3.5.09

Jornalismo ao Molho Pardo

Logo que começaram as reclamações sobre os Cadernos Sangue das pocigas, sugeri aqui no blog um TAC entre o MP e os jornalões. Ninguém se mexeu no MPE e nos jornais. Mas apanhei que nem boi fujão de alguns comentaristas, a maioria deles, hoje percebo, de alguma forma vinculada - profissionalmente, psíquicamente ou comercialmente - a impostura editorial.
Curiosamente, uma questão similar se passava na Bahia, só que com os programas de televisão Se Liga Bocão, transmitido pela TV Itapoan, afiliada a Rede Record, Que Venha o Povo e Na Mira, ambos da TV Aratu, afiliada ao SBT.
Esses programas serviam, na hora do almoço, um jornalismo à cabidela, por assim dizer.
O MP baiano entrou em campo e firmou o TAC que eu sugeri. Aqui, em lugar do TAC veio a taca. Por enquanto, em Nova Déli, a sangria estancou.
Quosque tandem?

-----

O artigo que conta a receita baiana está aqui, no OI.
E logo abaixo dele a matéria de capa do Jornal Pessoal que está nas bancas, que comenta a receita paroara.

7 comentários:

Anônimo disse...

Juca querido, com todo respeito, mas queria sua opinião sobre algo que tem me chamado a atenção, se não vejamos, após o surgimento da tão temida, gripe suina, no méxico, como que por encanto não se falou mais em crise economica mundial!! Quero crer que uma coisa não tem relação com a outra, mas parece que o risco de uma pandemia na saúde física, tem feito a pandemia economica arrefecer!!
grande abraço juca!!

Juvencio de Arruda disse...

A pandemia econômica vai aumentar um pouco com a gripe suína, e esta tomou conta do noticiário só na mídia suína, como disse em post na sexta feira, 1° de Maio.
Não queira crer que uma coisa não tem relação com a outra.
Abs

JOSÉ DE ALENCAR disse...

Meu caro Juvêncio.

Não sei se estou cometendo um erro de percepção, mas os cadernos policiais estão testando os limites da decisão judicial e aumentando gradualmente a taxa de hemoglobina nas fotografias. Nessa batida, dentro de uns dois três meses tudo vai estar vermelhinho e os baderneiros satisfeitos.

Juvencio de Arruda disse...

rs...tenho a mesma percepção.
Quem sabe antes disso a PGE entra novamente na Jutiça?
Se soltarem, sabemos, a cabroeira desembesta atrás de dinheiro.

Anônimo disse...

Juvencio, meu caro, neste post vc quase supera, apesar de ser assunto da maior importância, nâo pude deixar de rir -e rir mesmo, gargalhar, melhorando em muito esse meu morno domingo - , com as figuras de linguagem, como nem TAC, mas taca; apanhar que nem boi fujão, e o latim (até quando, é isso? É o Cícero?!!!)- o jornalismo à cabidela, então, tá de lascar!E sem descurar em momento algum do assunto, que repito, da mais alta seriedade, o que faz esse seu blog leitura obrigatória e diária, como aliás, não me canso de dizer. Pode-se até não concordar com vc, em alguns casos, o que é saúdavel e democrático, mas não rir, então, é impossível, nisso vc é imbatível!
JC
PS - Mas essa da taca, e não do tac, está impagável rs rs rs rs
kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Juvencio de Arruda disse...

rs...a taca não é mole não, JC.
A corja doentia está comendo as pontas dos dedos...eheh.

Anônimo disse...

O comentário do Lúcio é perfeito, mas a opinião pública a que ele se refere é a dele e de mais seis pessoas.
Pergunte aos baderneiros dos jornais o que mais vende,Lúcio? Você não tem procuração para falar pelos outros.
Na democracia não deve prevalecer a vontade da maioria?
Ninguém é obrigado a ler os cadernos de Polícia. Quem não gosta deveria simplresmente jogá-los no lixo. Por que é "obrigado" a ler, já que são cadernos separados?
Esse papo lembra as críticas feitas à Globo. Quem não gosta, é só pegar o controle remoto e mudar de canal. Não, o cara adora assistir e criticar depois.
Pessoalmente, sou contra a exposição de corpos nos jornais, mas o povão não é. E aí, como fica?