28.5.09

Terra do Meio

(clike na foto para aumentar. O lugar é estonteante.)

Por André Nunes.

Um lugar para ser feliz.
Enfim um restaurante rural paraense!
Maniçoba, Pato no Tucupi, Caruru e vatapá (à moda do Pará), claro que tem, mas tem também as peixadas.
Filhote, pescada, tamuatá no tucupi, tucunaré, pirarucu, tambaqui, camarão e caranguejo, de toda maneira, galinha caipira, daqui mesmo, do terreiro, assada e ao molho pardo.
Baião de dois com torresmo.
Tem tartaruga, sim senhor! Paxicá, guisada, picadinho, meu Deus. São de comer rezando.
A inspiração foi, inicialmente, da maravilhosa cozinha do Baixo Amazonas, by Rose Salame.
Tem picanha e filé mignon. Alto, mal passado, bem passado, com fritas, purê, farofa de ovo.
E, agora, vem o mais importante:
Tudo isso em um parque ecológico, em Marituba, a 15 minutos de Belém, com 200.000 metros quadrados de rios, e floresta.
Dois quilômetros de trilhas. O silêncio, a toda hora é quebrado pelo cantar dos pássaros, ou pelo papo dos visitantes. E o assunto é sempre o mesmo, as plantas, as
árvores, os pássaros e, quem sabe, uma cotia distraída almoçando debaixo de uma castanheira ou cumaruzeiro.
Tem ainda o passeio de canoa pelo rio, debaixo das árvores do igapó ou em meio ao tapete de mururé.
Pode até dar comida para os peixes. Comida que peixe gosta. Peixe e tartaruga.
É programa para homem, mulher, menino e menina, grandes e pequenos. Aquilo que os antigos chamavam de família.
É programa para a turma.
Para o almoço do executivo que tem pouco tempo durante a semana.
Enfim, é a Terra do Meio.
Um lugar para ser feliz.
Em tempo: Abre para o almoço a partir deste sábado 30.05.
Venha. Vai ser bom.

31 comentários:

Ale Carvalho disse...

Quero protestar! É uma falta de respeito a gente ler esse cardápio antes mesmo do lanche da manhã! Parei ali na galinha caipira! Quando for comer o almoço, vou lembrar desse texto. =) e desse trecho: "árvores e pássaros e quem sabe uma cotia distraída..."

bjs

Anônimo disse...

Gostei da proposta....

Mas essa tartaruga? É legalizada?

J. BEÁ

Newton Pereira disse...

Juvêncio,

Quando chegar em Belém já sei onde vou matar saudades da minha terra.

Newton Pereira

Yúdice Andrade disse...

Isso é que é serviço de utilidade pública! Mal li a mensagem e já telefonei para me informar. Inauguração no sábado. Vou me programar para conhecer o lugar, com direito a levar a minha filha para um passeio de canoa.
Valeu a dica!

Juvencio de Arruda disse...

Amigos, vcs vão adorar.
Um dos filhos do André, o Pedrão, faz um pirão de peixe que nunca vi nada igual em 50 anos de consumo da iguaria.
A temperatura do lugar é surpreendente. Além da cotia, mais comum do que diz o André, vez em auando um patarrão pousa no lago em frente a casa, nascente de um dos afluentes do Uriboca.
Sim, a tartaruga é legal.
Bom apetite!
Abs a todos

Anônimo disse...

Como chegar lá?só diz que é em Marituba...

Anônimo disse...

Jevencio,
Altere a data que saiu no post. De 30/06 para 30/05.
Gardeline

Juvencio de Arruda disse...

Alterado, Jader.
A "barrigada" é do André...rs


Das 10:18, clique na imagem.
Tem uma explicando o acesso.

Lafayette disse...

Querido Juva, acabei de falar com o papai... ele está emocionado pela "deixa". Está lá no Ver-o-Peso. Agradeceu de montão.

Quem agrada meu pai, meu pai se torna...

Obrigado pela importância de você se importar com o velho, meu novo pai!

Juvencio de Arruda disse...

Grande Lafayette, emocionado fico eu com tantas "deixas" que o Urso Velho já me deu.
Obrigado à vc pela honraria, aceita de coração aberto.
Abs

Anônimo disse...

Belíssimo!
Só uma coisa me preocupa, "seu" Quinta: entrar numa estrada vicinal (Uriboca) não é arriscado não?
Ainda mais nessa "terra de direitos"?
Gostaria, sinceramente, de mais informações de quem conhece a área.
Mas a programação é, sim, interessantíssima, sem dúvida.

Juvencio de Arruda disse...

É, o risco que corre o pau corre o machado em qualquer lugar desta cidade. Uma coisa eu lhe garanto: não há bandidos mais perigosos que os instalados nos bairros de bacanas.
Boa sorte pra todos nos.

Rafael Guedes disse...

Juvêncio, não só acredito que o lugar deva ser sensacional como estou me programando pra conhecê-lo.

Mas - talvez eu esteja enganado - eu não entendi o porquê de tanto Photoshop no anúncio. Aquela cabra e aquela gangue de aves ficaram muito fakes. Será que vamos ver mesmo esses bichinhos por lá?

Abraços.

Lafayette disse...

Juva, agora te prepara pra mesada! rsrsrsrs

Com um olho no peixe e outro no curativo, consegui postar lá no meu sobre a inauguração do Restaurante, com direito a fotos de arquivo particular.

Mais uma vez, obrigado.

Lafayette disse...

Rafael, é verdade, tava muito fake mesmo, tanto que o papai diminuiu a quantidade de aves e ainda só deixou uma cabra na foto...

...bricadeirinha...

A mata é exuberante lá e os animais aparecem mesmo, vez por outra é claro (mais "vez" do que "por outra").

Fique de olho que, por lá, sempre aparecem umas borboletas lindas, de um azul quando abre as asas - é preta na parte de baixo - belíssimo, que, há mais de 20 atrás, Bento Mascarenhas disse que, pela grande ocorrência, deveria ser habitat natural delas ali).

Vá conferir. Meus pais são grandes anfitriões, terão o maior prazer de te receber.

Rafael Guedes disse...

Gostei da descrição. Estaremos lá muito em breve.

Você têm previsão de quando terá uma definição em relação ao preço? Entrei em contato mas me disseram que isso ainda está sendo esquematizado.

Abraços.

Lafayette disse...

Sei não (sou dos filhos, o mais desnaturado! rsrsrs).

Vou perguntar pro velho, e assim que souber... nem sei se falo. rsrsrsrs

Vai que isto é anti-marquetingue, pois, preço é composição, e, em se tratando de restaurante rural, a composição entra: barulho de chuva no telhado = aumenta um doze ávos, ventania levantando a saia das moças = dimuni um terço pra quem não viu, e aumenta dois tostões pra quem deu, ao menos, uma olhadela, tartaruga buiando a cabeça pra fora no lago e a a alegria da meninada, que só ouviu dizer que existe isso, gritanto: olha lá, olha lá...

Isso, Rafael, sem falar no preço da CRUVIANA, que não tem preço! rsrsrs

*Olha, tudo isso é só pra bater papo contigo, pois não sei mesmo... forte abraço!

. disse...

Nós vamos, né, Juca?

Juvencio de Arruda disse...

Mas com certeza!
Se pecisar de carona mande um alô.

Yúdice Andrade disse...

Quer dizer que o restaurante é do pai do Lafayette? Então vou combinar com ele um dia para conhecer (e assim ganhar um descontão!).

Anônimo disse...

Muito bacana! Em tempos de turismo de eventos em Belém, esse restaurante tem uma proposta muito boa (bem "turistável")!

As agências de turismo daqui deveriam olhá-lo com atenção.

Que achas, Juva?

Carlos Barretto disse...

Ahã!
Mas professor??
Carona?

Juvencio de Arruda disse...

Ora, seu Barretto...francamente...rs

Carmen Américo disse...

Tomei um grande susto quando lí "Terra do Meio", andei pela paragens lá do sul do Pará com este nome. Bem, esta se chega mais rápido. Boa Dica.

alessandro amaro disse...

Juca

já vou levar meus filhos no domingo para curtir a natureza em toda sua exuberância

Carlos Barretto disse...

Pelo jeito, vai faltar lugar. Se cada um levar um carona então...
Rsssss

zeca disse...

Muito interessante! Mas como chegar lá?

alessandro amaro disse...

Terra da desorganização

Longe de ser ou de querer ser um cara exigente ou chato, me sinto na obrigação de relatar aos leitores a minha saga no restaurante Terra do Meio.

Cheguei lá por volta de 12:30, curioso para conhecer as maravilhas da natureza e principalmente as da cozinha.

Estava com meus dois filhos pequenos, sobrinha, esposa, irmã e mãe.

Pedimos o cardápio e logo escolhemos a nossa refeição.

Medalhão de picanha a R$ 30,00, Filhote na manteiga por R$ 48,000 e Galinha caipira guizada por R$ 48,00.

Como vcs podem notar não se trata de um local barato.

E na espera da comida colocamos o papo em dia.

só que a comida demorou tanto que não tinha mais assunto.

por volta de 13:45, depois de cobrar da atendente chegou o primeiro pedido (filhote), inquirido sobre os demais pratos a mesma disse que a cozinha estava uma confusão só e que não sabia quando iriamos ser atendidos.

levantei e fui até a cozinha e lá fui informado que em breve seria atendido.

e eu esperando.

por volta de 14:15 chegaram a picanha e a galinha. A picanha totalmente crua e a galinha fria.

e para encerrrar a atendente colocou na minha mesa e depois retirou o pirão que acompanhava a galinha dizendo que era para outra mesa.

Conclusão.

Esperei, esperei e nada do pirão.

me aborreci, pedi a conta, paguei e fui embora lamentando o domingo perdido.

Uma pena pois o local e agradável, longe mas agradavel.

Lafayette disse...

Juva, o Alessandro já havia feito este comentário lá no blog do Pedro Nelito... vou repetir aqui, o que comentei lá... (com alguns ajustes para este blogger)

"Alessandro, se você me autorizar, passarei ao papai, dono do restaurante, o seu relato, para que tome, ou não, as providências para melhoria.

Ou, se não for pedir muito, você pode enviar diretamente a ele, pelo e-amil: andrecostanunes@gmail.com

Acabei de postar sobre isso lá no meu blog. Ele anotou o que viu e ouviu, mas, é sempre necessário obter relatos que não chegam.

A demora foi um dos (o maior) problemas. Certo momento tinha setenta e tantas pessoas no local!

Acho que papai não esperava tanta resposta, mas... é assim. Torço que melhore, nos dois sentidos.

E, grande Juva, publique mesmo as reclamações - lembra do Pequeno Príncipe? És eternamente responsável pelo teu carinho com os amigos!

Se não for pedir muito, copie e cole, informando a fonte, lá no meu blog para que eu possa sempre saber dos relatos possíveis e, se autorizado, repassar para o velho - ps.: acho que nem precisa de autorização, mas sempre é bom ser educado.

É isso."

Lafayette disse...

A pedido do velho, que da rua acabou de me ligar, copio aqui o retorno ao Alessandro, já feito no blog do Pedro Nelito:

"Caríssimo Alessandro,

Teu comentário foi por demais contundente, mas infelizmente com toda razão. Ninguém merece ser tratado como foste.
"Mea culpa, mea maxima culpa".

Peço-te, encarecidamente, que voltes. Agora como nosso convidado.
Erramos. Pedimos desculpas. Quando voltares, as coisas estarão melhores, não ainda como gostaríamos, mas com tua ajuda, inclusive críticas, chegaremos lá.

Obrigado,

André Nunes"

É isso... vamos que vamos!

Ciria disse...

Um Paraiso. Refugio agradabilissimo. Costumo remar na balsa(inha) que André construiu e ainda tomando minha cervejinha a bordo e me sentindo uma cabocla da Gema,ou melhor,do CHIBÉ.