20.5.08

Um Esqueleto Vai Pro Armário

Em 1991, o deputado federal Jader Barbalho era governador do Estado do Pará. Luís Otávio Campos, o Pepeca, era na época o principal executivo do grupo Alfredo Cabral, que explorava comercialmente várias linhas de transporte rodofluvial na Amazônia através das empresas Rodomar, Alfredo Cabral Navegação e Rodofluvial São Jorge.
Posteriormente, Campos viria a ser vereador, deputado estadual (nesta condição, inclusive, presidente da Assembléia Legislativa) e senador - o senador do governador, na propaganda da campanha de reeleição de Almir Gabriel, em 1998.
Em maio de 1991, porém, Pepeca sofreu um dos mais duros golpes de sua vida pública: a Administração Estadual declarou a nulidade dos contratos de concessão das travessias feitas pelas balsas da Rodomar e demais empresas do grupo Alfredo Cabral e ocupou, manu militari, as instalações da empresa para impedir a continuidade da prestação de serviços. Na ocasião, Luís Otávio chegou a ser preso.
A declaração de nulidade, precedida de processo administrativo, reconheceu não ter havido a necessária licitação, constitucionalmente exigida, para a assinatura dos contratos de concessão. As atividades do grupo só foram retomadas dois anos depois, com a concessão de mandado de segurança pelo Tribunal de Justiça do Estado.
Em mais um capítulo desta batalha, Alfredo Cabral Navegação, Rodomar e Rodofluvial São Jorge ingressaram com uma ação de indenização contra o Estado. Cobravam mais de R$ 100.000.000,00, em valores de hoje, decorrentes de danos materiais de toda natureza (indenizações trabalhistas, depreciação de veículos, débitos previdenciários e tributários, dentre outros), que alegavam ter sofrido em razão da atuação estatal.

Quer saber o final dessa parada? Clika aqui, no Flanar.

12 comentários:

Anônimo disse...

Foi esquecido no currículo do Pepeca o Setran(Gov Hélio Gueiros),este a verdadeira razão de sua prisão ,a mesma foi efetuada pelo delegado Paulo Tamer ,que foi promovido após o ato a Delegado Geral,o Governador da época era Jadér Barbalho,hoje lider político de Luis Otávio.

Anônimo disse...

Tudo isso é verdade, eles se merecem.

Anônimo disse...

Todos os "políticos" se merecem... senão, vejamos:
1.Hélio Gueiros - se elegeu governador c/ apoio do Jader, brigou... se disseram o diado um do outro, e estão juntos;
2. Luis Otávio (Pepeca): era Hélio na terra e Deus no céu... passou para o lado do Almir - äté q a morte ou os interesses particulares os separassem... preso no governo do Jader, hj é jura fidelidade canina, até que os famigerados interesses ponham fim nesta lua de mel;
3. Almir e Jatene, foram crias de Jader, as "criaturas" se rebelaram contra o "criador";
4. Vic, era outro q lambia o chão que Hélio pisava, hj...;
5. Ana, hj em "love" com Jader... já disse gato e sapato do mesmo;
6. Jader, figura comum em todos os comentários acima, por "interesses" políticos e pessoais, perdoa a todos e os trás para seu convício. "Muito Magnânico".

Esta é a ciranda política de nosso Estado, que podemos esperar de pessoas com tanta flexibilidade de moral e ética?

Anônimo disse...

Parabéns ao comentarista 5:41!
Falou e disse tudo.
Mas , certamente, vai aparecer alguém dizendo que não é bem assim...ora se vai.
Já advinharam quem?

Flanar disse...

Pô, Professor.
Sacanagem. Vc está se bandeando pro lado do laranja no Flanar?
Rsss...

Juvencio de Arruda disse...

ahahaha...vc não é mole não.
Só estou dando uma chupadinha antes que acabe...rsrsrs
Abs

Flanar disse...

Vamos de verde antes que o FRJ se manifeste pelo azul. Pelas razões de sempre.
Com o meu voto e o do Yúdice.
Mas o azul também terá o seu dia.
E lamentavelmente não será celeste.
E sim marinho, profundo.
Rss...

Juvencio de Arruda disse...

Sim, chefes...rs

Anônimo disse...

5,41, o dep. Vic também teve sua fase de admirador do Jader, nas eleições de 98. Tm muita gente com videos e gravações da época só aguardando a hora de utilizar.

Anônimo disse...

o das 10:08, imagine quem tem até ato de nomeação assinado pelo Jader. Aliás, vários atos de nomeação. Pergunte quem na vida nunca se arrependeu de ter apoiado ou ajudado a alguém. E mais: quem na vida não deixou de ajudar e depois se arrependeu e voltou a ajudar. O problema é que tudo que na vida comum (?) é transação comercial, arrependimento, humanização, compaixão, interesse próprio e outros predicados, na vida politica se transforma em corrupção, promiscuidade, falta de escrúpulos, trairagem e outras desgraças mais.

Anônimo disse...

10:08, não me lembava desse fato, embora tivesse quase certeza de que, lá atrás, tinha havia um "afair" entre os dois, razão pela qual deixei no ar, pra não cometer injúria, e me igualar a eles.

Anônimo disse...

Não sabia dessa... só das famosas balsas remaquiadas...

Só de pensar que eu votei nesse homem... já falei rapidamente com ele quando era senador, fingi que não sabia disso. Votei nele para Mário Couto não ganhar... mas, como nem em 2º ele ficou...