20.5.09

Hurricane

Começa a subir, na escala Saffir-Simpson, a força do vento que balança a roseira do secretário de Comunicação do governo do Pará, Fábio Castro.

24 comentários:

Juvencio de Arruda disse...

juvencioarruda@gmail.com

Anônimo disse...

O André Farias, no entanto, continua firme e forte na SEIR. Está em Brasília tratando de assuntos do governo do Estado.

Anônimo disse...

Mudando um pouco de assunto, é patético o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso dizer que sente-se repugnado com acusações feitas ao PSDB de que a CPI da Petrobrás é para desmoralizar a empresa para uma futura privatização. Logo ele, que entregou a Vale do Rio Doce pro bandido. Vendilhões da pátria, os tucanos esperam que se pense o quê deles?

Anônimo disse...

Juva parece q o governo tenta recuperar o tempo perdido!!Será q um ano e meio é suficiente para mostrar ao q veio??Agora perala sair como Imcompetente!!O professor não merece...

Juvencio de Arruda disse...

Se sair, das 5:12.
E a competência do professor não está em discussão.
Não por este blog.

Anônimo disse...

Pensei que a possível mudança na Secom fosse um sinal de que realmente o governo tivesse acordado para o real papel de sua comunicação, mas a ser verdade o que se diz sobre o perfil do novo secretário -o blog do Bemerguy diz que para o governo ele não apenas precisa se comunicar melhor, mas também precisa vender uma imagem melhor, portanto estariam buscando um publicitário - fica claro que nenhuma lição foi aprendida nesses dois anos e que se aproxima do horizonte mais um grande equívoco.
Hoje em dia não se trata mais de ser jornalista, publicitário ou militante. O importante é que a vaga seja ocupada por alguém que conheça todas as fatias da pizza chamada comunicação integrada. Alguém que identifique os públicos-alvos de cada programa do governo e crie estratégias de comunicação adequadas a cada um deles. Gente e dinheiro para isso há. Não existe receita de bolo. É preciso ter estratégia e principalmente é preciso ser alguém que goste e saiba se relacionar com a grande imprensa local e nacional. Que saiba tratar com rádios do interior com os pequenos jornais, etc. Enfim é preciso ser um negociador e um Gestor não apenas dos recursos, mas também das demandas da comunicação (e não demanda aqui não é publicidade não viu?). É preciso ainda ter coragem e autoridade para dizer a verdade à governadora e aos secretários. Alguém que entre nos gabinetes sem bater na hora em que precisar. Um dos problemas da comunicação hoje é o medo de falar que a rainha está nua e orientá-la para buscar uma veste. É isso que o Franklin Martins vem fazendo desde que assumiu e os resultados estão aí para quem quiser ver.

Anônimo disse...

Juvêncio: 5h18 e ainda não sabes das coisas?

Anônimo disse...

Ortega e Fábio Castro já estão fora.

Juvencio de Arruda disse...

Caríssimos das 5:22 e 5:25.
Vcs tragam as notícias.
Vou sair e na volta saberei das últimas, por vcs..eheh

Anônimo disse...

Desde que assumiu venho ouvindo notícias de que o Fábio Castro está prestes a perder o cargo... além de nomes cotados para assumir o seu lugar

Num sei não, mas acho que isso é mais um alarme falso. ou não?

Anônimo disse...

É o papel do jornalismo.

Anônimo disse...

Duvido muito que os veículos se contentem em ouvir um "negociador e gestor", se ele não estiver com a carteira bem fornida.
O perfil e o apetite dos jornalões já foi exaustivamente traçado e retraçado aqui neste blog. Os narigudos e sobrancelhudos só entendem a linguagem da grana, da bufunfa, da baba. O resto é comunicação. E disso, ninguém duvida,o professor Fábio entende muito.
Difícil de entender é como esse governo vai administrar, sem dinheiro, um aliado dono de jornal e um rival do aliado que também é dono de jornal - cada um, ao seu modo e ao sabor de seus interesses, mordendo o governo sempre que a "Pedigri" escasseia.

Mauricio Leal Dias disse...

ele ainda n pediu p sair ??

Anônimo disse...

Qualquer governo que prime pelo mínimo de competência não pode permitir que critérios que não sejam baseados na qualificação profisional - só a acadêmica não basta - norteiem escolha para cargos de relevância, como a Coordenadoria de Comunicação Social.
Do contrário, o fracasso é certo.

Anônimo disse...

Se eu fosse a Ana pensava em chamar o anonimo das 5:21.

Felipe disse...

Parece que quem tem a fórmula do sucesso da comunicação acha que é só chegar e aplicar, não tem a mínima idéia que o secretário também recebe ordens e o de comunicação especificamente, tem que usar grande parte da verba para "minimizar" erros de outros secretários perante a imprensa. Com pouca verba e preso a questões políticas, pode trazer o Duda Mendonça que o milagre esperado não será feito.

Anônimo disse...

O Problema do Governo não é de Comunicação e sim de Gestão. O Papel do Jornalismo não é fazer milagres...

Anônimo disse...

É anônimo de 11:11, pelo jeito pra ti a qualificação acadêmica não basta mesmo, só a qualificação profi“S”ional. Deves ser um profissional com essa qualificação.
Concordo com o Felipe, receita de bolo só da certo pra Dona Benta. Na comunicação, ainda mais a do Governo, a coisa é bem diferente.

Anônimo disse...

Sem essa de falta de recursos.
Nunca antes um governo contemplou com tantos recursos a comunicação com esseda DonaAna. Basta olhar os últimos orçamentos e comparar: só neste ano de 2009 são mais de 60 milhões de reais, quase três vezes mais do valor do último ano tucano.
A verdade, como já bem disse um anônimo aí no alto, é falta de gestão: em todos os sentidos, é bom que se diga.

Anônimo disse...

Até porque no jornalismo não existem santos.

Anônimo disse...

Se trouxer o Duda Mendonça aí é que o milagre esperado não será feito, mesmo.

Val-André Mutran disse...

Comunicação é ciência. O resto é figuração.
Fábio é um tremendo profissional.
Como ficam as notícias que não sairam?
Um exemplo:
A decretação do Estado de Emergência em Marabá e a posterior homologação do Governo de sua chefe.
Fábio passou batido.
É R$ 50.000,00 contra R$ 70.000,00/dia.
De um lado, o governo que comunica. Do outro, o que paga a conta da ausência do suposto parceiro.
Setentinha por dia, contra cinquentinha de cala a boca. Meia centena de cestas básicas. Um "H" da pôrra (pode publicar mestre), e
a conta jamais vai fechar.
A notícia que não saiu.
E os jornais paraenses se afundam por falta de quadros investigativos.
Nenhuma novidade. Os bons não aceitam salários de fome.
Mestre Lúcio tem toda a razão.
Correspondentes de internet.
Enviados especiais de merda!

Val-André Mutran disse...

Sobre outro assunto. São exatamente 5:03 da matina, estou de saída para uma viagem de trabalho. Pensem:
E a recuperação da arrecadação própria do Estado?
A queda deste mês volta a assombrar o Governo.
A folha de pagamentos não fechou.
Sabe que dia é hoje?
Bom dia!

Anônimo disse...

Caríssimo da 5h33: não precisa agradecer.