17.7.08

Em Defesa (Verdadeira) do Estado

No blog Flanar, por Francisco Rocha Jr.

Arvoro-me a dar uma sugestão ao Poder Judiciário, mesmo fazendo parte de um órgão ligado à defesa do Estado: o mais correto, no caso da desembargadora Ana Teresa Murrieta, seria o Tribunal de Justiça reconhecer a responsabilidade objetiva da Administração Pública e pagar aos 157 lesados pelos crimes da magistrada os mais de 3 milhões de reais surrupiados de contas judiciais abertas no Banpará.
Afinal, como sustenta a sentença condenatória de Murrieta, não há, por parte da defesa desta, a negativa dos crimes ou de sua autoria. O leit motiv da contestação do advogado Osvaldo Serrão é tão somente a inimputabilidade da ré, que estaria acometida de mal psiquiátrico que tornou-a incapaz de reconhecer a extensão e a natureza de seus atos ilegais. Logo, não há como negar que uma agente pública, investida na função, apropriou-se indevidamente de valores que estavam submetidos à sua administração.
A medida reforçaria a imagem do Judiciário junto à população e daria provas de que o Poder está atento à realidade dos fatos. Negar a responsabilidade da Administração e evadir-se da obrigação de pagar os valores devidos aos jurisdicionados é tão nocivo quanto tudo o que já fez a desembargadora aposentada.

11 comentários:

Anônimo disse...

Mas se a desembargadora é irresponsável, ela deveria ser internada, não? Já imaginou o risco de uma pessoa insana solta pelas ruas, assaltando todo mundo?

Gilmar de Lama disse...

O Tribunal pagar???

rá rá rá...

Anônimo disse...

Já escrevi isso aqui uma vez, mas vale a pena repetir: metade dos juízes pensam que são Deus a outra metade têm certeza.

Anônimo disse...

e o povo que foi lesado, como é que fica ?

Anônimo disse...

O Fco. Rocha Jr. não é procurador do Estado?

Anônimo disse...

Como é Juvêncio, sai ou não sai a pesquisa do Ibope ?

Juvencio de Arruda disse...

Sai sim...rs
Aguarde.

Anônimo disse...

Segundo informações, Murrieta teria surrupiado cerca de 3 ou 4 milhões, ora, o Tj-pa,condenou a mesma além da "prisão", uma multa de 150 mil.Ou eu sou um imbecil muito grande ou o prolatador da sentença pensa que somos imbecis. Volto a dizer, grande parte da violência do pará têm que ser cerditada ao tj. Tem juíz que prolatou 03 (três sentenças) em um mês (é sério). Repito, o tj-pa não trabalha.

Anônimo disse...

Certo. A Administração publica tem que honrar sua divida com os 157 lesados. Mas a mesma Administração publica deve reaver o que foi surrupiado pela desembargadora. E não apenas socializar o prejuizo entre nós, os contribuintes.
Ou ela rasgou o dinheiro e está comendo merda?

Anônimo disse...

É muito engraçado é nossa tal justicia, é justicia mesmo. Quando uma bacana, metida a granfina igual a nossa grande desembargadora Ana Teresa Murrieta surripia a grana dessa gente humilde de nosso Estado, e olha que estou falando de uma pessoa até então dita como proba, é logo e rápidinho considerada por seus advogados que dizem que seus clientes, pacientes/indigentes estão acometidos de algum mal psiquiátrico, mas no momento de sacar na boca do caixa toda essa dinheirama, a senhora desembargadora não estava acometida de nenhum mal, só depois e muito depois que se descobriu, vamos dizer assim, que ela pegou por engano o dinheiro da rapaziada, ai é que os advogados, da desembargadora descobriram que ela sofria de algum mal e muito sério. Não é briquedo não. E viva os Daniels Dantas, Pitas, Mallufes, Nagig Nahas que continuam impunes. Daqui a pouco todos vão ser considerados loucos.
Como dizem por ai: metade dos juízes pensam e se acham DEUS a outra metade têm a absoluta certeza que são mais que o Criador do Universo. Êta paizinho paidégua.
A Lei no Brasil é feita por eles e somente que eles não cumpram, e quem deve cumpri-la nós!!!!!!!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Esta "desembargadora" Ana Teresa Murrieta em bargou (robou) todo o dinheiro do povo e vem pousar de maluca, será que podemos sair roubando banco, asaltando supermercado etc... e depois dizer com a acara de pau de Murrieta estamos loucos!só para não prestamos contas de nossos atos.
Murrieta estava maluca era para fazer a festa com o dinheiro do povo, e fez e agora se faz de doida. Que justiça e esta que para alguns (pobres) o braço da lei chega rapido e pesado e para outros marca Murrieta quando chega é com esta moleza toda este é o país da impunidade e do corporativismo. Acordem STJ o povo esta de olho em vcs.