22.12.08

Aula

A universidade continua dando aulas. Hoje, uma aula da realidade. Da instituição e das condições objetivas que a cercam, dos homens que a constróem.
As manifestações expostas na reunião de hoje do Conselho Universitário traduziram a diversidade, o espectro do diapasão, as diferenças, e mostraram que - pelos caminhos que só ela sabe conduzir embora poucos fora dela possam compreender em que tons - a democracia teima em resistir na instituição.
A Comissão Eleitoral, na berlinda da sessão extraordinária de hoje, mostrou, a meu juízo, que não houve intenção de macular o processo de apuração dos votos, embora tenham ocorrido falhas na sistematização de alguns votos, problemas na atualização no listão de eleitores, rasuras em boletins eleitorais, insuficência nas condições de envio de urnas do interior, entre outras limitações ao trabalho da Comissão.
Por ampla maioria - 47 x 30 e 4 abstenções - O Consun decidiu homologar o resultado da eleição do dia 3 deste mês.
A reunião que encerrou o processo durou sete horas, tempo que foi quase integralmente dispendido na discussão do relatório da Comissão, a única pendência que restava do processo eleitoral posto que a única formalizada, apesar do dramático desfile de calúnias e preconceitos que foram destilados durante o período eleitoral - e este permanecerá. E mais: será acrescentado ou às velhas biografias dos irrecuperáveis, ou apensado às novas que eclodiram.
Não cabe, no entendimento político deste blog, qualquer tipo de recurso à Justiça, mesmo dentro da moldura em que a questão está sendo discutida, e que inspira qualquer processo eleitoral, por mais infestado de bodes que seja, como este foi: a moldura da democracia.
Exatamente como postou o Quinta no dia 5 de dezembro, aqui, e aqui, no dia 6.

2 comentários:

Anônimo disse...

Conseguiu digerir essa, Juvêncio ?

Juvencio de Arruda disse...

Sem precisar me rasgar, como vc viu...rs