15.7.08

ONU: MPE Foi Omisso

Finalmente, o "governo" do Pará deixa de aparecer sozinho nos sucessivos episódios que, com muita frequência, o levam à mídia nacional. O MPE, depois do caso de Abaetetuba - quando denunciou meio mundo menos seus membros envolvidos no caso - volta a dar o tom de sua presença no caso Santa Casa.

11 comentários:

Anônimo disse...

Poster,

Por favor, analise essa notícia publicada ontem (14.07) no blog do seu camarada Ronaldo Brasiliense, que acesso a partir do link do seu. Afinal, 2500 a 4000 reais para não trabalhar, é duro de ler

Ana Júlia nomeia mais 16 assessores
A governadora Ana Júlia Carepa (PT) nomeou hoje mais 16 assessores especiais I e II para a Governadoria dio Estado. Já são mais de 1.300 nomeações, geralmente de cabos eleitorais do PT e PMDB. A maioria ganha salário enre R$ 2.500,00 e R$ 4.000,00 sem trabalhar. É o empreguismo desenfreado, tão criticado por Ana Júlia no governo tucano de Simão Jatene. Os especiais da Governadoria só aparecem no Palácio dos Despachos para receber. Enquanto isso, na Santa Casa de Misericórdia de Belém...

Anônimo disse...

Poster,

Por favor, analise essa notícia publicada ontem (14.07) no blog do seu camarada Ronaldo Brasiliense, que acesso a partir do link do seu. Afinal, 2500 a 4000 reais para não trabalhar, é duro de ler

Ana Júlia nomeia mais 16 assessores
A governadora Ana Júlia Carepa (PT) nomeou hoje mais 16 assessores especiais I e II para a Governadoria dio Estado. Já são mais de 1.300 nomeações, geralmente de cabos eleitorais do PT e PMDB. A maioria ganha salário enre R$ 2.500,00 e R$ 4.000,00 sem trabalhar. É o empreguismo desenfreado, tão criticado por Ana Júlia no governo tucano de Simão Jatene. Os especiais da Governadoria só aparecem no Palácio dos Despachos para receber. Enquanto isso, na Santa Casa de Misericórdia de Belém...

Anônimo disse...

Poster,

Por favor, analise essa notícia publicada ontem (14.07) no blog do seu camarada Ronaldo Brasiliense, que acesso a partir do link do seu. Afinal, 2500 a 4000 reais para não trabalhar, é duro de ler

Ana Júlia nomeia mais 16 assessores
A governadora Ana Júlia Carepa (PT) nomeou hoje mais 16 assessores especiais I e II para a Governadoria dio Estado. Já são mais de 1.300 nomeações, geralmente de cabos eleitorais do PT e PMDB. A maioria ganha salário enre R$ 2.500,00 e R$ 4.000,00 sem trabalhar. É o empreguismo desenfreado, tão criticado por Ana Júlia no governo tucano de Simão Jatene. Os especiais da Governadoria só aparecem no Palácio dos Despachos para receber. Enquanto isso, na Santa Casa de Misericórdia de Belém...

Anônimo disse...

Dom Juvencio,

Não sei, cargas d'água por que, esse comentário foi publicado três vezes. By the way, qual a sua opinião a respeito da notícia?

Juvencio de Arruda disse...

Das 9:57 e anteriores: o que se pode dizer de 1300 assessores especiais instalados no Gabinete, segundo a informação do blog do meu camarada Braziliense?
Decerto tenho a mesma opinião que a sua, pois não?
Esse número, salvo engano, já é maior que o de Jatemar, não é não?

Juvencio de Arruda disse...

Olhe só a coincidência, Dom Anônimo....vc perguntando e eu respondendo.
Por que tres vezes?
Porque as vezes a confirmação do envio do comentário é mais lenta do que a sofreguidão de quem o faz.
Sem problemas.

Anônimo disse...

Poster,

Vc transmite uma rara simpatia, difícil de encontrar-se nos dias atuais. Arriscaria dizer que se trata de um cara legal q dá vontade de conhecer profissional ou pessoalmente.

Carlos Silva

Juvencio de Arruda disse...

Não faça isso comigo,Carlos...rs
Obrigado e digo o mesmo à vc.
Quem sabe uma hora dessas não nos encontramos por aí, pessoal ou profissionalmente?
Abs

Anônimo disse...

o que o mpe paroara precisa é de uma chocalhada para sair dessa letargia infame
se bem que não resolvará as nossas mazelas
mas bem que poderia penalizar os culpados
assustar os prevaricadores
afastar os corruptos
e merecer o valor dos salários!
mas se o povo tem o governo que merece
também tem o mp que merece
é um avacalhação só!
a reiteração das mortes dos bebes na santa casa por vários meses implica em omissão que pode levar ao homicídio por omissão
como sou da área, o raciocínio é simples: artigo 13 do Código Penal:
"o resultado somente imputável a quem lhe deu causa, considera-se causa a ação ou omissão sem a qual o resultado não teria ocorrido.
A omissão é penalmente relevante quando o omitente devia e podia agir para evitar o resultado. o dever de agir incumbe a quem: tenha por lei obrigação de cuidado, proteção ou vigilância"
cadê a promotoria criminal para apurar esse descaso que mais uma vez mancha o nome do pará no cenário nacional e internacional?
houve omissão sim que possibilita a responsabilização penal.
mais de 200 crianças recém nascidas mortas
pura descaso.
Que indignidade!
Que tristeza!
Isso é o Pará?

Anônimo disse...

Mas é estranho este comentário do que o MP não foi eficaz, afinal o promotor, como fiscal da lei, encaminhou documento ao Judiciário solicitando providências, especificamente a determinação de construir um novo hospital para dar conta da demanda. E o juiz, ao que eu saiba, até hoje não despachou o pedido. Há instâncias de ação e o MP fez o que lhe cabe. Que falem os advogados!

Anônimo disse...

o comentário é pertinente não é mais admissível que o MP e o Judiciário se transformam em instâncias fechadas, imunes ao debate, à esfera pública; são pagos com o dinheiro dos contribuintes e não podem esquivar-se de prestar contas, de cumprir suas missões legais e constitucionais que é distribuir justiça aos cidadãos de maneira eficaz e razoável.
No Pará os dois órgãos são esquivos, auto-centrados, julgam-se acima da opinião pública. Isso não existe mais, numa democracia, numa república, todos prestam contas de seus atos. Todas as decisões estão sujeitas ao crivo do debate. Até decisão judicial. No caso da Santa Casa a omissão do MP paraense, assim como as mortes, foi longa e dolorosa. deveria requerer o fechamento, pediu a construção de um outro hospital. Pediu o impensável, o mais distante possível. Deveria requerer o fechamento temporário, o conserto dos problemas, mais médicos, mais equipamentos, vigilância sanitária, etc.
Parece que o pedido foi feito pelo MP justamente para não ser acatado. Aliás, não vai ser mesmo acatado, pela sua discrepância entre o razoável e o irrazoável. Quer apostar?
E os cadáveres dos anjinhos? E a dor das famílias? Será se delegados, juízes e promotores não têm filhos? Ou são técnicos que a emoção não pode vazar?
Cidadão Indignado