25.11.08

Ele

Walmir Botelho é o atual diretor de redação de O Liberal. Profissional experiente e bem formado - é da escola do saudoso jornalista Claudio de Sá Leal - começou como diagramador e tem uma longa trajetória na direção de redações pelo país, onde pontificam o Correio Braziliense e a Última Hora carioca. Sua experiência e bom gosto também na área gráfica são reconhecidos. Entre os empreendimentos bem sucedidos de sua carreira está o famoso caderno D, o suplemento dominical do jornal Estado do Pará nos anos 70. De lá, convidado pelo jornalista Oliveira Bastos, ganhou as redações do centro-sul do Brasil.
Walmir sempre trabalhou para sustentar os quatro filhos, o mesmo tamanho do time pelo qual este poster peleja.
De perfil discreto e introvertido - passa as férias na pacata Maracanã - Walmir é quem fecha o Seventy aos domingos.
Durante a semana, depende.
Mas o padrão é garantido: o patrão é o mesmo.
Standard, a coluna torna-se previsível, como alertaram a nota da reitoria, na segunda, 24, e o post Vícios de Origem, no domingo, 23. E hoje a tarde, numa incontida alegria que aparentemente pode furar o próprio jornal-patrão, avisam-me: amanhã tem mais.
É assim.

11 comentários:

Anônimo disse...

Uma correção ao blog. Pequeníssima.
Walmir Botelho, pode ter sido de todas as escolas. Até as de samba.
Menos a do Leal.
Com certeza, não.
Vic Pires Franco

Juvencio de Arruda disse...

Bom dia, deputado, e obrigado pela visita. Mas foi o que garantiu a minha fonte que, aliás, gosta muito de WB. Se não conferir, não lhe retira os méritos, apenas deixa de acrescentar mais um.
Abs

Lafayette disse...

Meu pai sempre fala bem do Walmir.

Vou com o velho!

Anônimo disse...

Será que o Lafayette não entendeu o post ?

Lafayette disse...

Entendi sim, por isso só registrei.

O que não entendo é o anonimato para um assunto deste. Mas, tudo bem, direito é direito...

Anônimo disse...

Pelo jeito, o deputado Vic não vai muito com a cara do Walmir Botelho.
Que porrada segura, hein.
E o pior, é que o Walmir não pode nem dar o troco.
Ou não ?

Anônimo disse...

Quem conhece o Walmir bem de perto sabe que ele tem suas convicções e não é de deixar-se dobrar, mesmo por seus empregadores, incluindo aí o atual.
Ele não se presta a servir de "pau mandado" e engana-se completamente quem imagina que ele permite a seus redatores e editores divulgarem o que contraria a sua linha de trabalho.
Mesmo sendo introvertido, o seu comando é firme e seguro e coitado de quem o contrarie.

Anônimo disse...

O anônimo das 8:14, definitivamente, não conhece o Walmir Botelho. Não, mesmo.
Se conhece, faz que não conhece.
Walmir, faz as honras da casa, sim, e com muito gosto.
Tanto é, que o Liberal é isso que a gente lê todos os dias, e critica tanto, aqui. E quem faz a redação, com essa mão de ferro, como afirma o anônimo, é o próprio Walmir.
A mando de quem ?
Do Papa, é que não é.
E por conta própria, muito menos.
Só de vez em quando. Ou de quando em vez...

Anônimo disse...

Mestre dos blogs...o Walmir Botelho é um ótimo companheiro, que sofre com Remo e com o Flamengo. Eu já trabalhei para o mesmo, fazendo serviços pessoais e sei o quanto é pacato cidadão, como cantou o Samuel Rosa. Ele é um dos poucos jornalistas da Capital que naum agrada nem desagrada,e como vc mesmo escreve, é assim... faz parte...abraços do Mediador de Emoção ! Obs : quem sabe o coletivo revolucionario socialista nao tenha palavras tambem, rs...

Juvencio de Arruda disse...

Mestre dos comentaristas, vc sabe que sua opiniao tem peso aqui no blog. Suas palavras conferem com o que diz a minha fonte.
Aemais, chefe é chefe, neste mundo difícil do trabalho.
E "é assim" mesmo, sabemos (quase) todos.
Abs

Anônimo disse...

O Walmir faz bem o trabalho dele.
E segue, também, a linha do dono do jornal. Foi assim por onde passou: O Liberal, Estado do Pará, Correio Brasiliense, Última Hora.
E como todo chefe, tem o seu "time" predileto, que não abre mão em suas caminhadas.
O post foi em cima do lance. E dos detalhes.