25.3.09

O Silêncio dos Jornais

Por Luciano Martins Costa, no site do Observatório da Imprensa, sob o título acima.

A Folha de S.Paulo e o Globo ignoraram a notícia, mas o Estado de S.Paulo publica na edição de terça-feira (24/3), com destaque, que o Tribunal Regional Federal da 3ª Região impôs ontem uma importante derrota à estratégia de defesa do banqueiro Daniel Dantas.
O controlador do banco Opportunity queria trancar a ação penal nascida da acusação de corrupção ativa, por tentativa de subornar um delegado federal para ser excluído da chamada Operação Satiagraha.
A decisão é fundamental para o prosseguimento das ações judiciais contra Dantas. Por essa razão, os leitores da Folha e do Globo ficarão menos informados sobre o assunto do que os leitores do Estadão.
A defesa de Daniel Dantas queria que a Justiça Federal considerasse irregular a parceria feita entre a Polícia Federal e a Agência Brasileira de Inteligência – Abin – durante as investigações. Se a Justiça acatasse essa tese, o processo poderia ser abortado, mas os magistrados votaram por unanimidade considerando que a ação conjunta entre a Abin e a Polícia Federal não tem nada de errado.

Muito barulho

Fica, portanto, sobre a mesa, uma questão incômoda para ser respondida pela imprensa. A quem mais, a não ser ao próprio Daniel Dantas, interessaria toda a campanha feita principalmente pelos jornais O Globo e Folha de S.Paulo e pela revista Veja, no sentido de criminalizar as ações da Polícia Federal junto com a Abin?
Fica evidente, até mesmo para o leitor mais distraído com a paisagem, que parte da imprensa brasileira tem dedicado os últimos meses mais energia e espaço à tentativa de desqualificar os investigadores do que a investigar o acusado.
Foi tão desproporcional a concessão de espaço para supostas revelações sobre desmandos atribuídos ao delegado Protógenes Queiroz e ao juiz responsável pelo caso Satiagraha, Fausto de Sanctis, que algum leitor poderia supor que o delegado e o juiz é que eram os principais acusados.
O fato de parte da imprensa omitir na terça-feira (24) de seus leitores que a Justiça Federal considera normal a parceria entre a Polícia Federal e a Abin chega a soprar na brasa da teoria conspiratória segundo a qual o banqueiro contaria com a solidariedade de algumas redações.
Será que foi apenas um "furo" do Estadão? Os outros jornais não têm acesso à agenda da Justiça Federal?
Depois de todo barulho a respeito das ações conjuntas entre as duas instituições, o silêncio da Folha e do Globo chega a ensurdecer.

A disputa pelos leitores

O caso Satiagraha deflagrou uma guerra nos bastidores da imprensa, que só pode ser acompanhada pela internet.
Desde o já clássico confronto entre a revista Veja e o jornalista Luis Nassif, até os vazamentos e contravazamentos de supostas revelações da Polícia Federal, o escândalo envolvendo o banqueiro Daniel Dantas dá uma idéia de outra disputa que marca este começo de século: a disputa entre a imprensa tradicional, de papel, e a nova imprensa, que trafega pelos meios eletrônicos, pela atenção e o tempo dos leitores.
A internet está completando sua segunda década. A configuração gráfica da comunicação entre computadores, inaugurada com o navegador Mosaic, em 1994, cresceu, se espalhou pelo mundo e se miniaturizou, conquistando espaço também nas telinhas dos telefones celulares. O jornalismo infiltrou-se pelos novos meios, e agora o leitor, antigo receptáculo passivo de informações, é também agente e observador da imprensa.


----

Imagine voce, leitor do Quinta, se Luciano Martins Costa acompanhasse as duas maiores folhas paroaras.

4 comentários:

João Carlos Rodrigues disse...

Ele teria um infarto, Juca...

Anônimo disse...

Jucaríssimo, ó oráculo dos blogs, aproveitando a deixa pergunto o que tem levado O Liberal, Diário do Pará e Público a escracharem por tanto tempo a situação da saúde em Belém: seria por que finalmente a imprensa cumpre seu papel de informar à sociedade? Ou por que o Robin Hood oculista (com uma ressalva, ao contrário do herói inglês, o nosso rouba para si e sua quadrilha) mais do que nunca só pensa em si e nos seus e não tem dividio o bolo como dantes? Ou, lembrando Valério Arcary, quando não há mais como se resolver as coisas pela concertação, as elites preferem perder os anéis do que os dedos, ou seja, como a população está cansada de sofrer e estamos próximo a uma insurgência na saúde (e em outras áreas também) é melhor tentar consertar (com s mesmo) do que uma rebelião iminente. Para os céticos com relação à capacidade do povo se mobilizar, lembro de novo Arcary, no FSM. Ele disse mais ou menos assim: "não pensem que a História está parada. Não percebemos porque estamos no redemoinho. Mas o cenário está se configurando para, em breve, vermos nos olhos de nossos trabalhadores o mesmo ódio que percebemos nos das camponesas bolivianas que se encontram nos cartazes espalhados por esse campus". Oxalá que não demore!

Cabelo Seco disse...

A veja está se tornando patética com suas acusações contra o delegado Protógenes, o delegado está passando por uma investigação da corregedoria e até o momento não foi encontrado nada irregular. Seria a editora abril mais um investimento by Dantas?

Anônimo disse...

VEJA, Folha e Globo não enganam quem é bem informado de verdade. Sempre há um intesse monetário e/ou de poder político no meio. Sempre. O Grupo americano Times que o diga.
ABs, Juca