15.2.09

O Bobo da Corte

O anúncio dizia que o castelo era o Hangar, a vencedora seria a rainha, e bobo quem não assistisse.
Muita gente leu, mas poucos acreditaram, a começar pela Rede Globo, que de boba não tem nada.
Pela primeira vez, a mais tradicional promoção das ORM - o concurso Rainha das Rainhas do Carnaval - não recebeu autorização da Rede para ser exibido em canal aberto. Sobrou a tv a cabo.
Os patrocinadores também fizeram forfait. Restaram apenas tres. O primeiro deles, uma agência de viagens, sugere uma permuta. O segundo, o centro de convenções Hangar, reitera o apoio de 2008, muito criticado pela secretaria de Comunicação do governo, e assim prosseguirá até quando a política permitir. O último, garantem os do ramo, adora aparecer, mas pelo visto não sabe. Apareceu mal e para poucos.
O prêmio da vencedora, um Pálio 1.0, fantasia o contraste com os áureos tempos de sedans, longas viagens pela Europa ou pelo Brasil com acompanhantes, entre outros prêmios. O evento agoniza.
Os poucos assinantes do canal, reunidos em alegres grupos, foram recompensados com os tradicionais desabamentos de candidatas - este ano despencou mais uma - e pelas folclóricas bobagens proferidas por apresentadores e comentaristas, temperos para quem se prestou a rir da desgraça alheia.
No outro lado da desgraça, por trás das câmeras que já não são capazes de ocultar a decadência do grupo de comunicação e outros negócios, uma agonia maior: um castelo que se recusa a ver sua própria ruína, embora exiba-a sem qualquer cerimônia desde que alguém pague por isso. Ou permute.
Levados por um comando trêfego, dividido, equivocado, e pior, recalcitrante em seus delírios, as ORM insistem em transmitir sua própria debacle.
Menos mal quando numa tv a cabo.
A corte que ri do bobo é muito menor.

38 comentários:

Anônimo disse...

Juvêncio, 'cê tá ficando profético! O que vai nos sobrar quando eles forem embora? Aliás, a crise do jornal impresso é mundial. Creio que vivemos um tempo memorável, comparavél, é claro, à invenção de Gutemberg. Na época deve ter sido assim, uma certa demora para a prensa se impor - mas agora as informações são por cabos óticos, adeus jornais. Em Estação Finlândia, conta-se que Lênin ao chegar ao vagão que conduziria à Moscou, a primeira coisa que pediu foi os jornais. Se fosse agora, a primeira coisa a fazer é ler os blogs....

John Charles disse...

É a crise, meu caro Juca, que só não tá maior por que o grupo tem negociado bastante no varejo com o Governo do Estado. É por isso que o Lib tem jogado carradas de areia na relação DS-PT-AJ/Jader, pra depois dar o "suporte", que nem sempre a folha sobrancelhuda se dispõe a dar. Rombinho e família não tão dispensando nada.
Parabéns pelos aprovados de casa.

Anônimo disse...

Seu Juca pegue leve que o grupo tá afundando isso a gente já sabe,que o concurso é demode e que esta falido tambem a gente já sabe....agora reconheca que tinha uns piteozinhos a isso tinha loucas para arranjar outra freguesia para sambar,ne não bicolor.

Anônimo disse...

Juca,

Eu classificaria de cruel esse teu texto se estivesse exagerado. Entretanto, o que ocorre com as "ORM" é isso mesmo.

Uma pena para eles e parabéns pelo texto.

Abs,

J. BEÁ

PS: Não irias descansar? Ou descansas assistindo ao Rainhas? rsrsrsrs

Anônimo disse...

Égua, sumano, tú tá qui tá, porreta de bom, hoje (e sempre).
Entrei rapidola, só pra ver as novas, mas não podia deixar de registrar meu pitaco de aprovação.
Tem que falar pros da curriola falida, que só escrevem "currente calamo", o anacoluto que dizia o saudoso filósofo do PC (o clube dos boêmios), Sílvio Bernardes, pai do "Franguinho", depois que a gente tomava a quinta (sem emenda): "Capricha, cagalhão".
E haja tolete pra tanta besteira.
Um bom domingo
MK

Anônimo disse...

Mas hoje, o Bernardino já está puxando o saco do Fábio Castro da SECOM. Será que já conseguiu uma boquinha? hehehe

Anônimo disse...

Não se trata de crise da imprensa mundial. No caso em particular, além daquela, superável com a mudança do padrão das linhas editoriais, o que começa a ruir é a estratégia de "marketing" do Jornal, que tem sobrevivido de ameaças, chantagens, calúnias e tudo o que afronta o mínimo da ética. Esse tipo de "império", um dia, tem de ruir. E é o que começa a ocorrer. Toda a sociedade já sabe o que move O Liberal e este perdeu a única coisa que a imprensa não pode perder, como patrimônio: a credibilidade.

Vladimir Cunha disse...

É incrível que as "ORMes" não consigam enxergar no concurso Rainha das Rainhas o espelho de sua própria crise institucional, moral e, dizem, financeira. À exceção de seus organizadores e comentaristas creio que ninguém mais o leve a sério. E engraçado ver a quantidade de gente que se reúne para assisti-lo como um evento de...humor, esperando que alguém caia, que alguma fantasia quebre ou de olho nas bobagens que saem da boca de seus "comentaristas". Trata-se de um concurso provinciano, decadente e que já não cabe mais em uma cidade do tamanho de Belém, ainda que esta não mereça mais o título de "metrópole". A pergunta a ser feita é: "quem ainda se interessa em saber sobre a Rainha das Rainhas do Carnaval?".

Anônimo disse...

Hoje mesmo comentei com uma pessoa de boa visao crítica: daqui a um tempo, "Rainha das Rainhas" vai virar conto de vovó.

Por qual motivo a Globo náo quis permitir a Liberal transmitir? Acharam que transmitir o INADJETIVÁVEL Zorra Total daria mais audéncia?

Entre os dois, é melhor tirar a tv da tomada e ir ler um livro.

Pelo menos esse ano ganhou do Grémio... já faz aí uns 30 anos que o querido clube náo ganhava.

Anônimo disse...

Caro Juca, a leitura que faço dessa situação, é a falta de investimento em gestão por parte dos empresarios, aqui tanto faz se é das ORM como o Diario!! A administração dessas empresas,na maioria, está entregue nas mãos de jornalistas, o que representa uma manutenção de antigos costumes, não obstante a economia avança, se modifica, e os jornalistas tendo que tratar de materias, de redação, de limpeza de banheiros, de manutenção de predios, o que para gestões modernas é fatidico a fracassos. Além do que sempre dispuseram de dinheiro facil, vindo dos cofres públicos, então não tinham porque se preocupar, o dinheiro vem facil!!
O mundo mudou, outras fontes de informação surgiram, outras se modificaram, outras acabaram, e outros imperios estão pra ruir, se não profissionalizarem sua gestão!!
abraço juca

Anônimo disse...

"Seu" Quinta, reparou como as Oerremis, vira e mexe, tem estilingado os japa YY?
É de raiva ou inveja ou o que?
Vai ver, se os YY publicarem uns anunciozinhos no "mais melhor de maior do leste e do noroeste" a coi$a $e acalma, não?!...

Anônimo disse...

Outro problema é que YY anda, também, mal das pernas.
Recente demissão de 300 funcionários, redução do horário do YPlaza, endividamento acima do suportável dos clientes do cartão Y e outras cositas estão deixando os japa de cabelo mais em pé que o habitual.
É a crise, sumano !

Sílio Barbosa disse...

Caro Juju, se a Ultra-Power-Hiper-Mega Poderosa Reeeeeeeede Globo Televisionnn faz produções como Negócio da China, Três Irmãs e afins. Imagina V.Sr. se não é absolutamente normal o "peixinho" de água doce ORM fazer um Rainha das Rainhas por exemplo. Ouuuuuu será que preferes um Misssss Pará da RBA? hããã

Abraço Caro

Anônimo disse...

Juca, o concurso rainha das rainhas é, assim como o arraial do Círio, uma tradição aqui em nossa cidade. Os clubes se mobilizam, as familias se envolvem, e a animação das torcidas é impressionante, isto aconteceu ontem e acontece hoje! O que acho que perdeu um pouco o sentido é a transmissão ao vivo. Tirando uns poucos entusiastas e as pessoas envolvidas já citadas, a maioria da população ignora as participantes e não se importa com o resultado. Isso não significa que o concurso deva acabar, tradições podem e devem ser mantidas, ainda mais quando são saudaveis e servem como integração social dos que participam. Da mesma forma que a pelo menos 10 anos que não "dou a cara" no arraial e defendo a sua permanência!

Um abraço

FB

Anônimo disse...

ô das 10:56, não sei de nenhum jornalista administrando empresa jornalística em terra paraense. Nenhuma das empresas do ramo no Pará tem executivo com formação e cabeça de executivo. É só parente, amigo, ou um familiar etc.

Anônimo disse...

Égua, parente! Dá gosto ver que o Pará está atupetado de gente que conhece do negócio e os ORM não contratam. Burros, esses Maioranas... eles e o NY TIMES, que teve que se render ao mexicano, dono de telefonia no Brasil. Será que alguém entende? Não, não entendem, porque, para a dor que sentem, ainda não foi inventada nenhuma gororoba ou pajelança.

Anônimo disse...

Ah, Juca, vale lembrar que o nosso inteligente mor Paulo Chaves já foi comentaristas dos RR, no início os anos tucanos. Será que ele considera passado negro?
ah,ah.

Anônimo disse...

ô das 2:11 na verdade o grande imbrolio é justamente esse,pois na maioria existem muitos que se dizem "jornalistas", ocupando lugar dos profissionais legalmente "formados" e capacitados, da mesma forma que jornalistas profissionais, acabam inveredando pela área da gestão sem a minima capacidade!!
abraço juca

Anônimo disse...

Esse concurso reflete o quanto esse povinho é atrasado, bairrista, conservador, de famílias católicas oportunistas que vivem lascadas e rezando pra nossa senhora de nazaré, na esperança de verem, um dia, suas fatasiadas filhinhas se darem bem com endinheirados mafiosos ou sonegadores da receita federal, para viverem o restos de suas vidas fazendo compras e procriando. Justamente na maior festa da putaria nacional, o carnaval. Vai um conselho a essas meninas consumistas: tirem suas máscaras, saiam desse mundo fantástico, vão estudar e ser alguém de verdade na vida.

Anônimo disse...

O grande problema deste grupo de comunicação não é só a perda de credibilidade, o que já é um grande problema para a imprensa. Mas além disso, a questão é que seus diretores (a família) ganharam a antipatia da sociedade, não há quem goste dos ditos cujos. a imagem deles é a da mais nojenta nobresa.
Além disso, não há criatividade, a Tv não produz nada além de telejornalismo, o O Liberal é comprometido com os interssses da família, a Rádio IDEm. Uma saída para eles, vendam esta porcaria, e livrem a sociedade de vcs.

Anônimo disse...

os patrocinadores sabiam que não ia ser trasmitido em canal aberto...????? porque se nao sabiam vão ter que engolir a seco esse golpe pois quem deles vai querer brigar com o grupo ORM??????

Anônimo disse...

O problema é que o diretor de marketing das ORm, diretor de marketing, é junior, guarany junior para ser mais exato...

Anônimo disse...

DIzer que foi orientação da globo é coisa de quem não apura...se bem ne? vc nem é jornalista

Anônimo disse...

Caro Sr. Juvêncio.

A história mostra a decadência daqueles que pensam que podem enganar a todos o tempo todo.
Vejamos o caso do império de Assis Assis Chateaubriand o poderoso Diários Associados (TV Tupi e Revista O Cruzeiro) e até Jornal aqui no Pará. Faliu e sumiu.
Assim caminha o grupelho ORM, que tem o jornal que nem os peixeiros da feira querem para enrolar peixe e o outro, que suja o nome e a grandeza da Amazônia com uma publicação medíocre e permissiva.
Hoje só a chantagem da empresa marrom, contra este governo atolado na corrupção e um empresariado envolto em todo tipo de crimes, inclusive pedofilia, é que ainda mantém este monstro da desinformação.
Desculpe Sr Juvêncio, foi um desabafo!

Anônimo disse...

As ORM continuam cada vez mais sólidas, apesar dessa imensa torcida contra aqui no Quinta.
Como paraenses, todos nós deveríamos ter orgulho de uma empresa que cresceu aqui, com profissionais daqui.
As ORM começaram com um jornal quebrado nas mãos de Romulo Maiorana, que aos poucos foi construindo um verdadeiro império de comunicações, hoje o maior do norte do país. Foram décadas de muito trabalho, e muito amor a nossa terra.
Romulo nos deixou cedo, em 1986, quando seu filho Romulo Júnior tinha apenas 26 anos de idade e da noite para o dia assumiu a responasabilidade de comandar todo o grupo, ao lado de seus irmãos. Na época, muita gente, como os que hoje torcem pela derrota do grupo, não acreditava que a obra de Romulo fosse durar muito tempo nas mãos de um garoto tão novo.
Hoje, já se vão 23 anos e o grupo só faz crescer, mesmo com a velha torcida de sempre pra que dê tudo errado.
Se engana quem pensa que as coisas vão mal por lá. Se engana redondamente, e o tempo vai mostrar isso.
Nós, como paraenses, deveríamos era torcer para que uma empresa como essa continuasse firme e forte no mercado, como um contra ponto a outro tipo de jornalismo que se faz em um outro grupo de comunicação local.
Ou vocês vão querer ficar nas mãos somente desse grupo ?
Eu, não.
Vic Pires Franco

Anônimo disse...

Uma perguntinha ao deputado: como é que uma empresa de comunicação que, segundo suas palavras faz contraponto a outro grupo de comunicação local, e que, segundo sua própria publicidade faz jornalismo de credibilidade simplesmente ignora as denúncias nacionais de pedofilia contra o deputado Sefer? Como o deputado justifica isso? E como o deputado justifica sua ação contra o contrato entre a Funtelpa e a TV Liberal, ação, aliás, corretíssima, que depois, sem maiores explicações, o deputado abriu mão? Explique sem o usual apelo para uma falsa indignação, deputado, explique simplesmente explicando, sem agredir e ofender, deputado.

Anônimo disse...

Se identifique com seu nome completo, RG e CPF se tiver coragem, e vamos ao debate.
Aqui mesmo, no Quinta.
VPF

Cabelo Seco disse...

parece tom de ameaça... "se tiver coragem"

he he he

Anônimo disse...

Por que precisaria de RG e CPF? Não bastaria o nome?

Anônimo disse...

Acho que ele tem que se identificar também, como é que a gente vai saber que é mesmo o líder do Líder, Vic?

Anônimo disse...

É muita ingratidão de quem há pouquíssimo tempo estava lá no quarto andar das ORM pedindo um jatinho pra ir bem ali, não vir aqui defender a quem sempre lhe deu a mão.
Principalmente se esse alguém é useiro e vezeiro do Quinta.

Anônimo disse...

Um anônimo com nome e sobrenome de absolvente feminino.
Arrotou lagosta durante doze anos comendo sardinha enlatada acompanhado de meia dúzia de tucanos emplumados que se achavam donos do mundo e do Estado. Se ferraram.
Hoje, não passam de coadjuvantes e dependentes do que o Jader vai decidir para o futuro de suas vidas.
Figuras que só vão longe nas asas do Jader, ou no jatinho do Rominho.
O anônimo fujão, é um desses que botou o rabo entre as pernas e deu no pé daqui.

Anônimo disse...

Pô, acordei agora, não foi o deputado Vic, que tinha uma ação popular , oi coisa parecida, contra a ORM, por usar as retransmissoras da Funtelpa? Volto a dormir...hum

Anônimo disse...

Caro Sr. Juvêncio,

O que me espanta é ver nestes dois anos de desgoverno, todos os dias a governadora e seus sócios declararem que tudo de ruim na saúde deste Estado é culpa do Deputado Vic, da sua esposaa Valéria e do Fernando Dourado, que êles formavam uma quadrilha que roubava o Estado e por isso hoje o caos impera na saúde, ninguem no governo da Ana esconde isso e já virou chavão. Apesar de tudo isto o Liberal apoia claramente este governo numa verdadeira contradição que só engana os inocentes úteis.

Anônimo disse...

Cadê o anônimo das 9:47 que não teve coragem de se identificar e vir debater com o deputado Vic ?
Só pode ser aquele cara que foi lá pedir o jatinho do Rominho pra levar o chefe, e tem vergonha de defender os amigos que sempre lhe deram a mão.

Anônimo disse...

Anônimo das 7:46, o Vic foi aquele que falou cobras e lagartos da família Maiorana na campanha em que foi candidato à prefeito. Só faltou escarrar no prato que comeu. Inclusive falando desrespeitosamente da matriarca da família. Lembra? Se não lembra, eu tenho a gravação e posso colocar no Youtube.

Juvencio de Arruda disse...

Bobo da corte das 11:09, eu é que espero que vc não tente mais publicar nenhum comentário porcaria por aqui.

Anônimo disse...

Deputado Vic, por que ao invés de responder ao anônimo que apresentou fatos, V.Excia. tangenciou pedindo identificação? Fugiu da resposta, é claro.