11.12.08

De Geraldo Pra Geraldo

A Assessoria de Comunicação do MP envia e.mail à imprensa que diz:

DENÚNCIA DE PEDOFILIA CONTRA DEPUTADO

A Promotoria de Justiça da Infância e Juventude já solicitou a instauração de inquérito policial sobre o caso. O MP aguarda a conclusão.

----

A bola, que já rolou no MP, foi para a secretaria de Segurança Pública.

11 comentários:

Francisco Rocha Junior disse...

Juca,
Os deputados perderam completamente a vergonha. Negociar com um crime desta natureza é inominável e inadjetivável.
Pelo modo como as coisas caminham, depois de hoje só há uma receita a seguir para extirpar este carnegão do meio da Assembléia Legislativa: o MPF pedir a prisão preventiva ou provisória do parlamentar, o Juiz Federal competente deferir o pleito, o mandado ser cumprido pela Polícia Federal e o fato sair noticiado em todos os jornais e revistas do país, com a foto do sujeito estampada nas páginas policiais. Aí sim, quem fosse podre iria se quebrar - inclusive quem sabia do fato e usou-o para barganhar CPIs.

Juvencio de Arruda disse...

Nobre, do jeito que a coisa se desenha, o caso vai à ribalta nacional mais rápido do que se poderia imaginar.
Não sabia dessa posibilidade tácnica que vc menciona, mas aqui no Pará não falta MPF, Justiça Federal e PF para isso.
Sobra, aliás.

Anônimo disse...

O Ministério Público Federal não é competente para casos dessa natureza.Cuidado com açodamento para não inviabilizar qualquer punição,caso proceda a acusação. Repara o caso daquela desembargadora que surrupiava os valores($$) das partes.

Anônimo disse...

Cassação já!
Degenerado tem que ser preso, seja pobre, rico, branco, preto, deputado ou o que for. A pulseira de prata que já apertou os pulsos de tantos poderosos deve, mais do que nunca, apertar a deste e de outros degenerados que atuam no paralmento do Pará. Tantos políticos já foram presos (soltos depois, é verdade) por corrupção, porque que este, que comneteu algo muito maior tem que ficar livre?
Quem é o padrinho desse pústula?

Francisco Rocha Junior disse...

Tem razão o anônimo. Confesso meu erro: a pedofilia que impõe competência à Justiça Federal é aquela praticada pela internet.

De todo modo, substituindo-se o MPF pelo MPE, a PF pela PC e a JF pela JC, a receita permanece a mesma.

Anônimo disse...

ah bom.legal quando uma impropriedade é reconhecida pelo próprio autor. De mais a mais, recomendo cautela na presente acusação, pois já vi casos que,num primeiro momento,indicava proceder, e depois,com aprofundamento das investigações, revelou-se uma trama urdida para manchar de nódoa a honra alheia.Não vamos pecar pela omissão, mas,também, não vamos condenar alguém sem o devido processo legal.(NÃO HÁ CRIME SEM LEI ANTERIOR QUE O DEFINA,NÃO HÁ PENA SEM PRÉVIA COMINAÇÃO LEGAL).

Anônimo disse...

Com esse Tj paraense, o máximo que o elemento pode pegar é uma multa, censura, cestas-básicas, trabalhos na comunidade,No TJ paraense o lema é o seguinte (Não é novo)"Os processos novos deixem envelhecer, os processos velhos, deixem prescrever".

Anônimo disse...

Que tal começarmos uma campanha de mensagens ao e-mail dos deputados, exigindo as providências, quanto a CPI. Com seu blog muito bem visitado, acho que pega rapidinho.
abs

Jorge Alves

Anônimo disse...

Deputado Estadual tem foro especial por prerrogativa de função, é o TJE, em casos de crime comum. Quem do MP está no caso? Promotor ou Procurador?

Anônimo disse...

Entrem no site da Assembléia www.alepa.pa.gov.br vejam os endereços eletrônicos dos deputados...Mas continuo acjando muito distante a OAB e a Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos... Cadê a Mery Cohen e o Marco Apolo?????

Anônimo disse...

CAro Juca,

A msg do ânônimo das 7h46 me fez lembrar aqueles casos em que o cara rouba, estupra, mata, enfim aterroriza e depois colocam o infeliz em uma cela e vem a turma dos direitos humanos reclamar das condições em que hospedaram-no.

Até onde entendo os Direitos Humanos foram criados para os humanos, ou não precisa ser humano?

J. BEÁ [hj de mal humor por conta desta história cada vez mais ridícula]