26.5.08

Prefeito Nanico

Apenas 6,2 % dos eleitores de Nova Déli consideram prioritário o asfaltamento de vias, a maior obra do prefeito falsário.

3 comentários:

Rejane Souza disse...

Meu caro Juvêncio se você puder puclicar esse comentário agradeço.

Como já se tornou de praxe as constantes reclamações sobre a má administração do atual gestor da Prefeitura de Belém, e mais ainda sobre o caos e a insegurança na área da saúde. Não é mais novidade cartas como a minha chegarem até você com denúncias.
Gostaria de frisar em nome de todos os funcionários da unidade do Centro de Testagem e Aconselhamento - CTA/Belém, localizado na Trav. Pe. Eutíquio, 555 próximo à Praça da Bandeira, que desde o ano passado, mais precisamente em novembro de 2007, deixamos de atender a demanda de usuários em nossa Unidade para realizar o teste de HIV, por conta da falta de materiais como luvas de procedimento, seringas, agulhas. Quando sanado parte destes problemas nos deparamos com a falta de kits ELISA para a realização dos testes, a coordenação pressionada precisou que tomar medidas drásticas para que pudéssemos atender pelo menos as urgências e emergências que chegavam para nós. E até hoje, nada!
Então por muita insistência, kits para a realização dos chamados Testes Rápidos foram mandadas, mas em quantidade pequena para a demanda. Assim, muitos usuários que necessitam realizar os testes precisam ficar ligando para saber quando abrirá para agendamento. Como forma amenizar, até fomos inseridos no programa do Ministério da Saúde e APAE para o atendimento das grávidas que necessitam realizar os exames do pré-natal.
Graças a Deus este Programa veio a calhar!!! Mas nosso atendimento rotineiro não está funcionando até hoje. No entanto, o pior está por vir. Como já havia dito a saúde também requer segurança, aí é que mora o problema. Desde que o Prefeito resolveu retirar das Unidades de Saúde a Guarda Municipal, a insegurança anda solta, assim como os bandidos... Ficamos à mercê, correndo um constante risco de sermos assaltados dentro do nosso local de trabalho.
Desde que foi fundada a Unidade do CTA/Belém, antes era chamada de COAS (lê-se: CÔAS) sempre esteve localizada no em torno da Praça onde era considerada, “Zona de meretrício” e por funcionar no comércio seu horário de funcionamento era até as 18 horas, pois o perigo de assaltos e invasões por ladrões, prostitutas (sim, claro! Pois distribuímos preservativos e muitas entravam para buscar somente para vender, o pior era se não desse) e pivetes era constante. Assim, após diversos relatos de invasões, a prefeitura nos enviou seguranças, antes de empresa contratada e que em seguida foi substituída pela Guarda Municipal. Embora, tendo uma clientela bem específica a presença da Guarda era um modo de inibir a bandidagem e os arruaceiros que tentavam invadir o local.
Por fim, sem maiores explicações, nos foi retirada a segurança e mesmo com as constantes insistências por meio de requerimentos solicitando urgentemente a reposição da Guarda, recebemos como resposta, segundo a coordenação da unidade, através de documento que, NÃO HAVIA A NECESSIDADE DA PERMANENCIA DE PESSOAL DA GUARDA NA UNIDADE. Parece brincadeira, mas foi o que aconteceu. Já recebemos ameaças de usuárias com passagem pela polícia, já houve na semana passada a entrada de bandido na unidade, e outros. Será que precisa acontecer algo pior??? Quer dizer, além do prédio não oferecer a menor segurança, somos a grande maioria mulheres na Unidade e a qualquer momento, podemos ficar reféns desses bandidos que podem não somente nos roubar, mas de sofrermos qualquer tipo de violência no nosso local de trabalho.
Parece coisa de filme, mas é a pura realidade, o prédio só oferece uma única saída, e se formos coagidos por um bando, Deus nos livre do que pode nos acontecer. Gostaria de expressar a minha revolta, pois o pouco caso ou nenhum que a SESMA e o Prefeito Falsário fazem da saúde em nossa cidade é gritante.
E mais, gostaria de sugerir que uma equipe de reportagem fizesse imagem do local para que sejam confirmadas as reclamações feitas. Não temos condições de trabalho, o ambiente que deveria ser um exemplo, é degradante. Como podemos falar em saúde da população, do trabalhador, se a Prefeitura não oferece o mínimo que seja para ambos. Fico agradecida desde já pela postagem do comentário.

Rejane Souza

Juvencio de Arruda disse...

Cara Rejane, esta é a terceira vez que publico este comentário, assinado por diferentes remetentes.
Tenha certeza que ele é muito lido aqui, nas caixinhas de comentérios.
Obrigado pela compreeensão.

Anônimo disse...

Será que o alcaide está levando a sério e literalmente a expressão "pavimentando a reeleição"? Enquanto isso a saúde dos munícipes, os que dependem exclusivamente dos postos de saúde(?), espera (e como!) nas portas e portões dos centros, hospitais e ambulatórios. Parece que o falsário não gosta mesmo de saúde do povo. Só Deus!!!