2.3.09

Observatório

O Programa de Mestrado em Ciência Política da UFPA, onde o poster estuda, viu aprovado pelas agências financiadoras federais o projeto do Observatório da Justiça na Amazonia. O OJA vai olhar, com a lupa científica, a atuação do Judiciário na região.
A coordenação do observatório será dos profs. drs. Celso Vaz, Graça Campagnolo e Marise Morbach.

19 comentários:

Anônimo disse...

Vai ter muuuuuito trabalho

Juvencio de Arruda disse...

Sim, muito.

Franssinete Florenzano disse...

Parabéns para Marise, e ganhamos todos nós com essa lupa vigilante.

Juvencio de Arruda disse...

Obrigado, caríssima.
Nos, blogueiros, estaremos pelo meio da lupa, pois a área da Marise é Mídia e Política.
Graça é sua colega advogada, e trata das relações Estado e Judiciário, e Celso tem uma longa carreira de estudos na questão da Igualdade e Democracia.
O OJA já tem um grupo de trabalho na regional Norte/Nordeste da Anpocs em setembro deste ano, em Recife.
Vem coisa boa por aí.

Anônimo disse...

Juvêncio, não demora e a OAB vai querer uma vaga de vogal no OJA recém-criado. Não deixe!

Juvencio de Arruda disse...

Como vc pode ler em meu comantário anterior, uma das coordenadoras é adv e mestre em Direito (PUC-RJ). Mas por que a OAB não seria uma parceira?
Se tem problemas é preciso resolvê-los, e a ciência é ótima conselheira. Inclusive para a Ordem.

Carlos Zahlouth disse...

Excelente notícia.
O Professor Biaventura de Sousa Santtos, no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra em Portugal, mantém faz anos um Observatório sobre o Judiciário.
Espero poder contar com notícias sobre o que foi instalado na UFPA.

Carlos Zahlouth - Juiz do Trabalho.

Anônimo disse...

Ai meu Deus, tenho até medo de tanta boa notícia em período curto. Depois da prisão do bandido Castelo Branco!!!!!

Juvencio de Arruda disse...

Olá, dr. Carlos, prazer em revê-lo.
O prof. Boaventura esteve na UFPA tres vezes nos últimos tres anos, e vai voltar.
Vou acompanhar as atividades do OJA e regularmente postarei sobre o tema.

Anônimo disse...

Já era tempo. Vai ter muito trabalho, mas o povo vai agradecer. O Judiciário do Pará além de ser um mamute, é atrasado, conservador, preguiçoso, atrelado ao poder político e econômico local e completamente medroso; e se alguém se insurgir contra isso tudo, será solenamente ignorado, e carreira atrofiada. Esperamos bastante deste observatório recém-criado para esclarecer as mazelas da Justiça em nosso Estado.

Anônimo disse...

uma excelente notícia!

JOSÉ DE ALENCAR disse...

Boa notícia, Juvêncio.

Meus cumprimentos e minhas homenagens à Marise e seus pares.

Juvencio de Arruda disse...

Onrigado, caríssimo José de Alencar. Vem em boa hora, com efeito, o Observatório.
Os pares agradecem. Amanhã vou levar este post e os comentários, para que eles sintam a expectativa que acompanhará seus trabalhos.

Newton Pereira disse...

Juvêncio,

Fui aluno da professora Marise, e tenho certeza que será feito um trabalho de referência, inclusive sobre o acesso à justiça estarei a disposição.

Newton Pereira

Juvencio de Arruda disse...

Obrigado, Newton. Vou dar seu recado à ela. Tenha certeza que o mesmo se aplica aos coordenadores Celso e Graça.

Cássio disse...

Parabéns pelo observatório. O profº Celso Vaz compõe o Conselho editorial denossa publicação CADERNO PARA REFLEXÕES, junto à Profª Kátia Mendonça, Adalmir Marquetti, Adriano Geraldo Godoy de Campos, José Clóvis de Azevedo e outros dos campos das ciências sociais e política. Na matrícula desta semana eu mando ao Programa as publicações e reparo a dívida contigo, Juvêncio. A "Gestão Pública" da EGPA, sei que o Humberto já te deu (êpa!).

Ana Lucia Prado disse...

Juca,
Que boa notícia!! Dê meus parabéns à Morbach. Estou longe, mas sempre a observar o que passa na nossa terrinha.
Um abraço

Juvencio de Arruda disse...

Obrigado, profa. e a Marise manda um abs. Vejo que seu estilo já sofre influência ultramarina...rs
Apareça sempre e muito sucesso aí!
Abs

Anônimo disse...

Ousadia e coragem para observar as malhas do judiciário, requer muito trato político. Acredito as ações do OJA venham contribuir de maneira significativa para o desenvolvimento do Pará uma terra de "direitos" e direito. Um olhar crítico à luz da ciência era que nos faltava. Parabéns pela iniciativa. Estarei observando a atuação do OJA.