12.7.08

Lá Vem Ela

Em sua coluna no caderno Poder, na edição de amanhã da pocilga nariguda, o jornalista Ronaldo Braziliense antecipa: os primeiros escândalos nas licitações paroaras do PAC já estariam no fôrno.

11 comentários:

Anônimo disse...

Será que a licitação de 40 milhões em Santarém que está dando a maior bronca não é para obras com recursos do PAC?

Juvencio de Arruda disse...

A Concorrência Pública 002/2008, cujo objeto é a execução de serviços de pavimentação de ruas em Santarém, não faz parte do PAC.

Anônimo disse...

É pule de dez como o deputado Jáder Barbalho estará no meio do furacão.

Juvencio de Arruda disse...

Vc pode estar menosprezando a proficiência dos ladrões coligados à Barbalho.

Anônimo disse...

Que tal essa notinha publicada pelo Elio Gaspari originalmente na Folha e n'O Globo e reproduzida na folha "nariguda":

MALVADEZA
Proposta de um petista paraense a um tucano gaúcho: "Se vocês ajudarem a gente a se livrar da Ana Júlia Carepa, nós ajudamos vocês a se livrarem da Yeda Crusius".

Anônimo disse...

Pois é, tem a mulher melancia, a mulher samambaia e agora a mulher abacaxi, a governadora Ana Júlia.

Val-André Mutran disse...

Com que facilidade esse governo desce a ladeira.
Fico a pensar comigo mesmo se ele chegou pelo menos a subí-la.

Anônimo disse...

Como a matéria é na Folha Nariguda, será que devo acreditar?

Anônimo disse...

Não devemos acreditar.
Porém se conseguirem provar é bom manter a vista em horizonte mais largo.
Não é só o Barbalhão e sua entourage que pode ter envolvimento, embora COSANPA e COHAB sejam manipulados por ele.
Há petista que provou do mel e gostou e a outros que nunca comeram e estão se lambuzando.

Anônimo disse...

Uma pequena contribuição.
O PAC não é um cofre cheio de dinheiro que qualquer um mete a mão, os projetos são aprovados de acordo com o parecer técnico da GIDUR - BE, o dinheiro fica na Caixa, junta-se a ele o desembolso do Estado (contrapaartida), a liberação é feita a partir do cronograma aprovado pela equipe técnica da Caixa, um tripé formado pela Jurídica, a Social e a de Engenharia.
A única forma de quebrar esse arranjo e burlar a fiscalização ( da Caixa, do Estado e de quem estiver a fim )é na execução, materiais de baixa qualidade e/ou mão de obra não qualificada.
O resto é papo furado, aliás eu conheço algumas histórias de um prefeito de município muito próximo que tentou tirar graça com o pessoal da Caixa, mas isso é bom com cerveja.
Ai Juva aguardo convite

Anônimo disse...

Incompetências à parte, o quase-oculto machismo impera nas hostes da patriarca imprensa brasileira...