20.11.08

Chapa

O PSOL prepara suas estratégias para 2010.
Segundo uma fonte do blog, bem instalada no partido, estariam sendo costuradas as candidaturas do ex prefeito Edmilson Rodrigues para deputado federal, e as de José Nery, atual senador, e Araceli Lemos, ex deputada estadual, para a Assembléia Legislativa.

18 comentários:

Anônimo disse...

São candidaturas viáveis e a Assembléia Legislativa do Estado sente muita falta de uma deputada com a combatividade de Araceli. Sente falta de sua forma franca e fraterna de fazer oposição, de sua capacidade de olhar para o povo com a generosidade que sós os autênticos revolucionários podem ter. Edmilson é outra ausência sentida pelo povo, especialmente de Belém. Su petista, mas voto de olhos fechados nesses dois socialistas autênticos, mantendo a crítica impiedosa ao erro tático extremo que foi deslocar-se do PT para um partido natimorto que é o PSOL. Ocorre que essa tática, bem armada, carece de ser combinada com a esquerdalha que controla a legenda. Só posso dizer aos companheiros: bem-vindos à vida real.

CC

Anônimo disse...

engraçado, a esquerda Psol é "esquerdalha".
E a esquerda do PT, seria "bandalha"??!!

Anônimo disse...

a esquerda do PT seria a ana que apoia o duciomar agora, quem diria dudu...hahaha

Anônimo disse...

CC, acho que a melhor tática é combinar com o eleitorado, com o cidadão que não quer saber de estratégia político-partidária, se ocorreu "erro tático extremo", porque o que importa para o eleitor é de que forma os candidatos poderão atuar para minorar os problemas sociais que afingem a maioria da população.
Não esqueça, porém, que combinar com o eleitorado significa convencê-lo, e não querer comprá-lo.
abs

Anônimo disse...

E a sua fonte bem instalada, esqueceu da Marinor ?

Anônimo disse...

O Edimilson pode se eleger e a Araceli tem boa chance. O problema é se o psol atinge o coeficiente eleitoral mínimo exigido. Agora, o senador sem voto não se elege nem com reza braba. A não ser que ele volte para o PT e seja novamente suplente.

Anônimo disse...

Edmílson, Araceli e Nery são políticos de esquerda com P e E maiúsculos. Que o povo os reconduza a essas tribunas. Se tivessem no PT, o destino do estado poderia ser melhor. Considero erro também a saída, mas isso não ofusca o brilho desses autêmticos revolucionários latino-americanos.

Leopoldo Vieira

Cássio disse...

Excelentes parlamentares. A ALEPA e o Congresso bem que precisam de políticos desta estirpe.

Bia disse...

Boa noite, querido:

que bom seria o sangue renovado naquela Casa. Especialmente com Araceli. Agora, eu acho que o anônimo das 6:13 exagera: se acertou ao chamar o atual senador de "sem votos", creio que é melhor não afirmar que esse será seu futuro destino. O senador Nery se fez respeitar. Aqui e acolá.

Beijão.

Anônimo disse...

Que bela notícia Juca. A esperança pode voltar a sorrir e gente voltar a sonhar... Até cantarolar: "...Meu coração é vermelho..."
Beijocas,
Maria Flor

Anônimo disse...

Vmos parar de endeusá-los.
Noto que este endeusamento do Psol ocorre pelo pífio desempenho do governo petista.
Em outro Estado seria a mais banal das notícias,devido a políticos autenticos no PT, PCdoB,PSB, aqui é que est5a tristeza, além do que todos os outros partidos estam também traçando suas táticas para 2010.
Vamos nos lembrar que esta turma quando no poder foi tão arrogante e
tratorista quanto a turma do palacio do despachos.
Fora do poder são autenticos, verdadeiros socialistas e outros balangandãs.
No poder sai de baixo.

Anônimo disse...

Juvêncio, do post das 8:08 fui mal interpretado. Quis dizer com "ela ops ele" me referindo ao marido que é o dono da bufunfa e não a candidata. Perdão. Mas ja que a causa é justa reescrevo pra vc publicar.

Juvêncio, tem candidata que fez campanha e não pagou. Em poucos dias, alguns outdoors relembrando o débito serão colocados naquela rua que tem um canal no meio pelos pais de família que trabalharam e não receberam. Confiança?

Anônimo disse...

Eu tenho muito a dizer sobre isso. Adoraria apoiar estas candidaturas, mas infelizmente vejo que estas pessoas (pelo menos estas somadas às outras da legenda) estão levando o partido literalmente "para a sarjeta".

Parece irreversível o processo de "guetificação" pelo qual o PSOL optou - coisa que eu achei que mudaria, com a migração do grupo de Edmilson Rodrigues... mas meio que só fizeram homologar este processo.

Parece que vai demorar - e quem sabe bastante para que essas figuras públicas possam novamente servir ao Pará da forma como antes podiam.


--
Estrategicamente, acho que o PSOL "pode" (não garantido) fazer um deputado estadual... mas com relação a fazer um quociente federal, teria de concentrar quase todos os seus candidatos para a disputa federal, visando completar o quociente que Edmilson conseguirá boa parte (possivelmente mais da metade de quociente).

Seria o começo da desguetificação do PSOL?

Anônimo disse...

Cada eleição tem sua história e capa processo eleitoral concluído nos deixa várias outras histórias e aprendizados.
É verdade que as eleições de 2010 já estão pautadas em cada canto desse imenso Estado, imaginemos, então, nas agramiações partidárias?.
É verdade também que a democracia concebida na modernidade (partidos, instituições, processos eleitorais etc) foi completamente (e não poderia ser diferente) remodelada na contemporaneidade.
O PT, por exemplo, não é mais aquele partido fudando por socialistas, sindicalistas barbudos e comunidades oriundas da igreja progressistas do início dos anos 80 do século passado.
Os limites programáticos, luta pelo socialismo nunca, repito, nunca foram além da institucionalidade, mas é evidente que a máquina partidária petista é ainda forte instrumento de persuasão e conquistas de adesões junto ao eleitorado. Eleitorado este que aprova o governo Lula, grande vencedor das eleições municipais deste ano. De cada 10 votos, 7,5 foram para Lula e sua base aliada, por isso, é bom não substimar o poder de "fogo" do PT de Ana Júlia Carepa e sua coalisão de partidos de direira e de centro. Só em Belém, nos 3 meses de eleição, a aprovação do governo saiu de 12% no auge das crises de Abaetetuba/Sta. Casa para estáveis 31% às vésperas do 1ª turno.
Sobre o PSOL, percebo que aquém dos seus quase 2% obtidos em Belém, a estrutura partidária melhorou. Foram quase 40 municípios, onde o PSOL disputou eleições em 2008, dentre eles, Belém, Ananindeua, Santarém, Marabá. Se o resultado foi bem abaixo da espectativa, é verdade também, que as eleições de 2010 serão em bases estaduais e numa disputa para o parlamento (ALEPA e Câmara Federal) o que vai pesar são suas estruturas e possíveis aliados nos municipios. A Frente de Esquerda (PSOL, PSTU e PCB) poderá ser reeditada e a busca de um voto mais oposicionista, digamos também, mais ideológico e sobretudo, consciente de que ter um "quadro" parlamentar honrado, de matiz vermelho da esquerda socialista, seja algo tão possível como importante para qualificar o debate no parlamento.
Cada eleição conta uma história, quem sabem em 2010 ela não nos premie com a eleição de tantos valorosos socialistas como os que o post nominou.
Grande abraço!
Satchel Paige

Anônimo disse...

Ô povão de memória curta!
Vocês lembram como ficou Belém no gv do Ed: Um LIXO.
Quem vai gostar da volta do Ed é o
Ewerton(leia-se Terraplena).
Ô tempo BÃO né! Ô LAMBAMÇA!

Anônimo disse...

Eleger Edmilson ou Araceli nada tem a ver com romper a vocação de gueto que é a sina do PSOL. Um partido que nasce da negação "do pai" não é marcista, é freudiano. E ser freudiano nunca ajudou na formulação política. Expressões como "traição", por exemplo, são do léxico judaico-cristão e não do marxismo. O PSOL não tem futuro porque para criar um partido de esquerda de massas é preciso mais do que vontade, disposição e meia dúzia de iluminados. É preciso, antes de tudo, massa. E ela está de costas para para o PSOL e de frente para o populismo de Lula e Duciomar. Em circunstâncias assim, Lenin entrou no POSDR, um partido de centro-esquerda e nele ficou até que as massas começassem a romper com o partido. Trotsky sugeriu entrismo no Partido Socialista Francês, por exemplo, e no Labour Party inglês, para que a esquerda pudesse "nesse ambiente hostil aos marxistas revolucionários", construir musculatura e disputar as massas. Partidos como o PSOL nascem pequenos e não morrem. Vivem de suas miudezas. Na inglaterra há 23 partidos como o PSOL, sem voto, presos na luta sindical marginal, consumindo a vida útil de ativistas com banalidades. Combinar com o povo para eleger Araceli e Edmilson, nem precisa. Conheço centenas de petistas de carteirinha que farão campanha para eles. O problema é achar que isso muda o destino do PSOL. Não muda. Seu destino é ser um gueto por uma razão pura e simples: não é alternativa a nada. Não passa de um pequeno partido, trotskista na retórica e stalinista no método e, por isso, não melhor que o PT. Edmilson e Araceli deveriam sair desse gueto e adentrar em um partido de esquerda que pudesse fazer política, onde pudessem crescer politicamente fazendo a disputa de projetos e, ao mesmo tempo, sendo independentes do PT. Esse partido existe. É o PCdoB, que inclusive já convidou esses companheiros para ingressarem na legenda comunista. Não obtiveram resposta. Quem sabe ela não vem em 2009, com uma boa surpresa para quem ainda quer ver Edmilson e Araceli fazendo política de frente para as massas.

CC

Juvencio de Arruda disse...

Satchel, grande abs pra vc.

Anônimo disse...

Muito interessantes as colocações sobre o PSOL. De fato, concordo que a alternativa se perdeu. Esqueceu seu referencial marxista em 2006, quando a candidatura com muito potencial de Heloísa Helena esqueceu que a luta de classes se manifesta no campo da economia, e abraçou a causa da ética, lado a lado com a oposição de direita, diluindo seu espaço na esperança do povo e perdendo terreno para o pragmatismo das bolsas da vida.

Aos que tanto incensam os possíveis candidatos, não podemos esquecer das práticas hegemonistas dos tão comunistas militantes da APS. Hegemonismo este que não poupa nem os camaradas que ousam enfrentar a Troika que comanda a corrente e o PSOL local. Que o diga Marinor, escanteada que foi com a candidatura à prefeita.

Torço sim para o sucesso da empreitada, apesar de não fazer parte dela. Mas, na boa, sem ilusões, ok?