2.4.08

Na Quadratura do Círculo

Uma análise sobre a nomeação do novo desembargador Leonam Cruz Jr., por Lucio Flavio Pinto, na edição online do Estado do Tapajós, ajuda a entender os critérios de escolha dos membros do Judiciário pelo Executivo, e acaba por jogar luzes sobre a tranquilidade da maioria dos desembargadores em sequer determinar a abertura de processo contra a juíza do caso de Abaetetuba.

6 comentários:

JUNIOR disse...

Juca neste caso tenho que discordar do meu amigo Lucio Flavio,conheceu o Dr.Leonam Cruz Jr. e sei de sua dedicação a advocacia da nossa terra é um profissional que sempre viveu de sua banca de advogado portanto tenho a certeza que dessa vez ganhou o poder judiciario e a sociedade paraense. Ps:houveram dois Desembargadores nomeados por interferência politica do Dep.Nilsom Pinto no tempo do Gov.Almir Gabriel,só para efeito de reavivar a lembrança de lucio flavio.

Anônimo disse...

ô de cima, o lúcio sabe de que fala, a sua análise é primorosa para descrever como funcionam as nossas pretensas elites numa espécie de birra que quem se lasca é o cidadão e o contribuinte
o novo desembargador é azarão sim, levou onze votações para obter o desembargo
triste tje triste pará
triste paissandu (ops....)

Anônimo disse...

HOUVE é o tempo certo para pararmos de falar por mercenários.
RicardoCL

Anônimo disse...

Pelo menos a panelinha da OAB não funcionou.Edilson Dantas foi reprovado, ponto para todos nós advogados.

Anônimo disse...

O ideal para o Tribunal é alguém técnico que decida baseado em seu entendimento jurídico, sem estar atrelado a partidos políticos.As brigas políticas internas das instituições de classe não interessam. Errado a meu ver é ter que submeter aos governadores os nomes das vagas relativas ao MP e OAB. Resquícios dos governos militares, onde o executivo decidia os nomes até das vagas dos magistrados de carreira.

Anônimo disse...

Para somar ao anônimo da 2:14PM,PELO MENOS A PANELINHA DA OAB NÃO FUNCIONOU:HAROLDO E ANA BARATA.