredos de parentes que alegavam que a criança levou um tombo. Minha crítica não foi a esses profissioais dedicados. Mas, você há de aceitar que esse não é o padrão do atendimentonos postos e prontos socorros. Nem nas instituições prvadas. às vezes, por não ter qualificação, por desinteresse ou omissão, o "caso" fica sem registro.

2 - os recursos não uilizados nesse programa (é 0 0153) - eu não falei em corte, mas é a mesma coisa - em 2007 ficaram em 24%. Em 2008, tá pior: até o momento, do orçamento para esse programa foi utilizado 1,22%!

Se você quiser acompanhar, o site é o Contas Abertas (http://contasabertas.uol.com.br).

Quanto ao ululante, não "esquente": cabe certinho pro nosso moço: ele é a encarnação (ou re-?)do óbvio.

Abração, Oliver.

Beijão, Juca,

Anônimo disse...

Lula foi instado a opinar como chefe de Governo, pela imprensa, esta sim que a todo momento persegue algo para acrescentar ao caso.
Por favor vamos deixar que posturas adversas ao Presidente não tirem o foco do que está por trás, que é o sensacionalismo da imprensa, que já atirou 500 vezes aquela menina pela janela.