18.5.08

A Guerra nas Ruas e o Jogo de Cena

O Liberal iniciou uma campanha contra a violência: deu na primeira página editorial a respeito e vem martelando o assunto em suas colunas. A causa é nobre; seu promotor, nem tanto. O jornal reclama de sete assaltos praticados em sucessão contra seus veículos, exemplo – mais um – da escalada de violência que inquieta e amedronta a cidade. Tem toda razão em cobrar mais resultados das autoridades. Mas qual a contribuição efetiva do grupo Liberal para prevenir e combater a violência? Suas seis páginas de noticiário policial são gasolina – e não água – no fogaréu da criminalidade que lavra em Belém, como no Estado e no país.Na hora de faturar, o jornal manipula mercadoria e não uma causa. Trata a notícia como simples negócio, que precisa crescer, e não como um elemento fundamental da vida social. Com uma mão maneja o interesse coletivo e com a outra, a destra, a compulsão comercial.

Assim começa o artigo de Lucio Flavio Pinto que repercute os assaltos praticados contra os carros de O Liberal e sua inserção no ciclorama da segurança pública do Pará. Na mais nova edição do Jornal Pessoal, nas bancas, e aqui, na íntegra, pelo blog do Estado do Tapajós.

8 comentários:

Blog do Alan Wantuir disse...

caro amigo, acredito parcialmente no que leio nos meios de comunicação. Esse "conceituado" jornal passou 12 anos mamando, até o jatinho do dono era pago por nós, e não se via essa criminalidade toda. Me parece que só foi mudar de governo pra criminalidade aumentar 5000%. Coisas da política!!!

Val-André Mutran disse...

Lí a tua chamada e não lí o artigo do Lúcio.

Claro vou lê-lo em seguida. Mas, abusando do querido mestre, vou atirar no êscuro.

Se não há na praça, vários ensaios e teses de graduação, mestrado, pós-graduação e... em Comunicação Social que examinam a problemática da violência nas grandes cidades da Amárica Latina, penso que a Academia está precisando de transfusão de sangue.

Um sociólogo revolocionou os números da ensandecida escalada da violência em Bogotá: é manchete.

Nenhuma palavra da "Acadimia" sobre o assunto.

Aliás, se não fosse a iniciativa privada, a "Acadimia" estaria em maus ― muito ― maus lençóis.

A propósito da questão central que levantastes. Fica claro que os dois grandes jornais do Pará operam numa embriaguês de botequim de luxo: Enquanto um embembeda-se de Abysinto, o outro toma um pôrre homérico de Absolut!

Ambos, com suas inomináveis apelações de fotos saguinárias disputam quem é o pila, vizinho, que foi trucidado mais vende jornal: ensaio de terrôr diário.

Num processo nojênto, pois, a cada manhã, os patrocinadores desses jornalistas do século XIX, abrem, cadas vez maior, as fotos da desgraça humana.

Um dos indicadores da bancarrota de um diário é a capacidade de indignação de seus leitôres ao aceitarem como "normal", folhear um impresso em que está estampado, em côres, o fracasso de cada um daquêles infelizes atores de nossa sociedade desigual.

Nessa luta editorial pequena e que sobretudo desrespeita a diganidade do ser humano ao exibir facadas, dilaceramentos, closes da entrada de uma bala que tombou um adversário ou uma vítima de uma assalto seguido de rôubo... Mestre!
É isso que é disputar o mercado de jornal impresso no Estado do Pará?

Gilton disse...

Lembro-me...
na campanha eleitoral, o que mais a Governadora falou foi sobre isso! que a segurança isso, que a segurança aquilo... que tinha q melhorar...

agora... a grande preocupação é: a estrelinha vermelha não combinava com o verde do uniforme, então vamos mudar as cores... faremos um arco-iris!

tenha santa paciência... e um santo protetor, por que se for depender da PM.... tá SODA!

Abraços

Gilton Paiva
www.causaeefeito.wordpress.com

Anônimo disse...

Gostaria de informar a eleição de Marinor Brito como presidenta do diretório municipal do PSOL/Belém. Desfaz-se a comissão provisório de fundação e passa-se à primeira diretoria eleita.

Das 5 correntes do PSOL, três (CST e outras duas pequenas) decidiram boicotar a eleição. Em plenário ficaram apenas as correntes APS (maior corrente, que administra o diretório estadual e é a corrente de Edmilson, senador Nery, Marinor, entre outros) e o MES, corrente mediana que apóia a APS.

Somados, APS e MES passam de 50% dos filiados e conseguem maioria sobre as outras correntes.

No PSOL existe uma forte dicotomia, as duas correntes "majoritárias" (APS e MES) são vistas como "forasteiros" e "posseiros" pelas três correntes que fundaram o partido, menos flexíveis.

Com relação ao novo diretório, a presidência ficou com a APS, corrente que levou cerca de 62% dos cargos e ao MES coube cerca de 38%: repetindo as uniões da eleição para o diretório estadual, que elegeu Araceli Lemos.

Grato.

Anônimo disse...

Juvencio, é so dá uma passadinha na Câmara de Belém, voçê não vai encontrar o reporter de O Liberal que fazia cobertura por lá, isso desde quando começou as denúncias ao prefeito Duciomar por esta mesa diretora, ou seja vai fazer 2 anos que O Liberal se esconde da verdade, pois foi a condição imposta pela Dra. Silvia Randel.

Juvencio de Arruda disse...

Vai fazer 62 anos que a pocilga se esconde da verdade. E agora começa a se esconder dos bandidos que assaltam seus carros.
Plantou, colheu.

Juvencio de Arruda disse...

Gilton, beleza de blog e obrigado pelo link.
Abs

Anônimo disse...

sr.andre,concordo c/ o sr.Os colunistas sociais dos referidos jornais, hoje,são "double" de empresario de festas de aparelhagem e pagode,fazendo vista "grossa"para os balanços contabeis(não apresentado ou mascarados)e não informando situaçoes que comprometam os presidentes dos clubes, ganhando com isso , como contra partida, a parceria e percentual dos lucros das nefastas festas, que deixam um rastro de violencia(na vizinhança) e destruição nas dependenciasdos clubes.E`um desvio de função dos referidos "colunistas" e uma "caixa preta" a ser mostrada atravez de um jornalismo sério,para que os associados possam conhecer a realidade ocultada pelos dirigentes que ja destruiram diversos clubes sociais em Belém.O laboratório,hoje, é o Para Clube.