7.7.08

Mordomia

Havia um carrão do TCE passeando por Salinas neste final de semana, segundo o Seventy na edição de ontem, que contou o milagre, mas não o santo.
Salvo engano de fonte do blog, o carro é do gabinete do conselheiro Cipriano Sabino, da safra Ana Julia.
Seja do gabinete de Sabino ou não, deve o Tribunal um pedido de desculpas à sociedade e um puxão nas orelhas do responsável pela esbórnia.

9 comentários:

Anônimo disse...

Eu fico imaginando quantos veraneios o excelentíssimo senhor Cipriano Sabino ainda vai usar o seu, o meu, o nosso pra ir pra praia as nossas custas.
Ele, que é rapaz novo no pedaço, até chegar aos 70, ponha praia nisso.

Anônimo disse...

Elias Daibes e Lauro Sabá sempre usaram o carro do tribunal em Salinas e ninguem reclamou. O TCE é o maior antro de nepotismo da história do Pará. A festa junina do tribunal custou somente 68 mil reais, comandada por Rose Coutinho.
A imprensa e os blogs são omissos.

Anônimo disse...

Inveja mata.

Juvencio de Arruda disse...

Esbórnia também mata.
Só que na bala, na Santa Casa, na fome. Entendeu aonde é o fim da esbórnia, patife das 11:24?

Juvencio de Arruda disse...

68 mil numa festa de São João?
O que aconteceu? Comeram o santo?

alessandro amaro disse...

para que serve o TCE mesmo?

Anônimo disse...

Ora Tribunal de Contas do Estado, orgão de controle externo do poder executivo, então o interno que se lixe ninguem controla, então festa de são joão, carro em salinas, e ainda posam de competentes e probos ao responderem onde voces trabalham mesmo..???

Anônimo disse...

O anônimo das 11:24 só demonstra ser um inconsciente que muito provavelmente estava se divertindo no carrão em Salinas e achando-se o tal com dinheiro público. Por isso mesmo o marginal deve ser identificado e pagar pelo crime cometido. Não é inveja não, idiota das 11:24, o nome é indignação!

Anônimo disse...

E os carros do TCM, que nem placa oficial de cor branca têm?
As Merivas prateadas conhecem bem as areias da bela Atalaia e as casas de fazenda dos cínicos conselheiros "fiscais" do dinheiro público. São dirigidas até por parentes dos mesmos, havendo o caso de um acidente com perda total, infelizmente do veículo.