15.4.08

Imagem

Às vésperas de completar um terço do mandato, atravessa seu pior momento midiático o governo de Ana Julia Carepa e Jader Barbalho.

31 comentários:

Anônimo disse...

Será que não é ao contrário: governo de jáder barbalho e Ana Júlia Carepa ?

Anônimo disse...

Quanto tempo ainda vamos levar para entender o que é um ghoverno de coalizão?

Sem poder contar com o PSDB-DEM, como montar maioria no legislativo sem compor com o PMDB?

Se alguém tiver alguma resposta, por favor, disponibilize neste blog, tenho interesse em saber sobre estas questões.

Juvencio de Arruda disse...

Das 8:12, vc tem razão.
Daí os créditos, no post, à coalizão de governo, embora ela tenha começado nas eleições.

Anônimo disse...

Anônimo das 8:12
Infelizmente, os deputados do DEM votam sistematicamente com o governo Ana / Jáder.
Por que ? Só o G-10 pode responder...

Bia disse...

Bom dia, Juca querido:

O mau momento "midiático" deve-se às características intrínsecas ao governo. E à coalizão que fizeram mas que brincam de não levar a sério, como se alianças do tipo - ou qualquer uma - fossem apenas pra brincar de ganhar aleição e depois, bye..bye...

Ou quem sabe, à má publicidade. Mas não adianta trocar de agência se a propaganda reflete somente a má compreensão do mundo, da política, das prioridades. E até da coalizão!

Na publicidade sobre o “Pará, um estado de diretos” ou algo assim, somos remetidos à perspectiva de que com direitos garantidos seremos iguais aos países industrializados! Conceito conservador, burrice antiga. Quem sabe seremos muito felizes quando formos uma Coréia do Sul. Ou Taiwan. Ou a “novíssima” China.

Se com isso pretendem nos convencer de que países - ou estados - desenvolvidos são aqueles que "apenas" passaram da economia agrícola para a industrial, que chamem a Vale! Talvez Agnelli seja melhor nesse ramo do que Marcílio, Maurílio e Puty. A idéia é pobre, o conceito dúbio e a propaganda – ou publicidade? – chinfrim. E não sou eu que estou restringindo a propaganda. Ela é que nos restringe a essa imbecilidade. Ou foi proposital?

Outro exemplo: foi assinada pela SEDUC uma portaria "que estabelece que a partir de janeiro de 2009 as unidades de ensino do Estado registrem no ato da matricula os pré-nomes sociais de travestis e transexuais."

Li duas vezes a notícia. Fiz café, tomei, li novamente. E conclui que isso era reflexo da péssima idéia que esse governo faz de "direito". Brinca com coisa séria. Com boa ou má intenção, mas brinca. A boa intenção é ter isso como tentativa de combater a discriminação. A má é não esclarecer que ao permitir "magnanimamente" que um nome escolhido seja usado para a matrícula é inócuo, na medida em que uma portaria da SEDUC não altera o código civil. É criar falsas ilusões. O certificado de conclusão de curso vai sair com que nome?

Quero saber também se um garoto quilombola que é conhecido como Foguete vai poder matricular-se com esse apelido? É direito para todos? Ou a portaria é apenas graciosa para angariar simpatias no movimento GLBT’s? (aliás, fico surpresa de como essa sigla aumenta a cada dia...)

Você sabe que meu comentário não está embrulhado em preconceito. Está embrulhado num profundo desânimo por ser cidadã de um estado onde esse grupo que não que respeita a si mesmo, não respeita aliados e brinca com lutas e conceitos, nunca teve um projeto de estado. Tem um arremedo de projeto de poder, esgarçado pela própria incúria e irresponsabilidade.

Paraoapebas? Perfeito exemplo da conjunção municipal, estadual, federal, da irresponsabilidade de "lideraças", do real desespero dos que não têm mais muito a perder e da ganacia e calhordide empresarial. Quem sabe aquela que vai nos levar ao industrializado Pará dos direitos.

Vão sem mim. Eu fico por aqui.

PS: Não. Não tenho nenhuma sugestão para corrigir a peça publicitária. Não é o meu ramo.

PS2: os 36 países industrializados que assinaram o protocolo de Kyoto – menos o Grande Irmão do Norte que sozinho responde por 40% - são responsáveis por cerca de 70% das emissões de gases-estufa no mundo. Quem sabe a meta é sermos o 37º “país”...rsrsrs.. As madeireiras irregulares já contribuem bastante para isso. E avançaram nesse aprimoramento na gestão de Marcílio no IBAMA até que agora, nesse fantástico 2008, eles "descobriram" a atividade madeireira ilegal!

Beijão.

Anônimo disse...

Bom dia, concordo tbm com o das 8:12, vivemos numa democracia, ninguem tem poderes absoluto e o executivo precisa do legislativo, so que a Gov. nao pode ficar refem de tanata gente incompetente ao seu lado.

Anônimo disse...

Cadê os intelectualoides do PT? Os Estrategistas da revolução? kakakak

Anônimo disse...

Algumas pessoas tentam justificar o mau caratismo político de suas preferências através do burocratismo profissional, o qual geralmente estão incorporados ou talvez por não ter o que falar. Que tal começarmos uma campanha contra a obrigatoriedade do voto, pra colocar um ponto final nessa estória de bolsa, cesta básica pra lá, pra cá. Será que os políticos tem coragem?????

Anônimo disse...

O grande problema da mídia é o o PT, em todos on cantos do planeta há coligação, somente o PT não pode fazer, no final de 2006 terminou um governo que era uma coligação de 16 partiddos, isso pode, é natural, é ético,etc....

Anônimo disse...

Concordo Juca. A entrevista do bispo do Marajó, hoje, me deu uma "sensação" de insegurança. Uma impressão de "tá tudo dominado". Um "quê" de desgoverno. E olha que a questão da segurança era (ainda é?!) prioridade.

Anônimo disse...

Temo pelo futuro desse governo, que caracterizo por sem alma. Até agora não conseguiu constituir-se enquanto governo e tropeça em seus próprios erros. Refém de seus próprios aliados na ALEPA e sabotado pela mídia, inclusive a "aliada" dos MCM do PMDB.
A única saída honrosa para o PT seria constituir um campo das esquerdas. Para isso, seria muito importante descer do patamar de governo hegemônico, bem caracterizado pelas últimas mexidas no alto escalão palaciano, cujo resultado sintomático foi a condução de Cláudio Puty à Casa Civil.
A saída para este governo sem alma seria uma aproximação com a esquerda amazônica. Sinalizações a um possivel apoio ao ex-prefeito Edmilson Rodrigues assumiria grande importância no atual momento e uma possível compensação na reeleição de Ana Júlia.
Juca é isso.
Grande Abraço.
Satchel Paige

Juvencio de Arruda disse...

Doctor Paige.
Ao perceber a "sabotagem" da mídia peemedebista ao governo estadual, que ainda não se mostrou por inteiro - senão em notinhas cifradas sobre o envolvimento do PT em corrupção, descrição de cenários sombrios para o novo chefe da Casa Civil e outros quetais - vc percebe a tentativa do blog de mostrar aos leitores que esté governo é uma coalizão, e à ela deve ser debitada a conta dos resultados e da eficácia da gestão.
Parce óbvio para nos, e para quem milita , gosta, estuda ou vive a política.
Mas pra patuléia nao!
Ela tem dificuldades de perceber a a digital peemedebista no governo, e o PMDB, como sempre, joga em todas as frentes.
Neste caso, contra o governo ao qual é coligado, deixando a governadora e o PT sozinhos nisto que chamei, eufemísticamente, de momento midiático...rs.
O G-10 também!
Nõ há uma só alma hoje que não esteja preocupada com o futuro do governo.
Falando nela, penso que representa o corpo todo,inclusive e principalmente ( do ponto de vista eleitoral)a base.
Isto quer dizer: se a cabeça preferir ficar sem alma, o corpo não lhe seguirá.
Prova-o - e concordam meus colegas de mestrado na hora do recreio - a discrepância entre os simpatizantes do PT (15%) e os eleitores dos nomes sugeridos nas sondagens ( 4%).
Pra finalizar, uma pergunta: que possível garantia para 2010 daria Edmilson em retribuição à uma possível sinalizaçao do PT?
E porque ele faria um acordo "por cima" se já aparenta "ter feito por baixo"?...rs

Grande abraço prá vc.

Anônimo disse...

A quem veja as digitais do governo estadual na possivel candidatura do senador José Nery(PSOL) a prefeitura de Abaetetuba .Dessa forma Ana Júlia contribuiria com o presidente Lula, tirando um oposicionista e colocando um governista. Para quem não sabe, o suplente do senador Nery, ja esta no aquecimento.

O futuro senador Michel Dib Tachy(PR) atual Diretor de Infra-Estrutura Aquaviária do Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes-DNIT- MT. Aguarda ancioso o lançamento da candidatura de José Nery.

Anônimo disse...

E o que é "melhor": a solução para isso será, ao invés de incrementar a área de gestão das políticas de governo, incrementando DE FATO as políticas públicas marromenos mudancistas prometidas (trazendo quem sabe a Esther para a SEPLAN ou SEGOV), repito, a solução será imitar o Hugo Chávez. Tudo isso sem preparar a conjuntura, o partido e a governadora diga-se de passagem (que nunca foi lá sujeita às esquerdices). O resultado isso: o maior sistema de mensalão já montado no Pará após o fracasso do "cavalo-de-pau". O problema não é ser de esquerda, é achar que pode ser de vez em quando e de quando em vez. Como a DS não debateu a estratégia nem ddurante a campanha e nem no início do governo, a conta vai cair mesmo no Soriano. E anotem aí: ele começa no Pará o fim da sua (sempre decadente) carreira política.

Anônimo disse...

Não sou filiado a partido a, b, c ou d, mas não posso ser injusto com a governadora Ana Julia e imputar-lhe, e a seus auxiliares, todas as deficiências e mazelas de nosso querido Estado do Pará. Durante os governos anteriores, inclusive o segundo do Jader, houve uma histórica e sintomática despreocupação com as questões sociais, coisa que o atual governo se preocupa. Um pouco ainda reconheço, mas mais do que todos os antecedentes, haja vista o Bolsa Trabalho, Bolsa Talento (ou Bolsa Atleta), pensão para as viúvas das vítimas do massacre de Eldorado dos Carajás e outros.

Vejo hoje a imprensa, nariguda e sobrancelhuda, como diz o Juca, “pintar” de negro a atual gestão. Para O Liberal, só existe boa gestão na prefeitura de Belém. É uma raridade alguma notícia contra o Duciomar. Já em relação a Ana Julia, todo dia, ambos, soltam suas farpas e críticas. Não me lembro de ter lido alguma crítica, ou ironia ácida no Repórter 70, contra as administrações de Almir Gabriel e Simão Jatene. Naquela época, o jornal tinha como seu alvo, Edmilson Rodrigues. Durante os 8 anos do PT na PMB, foi sistemática a perseguição da imprensa, notadamente a folha dos Maiorana, que recebiam uma “mesada” da Funtelpa no valor de R$ 460 mil reais, todo santo mês.

Hoje temos os blogs que nos ajudam na exteriorização de nossa indignação na demora da solução dos problemas pelo atual governo, mas esquecemos que nunca fizemos críticas contra as incompetencias, desonestidades e omissões no passado recente.

Tivemos centenas de milhões de reais de recursos públicos, desviados por quadrilhas especializadas em dilapidar o erário, vide a mais famosa de todas, formada pelos capos, Marcelo Gabriel e Chico Ferreira. Esquecemos também a prisão do senador Flexa Ribeiro, integrante de forte esquema de corrupção no Amapá. E a gestão criminosa, diria, do outro senador, Mário Couto, que implantou uma “lavanderia” na ALEPA, onde foram desviados mais de 30 milhões de reais na sua gestão. Só em farinha de tapioca foi 2,5 milhões em apenas 2 anos.

Há de se criticar, mas o bom senso tem que prevalecer na análise da atual gestão, que herdou uma esrtutura de serviços e orgãos públicos em frangalhos e sucateadas. Uma dívida de 360 milhões de reais do ex-governador que não deixou recursos em caixa. Somente no Igeprev, órgão previdenciário estadual, foram mais de 50 milhões em precatórios não pagos.

Calma gente, guardem suas facas, como diz Saulo Ramos e deixem a mulher trabalhar...

Anônimo disse...

Juvencio,

A construção de coalizões são necessárias em praticamente todos os gov. estaduais e municipais deste país. Sem esse recurso político a perspectiva de governabilidade fica seriamente comprometida.

Ocorre que a nossa democracia e recente e dispomos, ainda, de uma experiência não muito elaborada no desenvolvimento de institucionalidades capazes de constituir e sustentar esses arranjos políticos.

Isso acaba por gerar condutas, por exemplo, do tipo: comandos sobre recursos orçamentários são compartilhados pelos memebros da coalizaão, mas as crises de governança (gestão de políticas públicas) são tratadas como de exclusiva responsabilidade do partido majoritário.

Em síntese, penso que os acadêmicos, os analistas políticos, os parlamentares e demais interessados na gestão governamental precisam considerar e atribuir bonus e cobrar responsabilidades a coalizões governamentais e não apenas ao partido A, ao grupo a1 ou - o que seria o absurdo da política - atribuir um padrão de conduta da gestão governamental a um indívíduo (por mais importante que seja ou por mais receio que desperte naqueles interessados no jogo político eleitoral futuro).

Minha formação política é muito limitada, talvéz esteja falando bobagens, mas gostaria de provocar um pouco os frequentadores deste blog de modo que esse tema possa ser analisado com mais atenção.

Coalizões, como constituí-las e sustentá-las segundo as regras da boa governança/governabilidade repúblicana?

Prof. Ludovico

Juvencio de Arruda disse...

Facas à parte, Flexa não foi pronunciado no inquérito daquela operação da PF em que foi preso, e não prosperaram as denúncias dessa "lavanderia" de 30 milhões de que vc aponta na gestão de Tapiocouto na AL.
Só na farinha de tapioca apareceram umas notas fiscais, pelas mãos da deputada Regina barata,que nunca mais falou sobre isso.
Um último reparo: quadrilhas especializadas continuam assaltando os cofres públicos.
Vc não lê nos blogs e jornais?

Juvencio de Arruda disse...

Prof. prazer em revê-lo por aqui.
Seus conhecimentos de política não são limitados,quanta modéstia, e é exatamente a distribuição de responsabilidades e compromissos pela coalizão que meu comentário das 1:23 explicita o que está insinuado no post.
E vc aponta uma questão que não está colocada, nem no post nem no meu comentário das 1:23, pela minha descrença da possibilidade de que venha a ser instalada uma governnça republicana, com base na Ética Pública, neste estado e neste país.
Não antes de um sacolejo maior, que muitos acadêmicos visualizam para não muito longe.
Obrigado pela visita.

lia disse...

Então 3:26, creio que as críticas e manifestações de indignação que vc vê hoje, em lugares como esse espaço, contra a atual gestão estadual, não se deu em gestões anteriores porque "nunca antes na história do Pará" se viu um caos absurdamente crescente como estamos presenciando atualmente.
Convenhamos, falta boi, a saúde está cada dia pior [a Santa Casa que foi hospital de referência, hoje está em estado de emergência], a educação nen sem fala [falta carteiras, escolas não funcionam], o MST age absolutamente incontrolável em todo o estado, a violência contra crianças e adolescentes está crescendo a passos largos, entre muitas outras coisas que estão acontecendo debaixo de nossos narizes... Lamento imensamente caríssimo, mas tudo isso é fato.
Lia

Bia disse...

Ao Anônimo das 3:26

pintar de negro qualque coisa para indicar que ela é ruim é uma expressão que devemos extirpar da língua portuguêsa, para contribuir com o combate ao racismo e à discriminação. Assim como "denegrir".

Livre-se do dr. Saulo Ramos como guru.

A "herança maldita" não explica a errática trajetória do governo nas suas (in)decisões.

Abraços.

Beijão, Juca

Anônimo disse...

Vigilante- Querida das 5:34, não posso deixar de apreciar situações de mídia no Pará. Mas é fundamental refletir alguns aspectos que passam despercebido de todos nós. Mas como sou um vigilante não poderia deixar passar batido. Ex: A maioria dos presos e delinquentes em nosso estado - cerca de 75% (principalmente nas grandes cidades) tem em torno de 16 e 24 anos. Isso não pode ser culpa da atual administração, mas de uma série de fatores dos governos anteriores que em 12 anos deixaram políticas sociais e educacionais descobertas. Nesse vácuo, os traficantes adotaram sua posição e espalharam drogas (de todas as marcas) aos jovens. E o resultado é trágico. Quem quiser constatar é só ir até o Jurunas, Terra Firme, Benguí, Guamá etc. Os jovens de classe média e alta vão às bocas em seus carros e compram diretamente (Têm dinheiro), os jovens e garotos da periferia atacam, matam para comprar e pagar suas dívidas junto aos traficantes, que não têm pena de ninguém. Culpa de quem ? De todos. Da família e Até da igreja, que deixou todos desprotegidos. Culpar um governo com 16 meses de administração é querer não ver a situação atual de insegurança. Mas ainda há tempo para consertar, pelo menos em médio prazo. Basta juntar forças Governo, Famílias, Associações (empresarias também, Igrejas (todas as seitas) para expurgar o tráfico que parece estar ganhando a situação na mídia, e esmorecendo a sociedade. Avante.

Anônimo disse...

Vc está corretíssimo 6:46, não se poderia simplesmente culpar um governo de "apenas" 16 meses, se esse governo não fosse a oposição que a 16 meses atrás dizia que a insegurança em nosso estado "é uma questão de vontade política".Seguindo esse raciocínio, que não é meu, parece que está faltando a tal da "vontade política" pra Ana Júlia começar seu mandato como governadora.

Anônimo disse...

Juvencio,
com sua licença e de seus colegas de mestrado, o obstáculo central, irremovivel, é que a sra. Ana Julia, autora de carreira fulgurante sem efetivamente ter deixado rastro por onde passou, não possuir estatura, experiência, conhecimentos para governar um estado farto de complexidades, dimensões e aspirações como o nosso.

JUNIOR disse...

Amigo Juca em primeiro lugar peço desculpas a você por não ter retornado com as informações no tempo que você me ofertou aqui no Blog,tive problemas no domingo de caratér particular e aproveitei a sengunda para apurar melhor a informação que vou lhe repassar agora aproveitando esta pauta:realmente esta assenção de Puty á casa civil deve atingir sim a sussessão do Reitor da UFPA,se não vejamos os fatos:Edilza Fontes que terá sua influência reduzida no gov. deve fortalecer seu grupo e sua candidata a sussessão do Dr.Alex por outro lado Puty depois de arrumar a casa deve seguir rumo ao Reitor para negociar a eleição dentro da UFPA com uma candidatura que agrade gregos e troianos ou melhor palacianos,e ai a professora Bila será a ungida negociadora deste acordo.Só que o candidato que hoje demonstra folego a olhos visto não é simpatico a nenhum desses lados que eu lhe mostrei,portanto o Reitor terá que demonstrar que ainda controla a engenharia politica dentro da academia,pois pude apurar também que grandes lideranças que foram no passado ligados ao Dr.Alex ja estariam cooptados por este candidato.Acredito ter neste momento esclarecido parte desta novela que ainda terá muitos capitulos a serem vividos na nossa amada UFPA,espero sua compreenção.

Juvencio de Arruda disse...

Das 9:00, vc tem toda a licença. Somos apenas estudantes.

Juvencio de Arruda disse...

Amigo Júnior, obrigado pelo seu retorno. Talvez tenha entendido mal seu comentário anterior, e peço-lhe desculpas por isso.
Mas vamos lá.

A professora Edilza Fontes, notório graben da adminstração petista, não tem a mais tênue densidade política para entrar num processo eleitoral que já começou. Quem sabe mais prá frente, nunca se sabe.

Acho que uma das maniffestações do amadurecimento da UFPA- que vem de antes do prof. Alex mas ele a consolidou - é sua independência do peso das legendas partidárias.
A UFPA á autônoma também deste ponto de vista.

O secretário Puty tem muito trabalho em setores onde, pelo seu cargo, pode influir alguma coisa. Deve se preocupar com isso, e não com a UFPA, onde não tem ingerência alguma.

A profa. Bila, por seu turno, tem uma difícil missão à frente da Seduc, e vai enfentar muitos problemas nos próximos meses, dentro do partido, e do governo, pois terá que consertar uma série de malinagens ali perpetradas.

Quem faz, ou tenta fazer algum tipo de articulação dentro da UFPA é o secretário de Formação Bruta de Capital Fixo, aliás Ciência e Tecnologia, Maurílio Monteiro.
Mas ele começou mal o processo, e acho que não vai melhorar.
A esse respeito, Junior, veja este post do Quinta Emenda:
http://quintaemenda.blogspot.com/search?q=Hierarcas%2C+Ci%C3%AAncia+e+Educa%C3%A7%C3%A3o

Continuando,não há candidatos que demonstrem fôlego fora do normal a ponto de, como vc diz,atraírem eleitores que foram próximos do prof. Alex.

Também não vejo nenhuma obrigação do prof Alex em fazer uma engenharia política para vencer a eleição.
Ele tem a obrigação de presidi-la como conduziu seus mandatos: com isenção e respeito aos concorrentes e adversários, mediante regras estabelecidas antecipadamente e ungidas no CONSUN, bastante claras e transparentes, de forma a não conduzir o processo a um desfecho semelhante ao da UEPA.
Tenho certeza que o fará.

Vamos conversando,Junior, pois como vc diz, ainda temos muita água pela frente.
Espero,também, sua compreensão.

11:11 PM

Anônimo disse...

Malinagens ali perpetradas. Aonde, na SEDUC.
Quem fez tais malinagens.
Será que foi seu antecessor, como este quer ser prefeito, com tantas malinagens.
Perguntas e mais perguntas.

JUNIOR disse...

Caro Juca obrigado pelo entendimento voltaremos a conversar sobre este assunto mais para frente prometo a você,voltando a pauta principal e depois de ler todas essas opiniões tenho uma questão que gostaria de dividir com você,seus leitores e seus colegas de mestrado,o tema para efeito de debate seria oseguinte:que nominativa você daria para o atual governo(proguesista,esquerdista,funcional democratico ou a hegemonia das classes CeD no poder)qual a sua opinião.

Anônimo disse...

Ainda estão nessa de enquadrar categorias classificatórias? Coisa mais demodé. Ressuscitaram Décio Saes? Ninguém faz mais isso...

Anônimo disse...

Juca,

Em relação a "lavagem" na ALEPA, o que houve é que o presidente Jusenil fez acordo com o Tapiocouto e segurou, engavetou, o requerimento da lutadora deputada Regina Barata e, de acordo com o Regimento Interno da AL nada é despachado sem autorização do seu presidente.

O que fazer?

A AL, por acordo político, segura o requerimento.

O MP, por qualquer denuncia abre inquérito ou procedimento administrativo ( no episódio do Banco do Cidadão, onde desviaram 10 mil reais, isso mesmo, apenas dez mil reais, o inquérito já está até concluido) mas, nesse caso da roubalheira na AL (onde roubaram 30 mihões), o MP faz cara de paisagem.

O TCE a quem compete julgar o uso de recursos públicos, com seu silencio diz: "to nem ai".

Por isso, pra mim, todos são culpados, e não me venham atribuir os problemas somente ao atual governo. Ponto final

Juvencio de Arruda disse...

Ao anônimo apressado que teve seu comentário recusado: a Bia não é casada, portanto não tem marido funcionário da municipalidade.