31.7.08

País do Grampo

By Orlandeli, do blog do Noblat.

5 comentários:

Anônimo disse...

ELEIÇÃO

Impugnada


O primeiro julgamento de pedido de registro de candidatura para prefeito de Parauapebas foi julgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o resultado não foi nada agradável. Não para Bel Mesquista (PMDB), candidata à prefeita da coligação 'Para o bem de Parauapebas'. Ela foi impugnada na mais alta instância da Justiça Eleitoral e a notícia já provoca uma série de rumores sobre o rumo da disputa em uma das cidades com maior PIB do Estado e vultosas somas de recursos para administração municipal oriundos dos roaylties minerais.

Edição:Ano LXII - nº 32.192
Repórter 70
Edição de 31/07/2008

Juvencio de Arruda disse...

Xiii...e em mais peia por lá.

Na mesma edição do Seventy danado,e na sequencia:

Expectativa

Alessandro Spinelli (PT do B), Cláudio Almeida (PR) e Darci Lermen (PT) agora rezam para não ter o mesmo destino: os três adversários dela ainda não foram julgados pelos ministros do TSE.

----

Feia a coisa no Pebinha com Açúcar.

Anônimo disse...

Caro Juca,
As candidaturas propocionais e majoritaria do PT foram indeferida a pedido do MPE pela Dra Eline Salgado Vieira.
A coligação apresentou ATA de convençao com data do dia cinco de julho e nào com a do dia 30 de junho.
Beijos

Juvencio de Arruda disse...

Ah!...a dra. Eline resolveu aplicar a Lei!!!
Muito bem, parabéns a dra, que aplicou também uma senhora lição até no Minstério Público Eleitoral, que se fez de morto nessa história que aconteceu também em Nova Déli e muito outros municípios, às escâncaras de toda a sociedade.
Bjs

Anônimo disse...

Caro Juca
Na última edição do jornal Correio do Pará, veiculamos como matéria de capa a notícia que a candidata a prefeita do município de Parauapebas Isabel Mesquita, teria tido sua candidatura impugnada. A informação que publicamos foi totalmente colhida no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
Por conta da matéria, a Juíza da 75ª Zona Eleitoral de Parauapebas, Eline Salgado Vieira, através de uma mandado judicial, ordenou de imediato o recolhimento de todos os jornais que haviam sido distribuídos e proibindo, sob pena de multa, a distribuição dos jornais na cidade. Entretanto, a Juíza não deu nenhuma justificativa para tal ato. O jornal Correio do Pará por entender que decisões judiciais devem ser cumpridas, fez exatamente o que foi pedido pela Juiza Eline. O que nos surpreendeu durante o fechamento desta edição, foi que outro meio de comunicação também veiculou uma nota a respeito da impugnação da candidatura de Isabel Mesquita.
O jornal O Liberal, Ano LXII - nº32.192 na edição do dia 31 de julho de 2008, na coluna Repórter 70, publicou a nota “Impugnada”, com o seguinte teor: “O primeiro julgamento de pedido de registro de candidatura para prefeito de Parauapebas foi julgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o resultado não foi nada agradável. Não para Bel Mesquita (PMDB), candidata à prefeita na coligação ‘Para o bem de Parauapebas’. Ela foi impugnada na mais alta instância da Justiça Eleitoral e a notícia já provoca uma série de rumores sobre o rumo da disputa em uma das cidades com o maior PIB do Estado e vultosas somas de recursos para a administração municipal oriundos dos roayties minerais”.
O Correio do Pará quer saber: será que o pedido de recolhimento dos jornais também se estenderá ao O Liberal com tiragem aproximada de 50.000 jornais? Ou a justiça brasileira mostrará que tem dois pesos e duas medidas? Esperamos que as decisões judiciais sejam igualmente aplicadas a todos!
A Constituição Federal é uma só, tanto quanto a isonomia, onde todos somos iguais, quanto a liberdade de imprensa.

Flávio Sacramento
Diretor presidente do Jornal Correio do Pará