20.6.08

O Inusitado Não é Pautado

O Ministério Público do Estado ainda não se dirigiu ao público do estado para revelar as razões da supeição coletiva dos promotores de Justiça da Comarca de Santarém - à exceção de um impedimento legal - que obrigou o juiz Alessandro Osanan a representar ao TJ, pedindo o desaforamento do processo que julga um homicida naquela cidade, justificando seu pedido com base nos indícios de que a imparcialidade do corpo de jurados está ameaçada, somou-se fato inusitado no presente feito, às vésperas do julgamento já designado, qual seja, todos os Promotores de Justiça que atuam na Comarca de Santarém, em número de 10 (dez), julgaram-se suspeitos ou impedidos para atuar na sessão referida.
Nenhuma pocilga da capital pautou o fato inusitado.

3 comentários:

Alailson Muniz disse...

Senhor ministro,
teve matéria minha na página 5 do caderno POLÍCIA,de O Liberal, de quarta-feira (18).

Quanto ao motivo da suspeição, não tive tempo de postar em meu blog, mas te adianto em primeira mão que todos os outros 8 promotores alegaram foro íntimo. Isso quer dizer que possuem relação de amizade ou coisa parecida com a família do réu.
Por lei, os promotores somente são obrigados a declarar o motivo ao procurador geral de Justiça do Estado, Geraldo Mendonça Rocha. Isso se ele perguntar, o que todos nós sabemos que não vai acontecer. Somente a promotora do caso, Larissa Brandão teve de declarar nos autos o seu motivo. Ela alegou, por escrito, que é amiga da família do réu, portanto foro íntimo.
Tenho dito.
Alailson Muniz
P.S. Aquela cerveja bateu na trave.

Juvencio de Arruda disse...

Presidente, pela Lei os promotores tem que encaminhar a justificativa ao Procurador Chefe, mas nada impede que este dê ciência pública do que está ocorrendo.
Como afirmei em comentário em post anterior, não há razão alguma para que as explicações do inusiotado fato não venham á público.
Quanto à trave...putz...deu tudo errado naquele dia, graças a incômoda manifestação na frente da pousada.
Continua na agenda.
Abs

Anônimo disse...

Mas afinal de contas, quem é o homicida? dá pra esclarecer ou corre em segredo de justiça?