27.3.09

Metáforas, Instituições e Barbárie

O jornalista e blogueiro Paulo Bemerguy colocou a peça que faltava no quebra cabeças ao pugnar pela prisão do marginal Duciomar Gomes da Costa.
A desobediência, enquanto tese, é uma pedra de toque, pois contorna o cotidiano dos roubos, desvios e outros crimes executados pela organização que devasta a cidade há mais de quatro anos.
Bemerguy arguiu, tão somente, a recalcitrante desobediência às sentenças, suprema desconsideração da Justiça, objeto de seguidos deboches por parte do prefeito falsário.
O que pode haver de mais danoso, lesivo e desmoralizante, para a Justiça, do que as gargalhadas de Duciomar Costa?
Certo de que não há Justiça para enfiá-lo no fundo de um xadrez, na companhia de seus iguais, o marginal não atenderá as obrigações das sentenças. Por uma razão muito simples: o dinheiro já foi, sumiu, desapareceu, tragado pelo vórtice da mais escancarada corrupção que se apossou da cidade em seus quase 400 anos de história.
Mas há indícios que a situação pode mudar. Porque não pode continuar.
Embora diferentes, os tempos da Justiça e da Política acabam convergindo. E o momento da convergência está próximo, muito próximo mesmo.
Em épocas anteriores, mas não muito e nem tão longe daqui, a população arrombaria as portas do covil deste marginal, arrastaria-o em direcão à praça pública, e cumpriria os desígnios que todos conhecemos.
Nestes tempos, entretanto, há outras metáforas.
Não vou chamá-las, ainda, de instituições, pois elas não se apresentaram em sua inteireza, prova-o a sorridente impunidade do marginal, e a generalizada e impressionante hiperatividade da organização.
Quando a prisão for pedida, concedida e executada, aí então eu assim as reconhecerei. Mas esta superação - da condição de metáfora à instituição - não pode mais tardar. Cabem às metáforas - já!, agora! - ensaiar ao menos uma vez a condição de instituição, em defesa de dois milhões de pessoas, evitando que elas sublevem-se por não reconhecer instituições, e sim metáforas.
Ou as instituições ou a barbárie, intensamente exercida pela organização.
A História, bem sabemos, só repete enquanto farsa e tragédia.
Neste momento, temo pela farsa e tragédia da inconcretude das instituições. Não temo pela sociedade, transcendente historicamente às intituições e suas metáforas.

17 comentários:

Francisco Rocha Junior disse...

Subscrevo e vou levar pro Flanar.

Anônimo disse...

Juvêncio,
A cidade está sem comando, sem governo.
Essa medida do MPE sobre manutenção das obras de saneamento da Bacia do Una é mesmo necesária porque a gestão da área, cujo saneamento custou mais de R$250 milhões, caso de justiça. As chamadas "obras de arte" estão se depreciando mais rápido do que deviam por falta de manuençao. Não se assustem se as pontes e passarelas começarem a desabar; os canais já começaram a transbrodar; as margens do Canal S. Joaquim, no Barreiro é, em quase a total extensão, uma lixeira só.
Mas não é preciso ir à preiferia para constatar o abandono da cidade, a falta de admisnitração e comando. Vejam este episódio: durante esta semana que acaba, quase todos os dias, carretas cegonheiras descarregam carros zero num local que toda a classe média de Belém gostaria de morar: na Almirante Wandenkolk com João Balbi (outro ponto tradicional dessa operação é na própria Almirane Barros, em frente ao velho mercado de S. Brás). Por volta das 11 horas desta sexta, uma dessas carretas concluía sua missão bem ao lado do edifício Torre de Alhambra.
E não aparece ninguém para coibir. Duvido que isso aconteça - não vamos muito longe - em Goiânia, por exempolo, ou em outra capital qualquer. Só mesmo em Belém, cujo prefeito vive sob vara. Ora, com tanta pressão política e judical, não deve ter tempo para sua tarefa de prefeito, que é cuidar da cidade.
Pobre Belém!
Pobre Pará!

Juvencio de Arruda disse...

Obrigado, Procurador.
Abs

Lalá disse...

Impeachment já!
Prisão já!

Anônimo disse...

Parafraseando Caetano Veloso, em música dedicada à cidade do Salvador, a partir de versos do poeta Gregório de Mattos, "Triste Belém". Triste, muito triste!
Satchel Paige

Juvencio de Arruda disse...

O blog sente a sua falta, Satchel.
Valeu a visita.

Anônimo disse...

J, vc me faz lembrar o Lavor Papagaio e " O Sentinela".
O fato e que nem novos "brigue Palhaco de Grenfell" calarao.
O cerco de Belem e a retomada se aproximam.Nao existe cal para toda a atual populacao ...
Lavores,tapuios Philippe ( "Mae da Chuva" ) e "Domingos Onca", reencarnam 175 anos depois da chegada do escriba, a "Gorita do Para".
A Historia se repete.

Anônimo disse...

O Ministério Público Federal pediu a condenação do grupo em abril do ano passado, após a conclusão das investigações da operação Narciso, deflagrada em 2005.

A Polícia Federal prendeu Eliana Tranchesi, dona Daslu a 94 anos de prisão.

A condenação máxima dada aos réus foi justificada pelo fato de o grupo ser considerado uma quadrilha que cometeu crimes financeiros de forma habitual e recorrente, mesmo após a denúncia do Ministério Público Federal.

Meu caro Juca, isso não se aplicaria ao Falsário Dudud, por desobedecer o MPF?

Cadeia para o Falsário e sua Quadrilha Organizada. Saqueadora dos Cofres Públicos.

Prof. Alan disse...

Juvencio, Mano Velho, acrescentando dados históricos à nossa luta contra a corrupção: o roubo de recursos do Erário sempre foi condenado com vigor, pelos maiores luminares da Humanidade.

Cito aqui dois exemplos:

1) Platão, em seu diálogo Górgias, define a corrupção como o maior e mais ímpio de todos os crimes que o governante pode cometer, colocando-a como algo típico dos piores tiranos;

2) Dante Alighieri (il sommo poeta), na sua Comédia coloca os corruptos no Oitavo Círculo do Inferno, onde lhes são impostos dois diferentes (e dolorosos!) castigos: banhados em piche fervente e fustigados por tridentes ficam os fraudadores, os que negociaram favores para particulares em detrimento do bem comum; os ladrões são picados por serpentes, cuja mordida lhes ateia fogo até ficarem em cinzas, para depois se recomporem, reiniciando-se assim toda a tormenta...

Pelo peso das condenações vê-se que desde a Antiguidade a corrupção merece o mais pronto e veemente repúdio de todos.

Anônimo disse...

É por isso que os bandidos se sentem à vontade, em Belém. É por isso que a violência cresce. O mau exemplo vem de cima. Duciomar Costa fraudou diploma, “receitou” óculos, se lambuzou no erário e tá aí, impávido, impune, solto, aquela cara sem qualquer expressão, fria, cínica. Sem ofensa, claro, à Escola Cínica, aquela que, fundada pelos filósofos Antístenes de Atenas e Diógenes de Sínope, pregava a volta à vida em total sintonia com a natureza, numa boa, e, por isso não estavam nem aí para valores, usos e regras sociais vigentes. Hoje e aqui, nem as regras vigem (vigem, que feio, né? Virgem!).

Anônimo disse...

O prefeito tem viagem marcada para a Itália e EUA, para cuidar de interesses da comuna.
Será mesmo só da comuna?
Das mãos de patife no se pode esperar muita coisa, mesmo que diga de pé junto que tem boas intenções.
Mas, vá lá que sejam boas as razões dessas viagens internacionais.
Alíás, todo prefeito inventa "cidade irmã" no exerior, parcerias com grupos empresariais, fundos públicos etc. São boas oportunadides para belas farras com o dinheiro público. Eu, sinceramente, não acredito nesses caras.
Mas aqui vai um fato concreto: nesta semana, o falsário recebeu empresários italianos que querem instlar em Belém o mais sofisticado projeto de hotel de serva.
Dudu almoçou na quarta-feira com os empresários, no restaurante do Mangal das Garças.
Consta que três áreas estão cogitadas. O papel da PMB na implantação desse projeto será fundamental: criar facilidades para os empresários viabilizarem o projeto de dezenas de milhões de reais.
Quem viu a conversa dos comensais conta que os olhos do falsário brilhavam.

Anônimo disse...

vamos tambem citar o caos no transito, esta semana a riachuelo com a pres vargs estava interditada e nao tinha um guarda se quer para sinalizar os motoristas a não entrarem na riachuelo e dai se formou o caos inclusive ambulancia com paciente dobrou a pres vargas e deu de cara com o cavalete sinalizando obra na pista, sinceramente um derespeito ao municipes desta cidade, sem falar das inumeras paradas de taxi criadas por eles mesmo inclusive na frente dos correios onde antes era camelos, agora taxistas sem autorização de ninguem e por ai vai, na praça brasil, os taxis fecham a pequena rua esquina com a senador lemos...e nada nenhum guarda pra acabar com o abuso, vivemos uma cidade sem Lei, sem comando das secretarias que deveriam coibir abusos e melhoras a vida das pessoas sejam motoristas sejam pedestres, pobre belem mesmo, cana nesse sem vergonha, nesse salafrario, nesse falsificador, e tudo mais que não vale a pena e preste.

Anônimo disse...

Eu não entendo pq a Dra.Ana Karizia, após um ano sendo enganada por escrito pela sesma, solicitando ajuste de conduta, sem ser respeitada nas suas solicitações, agora vai até o prefeito Duciomar oficializar essa enganação.Dá pra enteder Juvêncio?

Anônimo disse...

Quem conhece uma ONG chamada AMARIBO - AMIGOS ASSOCIADOS DE RIBEIRÃO BONITO (S. PAULO)?
Visitem o site wwww.amarribo.org.br.
Está na hora de criarmos algo parcido aqui, pois a cidade está sem controle e o Legislativo é uma tragédia.
O idealizador da ONG (o conhecido Antonino Trevisan, dono da Trevisan Consultoria), natural de Ribeirão, ajuda a criar entidades do gênero para criar a cultura da fiscalização popular do poder público e combater corrupção, má administração, falta de transparência, aplicação incorreta do dinheiro público, qualidade de gestão da cidade.
Data vênia, caro JUCA, que tal discutirmos isso e partir para ação, afinal não se pode mais confiar e contar com os políticos. Ou tomamos as rédeas ou estaremos ferrados enquanto todos (eles) se locupletam.

Diógenes Brandão disse...

Nem de longe o prefeito mais nefasto que Belém já teve poderia ser considerado da escola grega acima citada, nem tão pouco, poderíamos ter a frieza de continuarmos de braços atados diante tão infame cidadão.

Não consigo ainda compreender o que fez com que a população de nossa cidade, em rejeição à gestão petista de Edmilson Rodrigues, ou sabe-se lá porque de fato, optou por Duciomar e não outro candidato (Ana Júlia, por exemplo, que naquele momento era senadora), e mais recentemente por ele em sua reeleição prá lá de preconizada como de barbárie e caótica para nossa pólis.

Não entendo também porque o Fórum Belém não está pautado para estar com seus militantes - todos preocupados pelo bem de Belém, com a segurança, a saúde, a cultura do Estado - na praça da república, quando neste domingo, reagirão por lá centenas de pessoas que foram mobilizadas à partir do descontentamento contra o engavetamento da CPI da saúde, pela gangue que representa o falsário na casa da nóca, como chama carinhosamente o sábio poster do quinta.

Anônimo disse...

Galera, é o seguinte, enquanto o povo não for pra rua, numa mega manifestação, tendo como destino a porta dos dois prostíbulos em que foram transformados o histórico palacete Antonio Lemos e Câmara Municipal, será em vão tentativa de CPI da saúde e a expulsao das ratos e ratazanas do subterraneo do poder. Pois o envergonhado PT, um dos principais responsáveis por essa cagada, não tem mais capacidade de mobilização e credito por parte da população para mobilizá-la, aí limita-se em atuar na única e viciada trincheira que é o desgastado parlamento. Ou seja, o povo vai continuar míope e indiferente, sofrerá os castigos por ter errado feio em eleger esses coveioros de sonhos.

Anônimo disse...

Pior de tudo é nosso povo - uma parte informada mas desonesta e outra que vende o voto por borós e cestas básicas -, que elegeu este falsário.
E este safado se elegeu com ajuda da "grande imprensa" (Diário e Liberal), que se vendeu para ele.