22.5.09

Passagem de Nível

Fonte do blog liga ontem à noite para dar sua versão sobre a saída de Fábio Castro da secretaria de Comunicação, fato consumado.
Segundo ela, Fábio sai pelo novo perfil que deve assumir a Secom, mais voltada ao marketing, área assumidamente não dominada pelo professor. Ele tem participado de todo o processo de mudança, reunido com o tal "núcleo duro", e a governadora acompanha tudo.
Fábio não vai sair do governo, que não quer perdê-lo pois avalia que suas reflexões, debates e alertas muito já contribuíram em situações de tensão no governo.
Fábio disse à fonte que importa-lhe mais o projeto coletivo do que qualquer função.

-----

O perfil do novo secretário vai encontrar as mesmas barreiras que Fábio conviveu por quase dois anos: um oligopólio fortíssimo e comprometido com as piores práticas do jornalismo no mercado da informação estadual. Ainda assim, vai ter que rever as relações e acordos com este mercado, posicionando-se contra os constantes achaques e incluindo atores que ainda permanecem sob algum tipo de interdito. Há sinais nessa direção. Deverá investir nas possibilidades e alcance da web, mais forte que a penetração da mídia impressa da capital no interior. Deverá programar mais recursos para os veículos do interior com base na circulação, não atendendo pressões políticas de proprietários ou prepostos de veículos de ocasião ou de baixa credibilidade.
E, sobretudo, torcer para que diretivas de governo abram oportunidades à mídia governamental.
2010 começou muito cedo. É preciso dosar o gás até outubro do ano que vem.

----

Vamos olhar o Público com atenção.
Quem sabe ele se reposiciona e passa ao vagão da primeira classe nesse trem que está apitando na frente dele?

17 comentários:

Anônimo disse...

O Fábio Castro é uma figura singular. Sempre muito admirado e respeitado por todos que o conhecem.

Anônimo disse...

Fábio Castro merece todo o apoio de quem sabe que a política de comunicação da Secom está se estruturando em bases sólidas de transparência e competência. Só quem estava acostumado com o monopólio imposto pelo governo tucano não enxerga. Se Fábio sair, só a comunicação do governo só tem a perder.

Anônimo disse...

Fábio tem, como poucos, a virtude do bom senso. Pensa no coletivo e não no interesse individual, como a grande maioria, infelizmente. Não me admira este posicionamento que teve diante da mudança. A serenidade é marca dele, assim como a inegável competência, dentro e fora de sala de aula. Sorte de quem tem a oportunidade de trabalhar ao seu lado. Desejo a ele sucesso na nova empreitada. E que o novo titular da Secom saiba dar continuidade aos projetos inovadores do professor, que já deixou seu nome na história.
Ass: uma fã.

Anônimo disse...

Fábio,Sem dúvida um cara ético,companheiro de visão de longo prazo e inteligência e caráter ímpar.A governadora vai sentir muito a falta dele e não vai demorar...os acordos nesse segmento com donos de veiculos são pessoais..e os jornalões,esses ela não tem cofre pra negociar com eles.Se cuida Ana júlia pois a próxima manchete do teu amigo Jader Barbalho pode ser você como beneficiária do esquema do Chico Ferreria..se cuida...que tem muita merda ainda pra ser jogada no ventilador.
Fenix

Anônimo disse...

Fábio Castro cometeu um crime contra muitos coleguinhas: estudou. Isso mesmo. Desde o início de sua gestão, o que se vê é gente passando de blog em blog para desmerecer o Fábio pelo simples fato de ele ser um acadêmico. Como se isso o deixasse restrito à função de dar aulas e o impedisse de enxergar a realidade. É isso que vocês pensam que a academia faz com as pessoas? Os colegas que pensam assim só contribuem para o aumento da já imensa mediocridade do jornalismo paraense. Fábio cometeu erros, mas a culpa não é de seu doutorado ou, como dizem alguns, de seu desconhecimento das redações (isso poderia ser corrigido nomeando um bom nome para ser o responsável pelo atendimento à imprensa). Acredito que seus erros tenham sido mais no relacionamento para dentro do governo. Estou de fora, mas talvez tenha faltando vender melhor a comunicação para secretários e para a própria governadora que, por uma questão de personalidade, é o tipo de pessoa que odeia ouvir críticas e que faz questão de se cercar daqueles que são subservientes e dizem apenas o que ela quer ouvir.

Anônimo disse...

Mas o Público não é injetado pelo "do público"?

Juvencio de Arruda disse...

rs..tudo que o governo injeta, na Comunicação ou fora dela, é "do público".

Anônimo disse...

O projeto da Secom é inédito. O projeto de "Comunicação para a Cidadania" da secretaria, por exemplo, é o maior do País neste gênero e está levando conhecimento na área para todos os municípios paraenses, estimulando talentos, capacitando quem já faz comunicação (até por necessidade) e estimulando um mídia mais independente no Estado. Tem atraído, inclusive a atenção de comunicadores de fora. Este e outros produtos de comunicação do governo têm, entre outras, a característica do ineditismo e de alcançar o maior número de pessoas neste Estado tão grande - daí a importância da web e do Navega Pará, maior programa de inclusão digital do país. Só quem é cego não enxerga isso e ainda diz que a CCS de antes (dos 12 anos)era "melhor"... É bom lembrar que a necessidade de alcançar o grande público não é só uma questão de marketing. Marketing faz parte do jogo político, mas não é tudo dentro da Comunicação Social. Espero que o novo secretário tenha essa visão que o professor tem e soube muito bem colocar em prática. Basta ver o posicionamento do governo diante da relaização da Conferência Nacional de Jornalismo, quando chamou os atores sociais para conversar e lutar por essa comunicação mais democrática. Os projetos abrangente da Secom para Belém e todo o interior não ficam só aí, mas também têm destaque na mídia nacional, onde muitas vezes emplacou boas matérias sobre as potencialidades do Estado e entrevistas com a própria governadora, mesmo (e principalmente) quando a situação não era nada favorável ao governo. Poderia me estender mais citando os feitos do professor Fábio, só que ficaria cansativo. Espero, sinceramente, para o bem de todos, que o novo secretário tenha clareza e bom senso para levar adiante este trabalho inovador implantado pelo Fábio Castro.
Ass: a fã de novo.

Anônimo disse...

O Excelentíssimo Secretario de Estado Dr. Fabio Castro é realmente um profissional singular deve ser reconhecido pela sua competência e conhecimento em Jornalismo Político. Sua vasta experiência e currículo acadêmico lhe permitem um olhar apuradíssimo na comunicação. Quem o conhece, sabe que aceitou o desafio, não por questões de poder, ou finaceiras, mas sim por um idealismo político, por um pensamento coletivo e a serenidade com que vem encarando sua substituição na SECOM é prova disso. Parabéns Dr. Fabio, pelo excelente trabalho desenvolvido na comunicação e contribuição para o Jornalismo do Estado do Pará, como um anonimo ja disse anteriormente. Ja escreveu seu nome na história e sabemos que muito mais ainda irá fazer.
Agora é momento para um novo passo, certamente grandioso.

De uma fã.

Eu disse...

A Secom inteira tem muito orgulho de compartilhar com o Fábio os projetos inovadores que ele implantou.

Ele tem apoio irrestrito de quem está hoje na Secretaria.
E eu concordo plenamente com quem disse que Fábio errou quando estudou demais e causou ira em alguns profissionais medíocres que vêem isso como algo que o desqualifica.
Quanto contrasenso...

Mas ele é altruísta, idealista e realmente se importa mais com o projeto coletivo. É bem o perfil dele mesmo: se importar mais com o Governo do que com qualquer cargo. Ele acredita nisso. E em nome disso, que venha o próximo nome e continuemos com nossa missão na comunicação do Governo, seja qual for o novo direcionamento.

Anônimo disse...

Caro blogger,

Lendo esses comentários sobre o retirante da Secom lembrei-me dos que o precederam ao assumir a - quanta diferença !

Que e quem mudou?

Ou eu pirei ?

Ou nada aconteceu?

Parem o mundo , eu quero descer ...

Anônimo disse...

O Fábio tinha um projeto para a Secretaria, que não se restringe à publicidade e à assessoria de imprensa da governadora. Era um projeto de Governo, coletivo, como muitos ou muitas de suas fãs já menciosaram. Talvez esse projeto não tenha funcionado porque a prioridade é reeleger Ana Júlia. Só resta saber se o MP vazer cara de paisagem para a antecipação da campanha de 2010.

Anônimo disse...

Fabio errou no jogo político. Muitos não imaginavam que o projeto ousado dele pudesse emplacar mais de um ano no governo. Durou muito e abriu feridas grandes no oligopólio de comunicação. Se o novo secretário tem o obejtivo de vender melhor o governo só o poderá fazer melhor e mais facilmente porque Fábio fez o que fez. Nesse momento, talvez seja necessário um perfil mais agressivo, para o bem da manutenção da mudança nessa área. Dessa forma, a comunicação não só voltará a ser cada vez mais cativa mas será sempre refém dos interesses políticos e economicos de Barbalhos e Maioranas. Parabéns ao Fábio. Todos sentiram sua falta.

Anônimo disse...

Concordo com o anônimo de 1:30. Sentiremos muito a Falta do Secretário, Professor, Dr.Fábio Castro.
Parabéns. Excelente trabalho.
A Comunicação do Estado do Pará agradece pelas importantes contribuições ao jornalismo.

Anônimo disse...

Se a prioridade de Ana Julia é antecipar as eleições de 2010, e não fortalecer o campo das políticas públicas de comunicação, a substituição foi acertada.

Anônimo disse...

..."Fábio disse à fonte que importa-lhe mais o projeto coletivo do que qualquer função". Essa frase resume muito bem o trabalho de Fábio Castro à frente da Secom. É inegável seu trabalho em fortalecer a pasta nesta administração, que transformou um Núcleo em uma secretaria. Equipou a redação e fortaleceu o jornalismo do governo com nomes respeitados. Qual a redação aí no Pará, que não gostaria de contar com Vital, Samuel, Socorro, Paulo, Fabíola, Edir, Lázaro, Evandro, Aline, Ivonnete, Lucivaldo, Elizeu, Davi, Cláudio e mais alguns cérebros ??? Daqui de longe só posso imaginar que essa troca só poderá vingar quando começarem as obras de fato e o pagamento aos credores do governo. Ninguém em sã consciência acredita que um nome pode alavancar uma candidatura se não há uma política única de governo. O que parece não ser o caso aí, quando cada um dos secretários puxa o açaí pra sua cuia, não é mesmo ? Pobre Pará se torna vítima de uma mexida errada. O mais acertado seria manter o Fábio e fortalecer a política de ação, que parece inexistir. Tudo tem ficado no meio do caminho e isso parece não ser culpa da COMUNICAÇÃO. BOA SORTE FÁBIO! VIDA LONGA AOS SEUS.

Anônimo disse...

Podem chamar até a equipe de comunicação do Obama. Se o governo não presta, não tem comunicação que ajude. Este é, infelizmente, o caso do atual governo do Pará. Tem aue arregaçar as mangas e trabalhar.