27.2.09

O Tribunal Desonra a Categoria

Por 10 x 2 o Tribunal de Ética e Disciplina da OAB livrou Hamilton Gualberto da necessária reprimenda por ter publicado em sua coluna no IVCezal o nome completo da menor que acusa o deputado Sefer de pedofilia. O TED conferiu à Gualberto o mesmo entendimento que deu ao covarde Ronaldo Maiorana, que mandou seu bate pau atacar o jornalista Lucio Flavio Pinto: Gualberto não estava no exercício da advocacia.
Voltarei ao tema mais adiante.

24 comentários:

Anônimo disse...

Ele diz que é formado em jornalismo, o Sindicato ou a FENAJ não vai punir pela falta de ética??????

Anônimo disse...

Mas estava no exercício do jornalismo, e aí, o SINJOR não fará nada.

Francisco Rocha Junior disse...

Juca,
Infelizmente, nada a estranhar. É triste constatar que, apesar de tanta gente boa em sua composição, depois do episódio do Lúcio Flávio não há como se sentir representado por este Conselho.
Os episódios de alienação (ou fuga deliberada) da realidade se sucedem e tornam o Conselho Estadual indigno da valorosa história da OAB.
Abraço.

Anônimo disse...

Eu não digo meu nobre, a OAB Pará só serve para aparecer quando é assassinado alguém conhecido, que pede investigação rigorosa,etc..e tal. Ora Angela Sales, vá pentear macacos e peça prá ir ao banheiro ou no botequim da esquina e rasga da entidade, bandos de incompetentes e elitistas.

Anônimo disse...

É a combativa OAB dando o bom exemplo para a categoria e a sociedade

Anônimo disse...

DECRETO

A GOVERNADORA DO ESTADO RESOLVE:

nomear, de acordo com o art. 6º, inciso II, da Lei n.º 5.810, de 24 de janeiro de 1994, DIVINO DOS SANTOS para exercer o cargo em comissão de Assessor Especial I, com lotação na Governadoria do Estado.

PALÁCIO DO GOVERNO, 26 DE FEVEREIRO DE 2009.

ANA JÚLIA CAREPA
Governadora do Estado



Caro Juca o nomeado acima não é o ex-candidato a vice prefeito de Ananindeua, na chapa do deputado pioneiro do PSDB? o que será que andam conspirando pelas alcovas?

Anônimo disse...

Perfeito! Para a OAB/PA, o advogado só precisa ser ético unica e exclusivamente no exercício da advocacia. No mais, pode fazer de um tudo que será absolvido. A OAB não quer ver que a coluna do indigitado é justamente um tipo de exercício de advocacia, pois só trata disso. Juca, dá o nome dos membros do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB e saberemos que ali há dez aéticos. Se pudermos saber o nome dos dois únicos éticos no grupo, melhor, para que eles não se vejam manchados pela atitude calhorda dos outros 10.

Anônimo disse...

Mas o que é que tu queres, meu caro Juca? Se o tal do Gualberto, quando Delegado e ainda no probatório, empurrou um velho do alto das escadarias da antiga Central e que veio a falecer depois, e não foi condenado, como deveria. É um delegado falido, além de expulso dos quadros da PC, um advogado de porta de xadrez, um jornalista esportivo metido a bom e não chega aos pés dos confreiros e agora cometeu um crime contra aquela criança e a OAB fechou os olhos. É um tremendo de um Dom Juan de 5ª categoria, além de bobo da corte.

Anônimo disse...

Não é necessario o julgamento de nenhuma instituição (muito menos as comprometidas),para confirmar a indole do sr. Hamiltom Gualberto.A sociedade paraense o trata da forma que o mesmo a trata, ou seja,mantendo-o à distancia e o isolando dos convivios sociais sádios.So lhe resta como companhia uns poucos ,com carater duvidoso e em debito com a justiça e a ética.

Yúdice Andrade disse...

Que vergonha. Mais uma vergonha. E aposto que ninguém na OAB se manifestará sobre a decisão e as críticas. O serviço já está feito.
É interessante como, para certos casos, a OAB é tão enfática e enérgica, mas para outros age tal qual a instituição que mais critica, acolhendo preliminares para não enfrentar o mérito e não resolvendo as verdadeiras demandas que lhe foram apresentadas.
Uma lástima.

Juvencio de Arruda disse...

É, professor Yudice, uma vergonha.
Vou aguardar a ata da reunião e voltarei ao tema. Aconteceram coisas do arco da velha na malsinada reunião.

Anônimo disse...

Por que a OAB não comparece neste blog com uma justificativa para o despropósito? Fala OAB!!!

Juvencio de Arruda disse...

Lamento, das 13:44 mas a relação que vc enviou ao blog refere-se ao Conselho da OAB e não ao Tribunal de Ética e disciplina, onde se amoitam os interessados em desonrar a corporação.

Anônimo disse...

Em 1992 fui agredido pelo advogado Calilo Kzan. Foi na entrada secundária do fórum de Belém, que dava para a rua Tomásia Perdigão. A agressão acobteceu diante de um deputado estadual e de um cartorário, com os quais eu conversava, quando fui surpreendido pelo ataque do então amigo, que advogava para a esposa, Rosângela Maiorana Kzan, em litígio contra mim, por causa do Jornal Pessoal. Dei queixa à polícia e representei à OAB. Decisão da Ordem: arquive-se o processo; o causídico não estava no exercício da profissão (argumento que o relator do caso inseriu de moto próprio, já que a defesa não o suscitara; ou seja: foi além do pedido em favor do reclamado, ultra petita). Entendi, por essa doutrina, que o advogado só comete infração às regras éticas da corporação quando espanca alguém dentro da sala de audiências, diante de juiz e de promotor em função judicante. Não estando nesse âmbito, não está no mundo para efeito da OAB/PA, que, por isso, orbita em Marte. Ontem e hoje. Abraço, Lúcio Flávio Pinto

Juvencio de Arruda disse...

Lembro perfeitamente do caso, Lucio, outra vergonha para um advogado e professor universitário,que deu, naquela oportunidade, péssima lição de ausência de carater e equilíbrio.
Naquela mesma época este mesmo elemento tentou repetir a dose com o então pro reitor Alex Fíuza, na saída da escola onde os filhos de ambos estudavam, na esquina da Dr. Moraes com a Mundurucus.
Não foi bem sucedido.
A cabroeira não se dá ao respeito, igualzinho esse embuste que é o Trinunal de Ética da OAB.
Equivalem-se em covardia.

Juvencio de Arruda disse...

Complementando, Lucio, esta reunião do tribunal teve elementos de sem vergonhice que não aconteceram em ocasiões anteriores. Voltarei ao tema no final do mes, descrevendo os detalhes sórdidos e seus autores, mostrando que um Tribunal deveria julgar os procedimentos deste tribunal.

Anônimo disse...

Quero saber se a Mary Cohen vai se manifestar ou a Angela Sales.
Duvideodo

Anônimo disse...

Juva, mão é tribunal e sim Comissão de Ética.

Anônimo disse...

Nesta terra tudo pode. Inclusive li hoje que a Sra. Angela Sales vai para a reeleição. Isto só acontece nesta terra de direitos

Prof. Alan disse...

Juvencio, Mano Velho, vez por outra vejo comentaristas imputando ao povo e suas péssimas escolhas eleitorais a qualidade dos políticos que temos.

Com a OAB é possível fazer o mesmo: todas as eleições para a Ordem são decididas não com base no histórico, no comprometimento com a classe ou nas propostas dos candidatos, e sim nas relações de cumpadrio e nas amizades que cada um tem.

Quem tem a maior rede social ganha a eleição. Os nossos ilustres advogados estão pouco se lixando para quem ou no que estão votando - sempre o fazem num amigo, ou em alguém para quem um amigo pediu o voto...

Certa vez eu fazia campanha para um determinado candidato, o único que havia lembrado da existência dos advogados públicos, nos visitado e diligentemente ouvido nossas propostas e reclamações.

Pedi o voto para os colegas de trabalho. Ouvi as mais variadas negativas: "meu primo pediu para votar em fulano"; "sicrano é meu amigo"; "meu amigo beltrano está na chapa do sicrano"; "fulano é colega de chapa do meu marido". E por aí vai...

Em suma: a maioria vota com base em suas relações pessoais. E 80% não conhecem as chapas inteiras, só os presidentes - ou os amigos e parentes que lhes pediram votos...

Agora, voltando ao início: se é assim que se decide eleição entre os dotô adevogado, porque reclamar dos votos da plebe ignara?

Juvencio de Arruda disse...

Parente, também ouvi declarações de vto como essa nas eleiões da UFPA. Teve neguinho - Doutor! - que dizia assim: eu vou votar em fulano porque nos moramos juntos fora de Nova Déli na por graduação.
Sobra só pro povão, pro doutor não.

Anônimo disse...

Pior é o Sinjor, que apoiou a agressão ao Lúcio.
Inédito!
Sindicato dos Jornalistas do Pará apoia agressão a jornalista, feita por dono de jornal, por causa de uma reportagem!
Foi aí que o Sinjor acabou.
Perdeu sua credibilidade e não a recuperará jamais.
É por isso que convoca assembleias e a categoria não vai. É por isso que a própria presidenta é demitida e a categoria não tá nem aê.
Já teve respeito este sindicato...

Anônimo disse...

Juva!
Vê lá.
http://www.oabpa.org.br/MembrosTed.asp

Rosinh@ disse...

E ainda vão publicar em ambas as folhas uma nota de desagravo ao indivíduo.... isso é Pará Terra de Direitos...