30.5.08

Maggi Fala pelos Governadores

A escolha do governador Blairo Maggi, do Mato Grosso, para falar em nome de seus pares logo mais no Hangar, demonstra a real intenção de Suas Excias na questão ambiental da Amazonia, todos comprometidos, em maior em menor grau, com a predação e a criminalidade.
A governadora paroara, que vai falar na condição de anfitriã, pode fazer a diferença.
A conferir.

8 comentários:

Anônimo disse...

E os kaiapós, não irão abrilhantar a festa portando os famosos facões-"cerimonialistas-cenográficos-pirotécnicos"?

Anônimo disse...

Espero que a governadora, como anfitriã do presidente da república, se saia melhor que seu representante, Maurílio Monteiro, na festa em homenagem ao presidente da Vale, ontem a noite. A festa da FIEPA, aliás, foi a festa dos fiascos, tantas foram as gafes cometidas.
Prá começar, faltou energia para o teclado que acompanhava a execução do hino nacional; talvez por isso, o nervosismo tomou conta da cantora lírica Márcia Aliverti, que errou a letra do hino; o agraciado, chamado solenemente de "agradeciado" pelo presidente da FIEPA, levantou antes da hora, pagou o mico, e teve que voltar para o seu lugar. O garçom que, serelepe, servia a mesa das autoridades enquanto se arrastavam os discursos, errou o passou, tropeçou e... pimba!!! jogou doze copos d'agua gelada nas costas do deputado federal Asdrubal Bentes, que acordou no susto, foi socorrido pelos colegas de mesa e manteve seu posto, já de mangas de camisa, até o final da solenidade. O final, aliás, demorou muito. Tanto que Fernando Yamada, não resistindo ao xaroposo discurso lido com absoluto desinteresse pelo prefeito Dudu, pregou os olhos mais ainda e dormiu a sono solto. Não acordou nem com os devaneios do Senador Flexa Ribeiro, que começo lendo, empolgou-se e partiu para um imprvosiso horrível, sem rumo e quase interminável.
Pior do que ele só o Maurílio, que se esqueceu de que o homenageado com a medalha do mérito industrial era o Roger Agelli, e falou, aos gaguejos, por mais de 45 minutos, sobre as proezas da governadora Ana Júlia e a tal da formação fixa de capital bruto ou formação bruta de capital fixo ou sei lá o que.
A platéia, já mais irritada do que sonolenta, murmurava baixinho, de ódio "Ana Júlia Jatobá, a madrasta do Pará".
A coisa só terminou quando Márcia Aliverti, irritada mais uma vez com a total incompatibilidade de gênios entre o teclado e a energia elétrica, dispensou o auxílio e cantou sozinha, dessa vez corretamente, o hino do Pará.
Todos suspiraram aliviados, deram graças a Deus e se mandaram para enfrentar o buffet da Pomme D'or, que, afinal, foi a única coisa que prestou na festa.

Juvencio de Arruda disse...

Obrigado pelo minucioso relato do evento da Fiepa.

Anônimo disse...

Pôxa das 3h30, todo esse discurso para vender o pomme d'or. Vc é da gula ?? ou Gullas ??

Anônimo disse...

O GARÇOM QUE "ASSINOU" AS COSTAS DO ASDRUBAL BENTES É DO CASTING DO POMME D`OR.

Anônimo disse...

Uma sugestão para o QUINTA a partir do relato delicioso da festa do "Pará é da Vale". Uma seção "Comes e Bebes", ou outro nome, com relatos desse tipo. Vai ser sucesso.

Juvencio de Arruda disse...

rs...Anotada a sua sugestão.

Anônimo disse...

Luluquefala:
A figura mais feliz da noite,Valéria Pires Franco, não estava lá.
Foi convidada, mas preferiu comemorar as boas notícias do dia bem longe dali,nos 97 anos do seu avô, ao lado da sua família.